História da Sanathana Sarathi

Discursando durante o lançamento da revista Sanathana Sarathi, Sai Baba disse:


"A partir de hoje, nossa Sanathana Sarathi vai levar à vitória o grupo da verdade: os Vedas, os Sastras e escrituras semelhantes de todas as fés, contra as forças do ego, como injustiça, falsidade, imoralidade e crueldade. Esta é a razão de seu surgimento. Este Sarathi lutará para estabelecer a prosperidade mundial. Está destinado a entoar o hino do triunfo, quando for alcançada a Bem-aventurança Universal."
 

Lançada em 1958, a Sanathana Sarathi é uma revista mensal devotada à Verdade (Sathya), Retidão (Dharma), Paz (Santhi) e Amor (Prema) – os quatro princípios cardeais da filosofia de Bhagavan Baba. É publicada em Prasanthi Nilayam (a Morada da Paz Suprema) e serve como um arauto do Ashram de Baba, pois fala sobre os eventos importantes que acontecem em Sua Morada Sagrada, além de transmitir Divinas Mensagens, através dos Discursos Divinos de Bhagavan Sri Sathya Sai Baba.
 

O significado do termo “Sanathana Sarathi” é “Eterno Condutor”. Representa a presença do Senhor em todos os seres como o Atma que guia suas vidas como o condutor de uma carruagem. Implica em dizer que todo aquele que, tendo seu corpo como uma carruagem, entrega sua vida nas mãos do Senhor, em atitude de rendição, será conduzido por Ele, assim como o condutor de uma carruagem conduz seu passageiro em segurança até o destino.
A revista é um instrumento de difusão de conhecimento espiritual, para a elevação moral, física e mental da humanidade, sem qualquer discriminação, já que os assuntos discutidos ali são sempre do interesse comum e têm apelo universal.

 

Os quinze Vahinis – rios de santidade – conhecidos como a Série Vahini, compreendem descrição e interpretação das Upanishads e outras escrituras, poemas épicos (Itihasas) como o Ramayana, o Bhagavata e o Mahabharatha, e autênticas explicações sobre Meditação (Dhyana), Retidão (Dharma), Amor (Prema), etc. Eles foram publicados em série nesta revista, tão logo emanaram da Divina pena de Bhagavan Baba.
 

Esta revista é publicada em quase todos os idiomas da Índia, com as versões em inglês em télugo editadas em Prasanthi Nilayam e outras, editadas em suas regiões respectivas. Todos os anos, a Sanathana Sarathi lança uma edição especial em novembro, em comemoração ao Aniversário Divino. As revistas em inglês e télugo são postadas nos dias 10 e 23, respectivamente, de cada mês, em Prasanthi Nilayam. Sua circulação cresce sem parar, na Índia, assim como em outros países, pois sua leitura aproxima o leitor da filosofia do Avatar em linguagem simples e compreensível.
 

O Prof. N. Kasturi foi o primeiro editor da Sanathana Sarathi, desde sua inauguração em 1958 até que ele alcançou os Divinos Pés de Lótus em 1987. O professor, cujo gênio tinha muito virtuosismo literário, escreveu sobre a gênese da Sanathana Sarathi em sua ilustre autobiografia denominada LOVING GOD.

 

Fonte: https://saireflections.org/journals/story.php

 

A Gênese

PENITÊNCIA PARA ESCREVER
 

Eu recebi a boa notícia rapidamente; Baba chegara a Bangalore. Ele se hospedaria na casa de Sri Vittal Rao, na 9ª Estrada Transversal, em Wilson Gardens, a cinco minutos de distância da minha casa, "Ashoka" na 12ª transversal. Sabendo que havia uma possibilidade de Ele visitar o lugar, eu dei uma gorjeta ao tintureiro que cuidava das cortinas da casa de Vittal Rao, para me dizer a hora em que entregaria as cortinas. Eu observei que ele mandara lavar e passar as cortinas para se preparar para a visita de Baba. Quando finalmente a visita se confirmou, eu coloquei a filha de minha empregada doméstica sentada sobre uma pedra diante da casa, com orientações para procurar por um carro grande e uma túnica laranja. Assim, dez minutos depois de receber Baba em sua casa, Vittal Rao teve a surpresa de me encontrar em sua varanda! “Espere! Espere! ” Pediu ele. Mas Baba apareceu e veio em minha direção com a mão pronta para pousar sobre meu ombro. “Agora você tem trabalho em Puttaparthi”, disse. “Uma revista mensal será lançada em breve. Adivinhe! Como será o nome? ” Perguntou. Eu confessei que não conseguiria interpretar sua vontade. Ainda assim, Ele extraiu de minha relutância alguns nomes: “O Caminho para Deus”, “Karma Dharma”, “Prema Yoga”. Ele descartou os títulos que eu sugeri e anunciou que resolvera lhe dar o nome de “Sanathana Sarathi”.
 

Esse nome é uma convocação. É a concha de Vishnu despertando os sonolentos. É o tambor de Shiva desafiando o indisciplinado a descartar sua leviandade. “Sarathi” significa “aquele que segura as rédeas”; “Sanathana” significa “Eterno”. Então, o título anuncia ao mundo que Baba é a Vontade Total, que manipula e molda, desde o princípio dos Tempos, as vontades dos seres vivos, desde a ameba ao astronauta. “Reconheçam Deus como Sarathi, rendam-se de boa vontade à Sua orientação; cheguem ao seu destino final em boa forma”. Esta é a mensagem que Baba estava transmitindo através daquele nome. Eu me senti inspirado, elevado.
 

“Estamos no 32º ano da Carreira do Avatar e é hora de Ele se apresentar como Professor do Mundo”, eu disse para mi mesmo, recordando Seu primeiro discurso em público, durante o Dássara, em 1953. Foi quando Senhor serviu de Sarathi para Arjuna, que a Bhagavad Gita foi concedida à humanidade através dele. O Senhor, portanto, é conhecido como “Partha Sarathi” (o Condutor de Arjuna). Baba, agora, se apresenta como o Sanathana Sarathi, o Condutor de todos, em todos os lugares.
 

Poucos dias antes do lançamento do primeiro número da revista, Baba declarou diante de uma assembleia nas areias do Rio Chitravathi: “A Bhagavad Gita é um guia, um mapa para o aspirante à paz e liberação. O Senhor se instalou em cada coração, como condutor da carruagem. Peça orientações e Ele responderá e guiará. Você pode ouvir uma Gita especialmente composta para você, se pedir ao Senhor”. A “Sanathana Sarathi”, portanto, foi concebida para ser “Bhagavan Uvacha” (A Voz do Senhor) para um mundo que saiu dos trilhos e corre perigo fatal.

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.