Artigo

PRÁTICA DE UMA VISÃO VÉDICA

Dr. Shashank Shah

Durante meus anos na Faculdade de Administração, primeiro como estudante e depois como bolsista de doutorado, aprendi com Swami que o conceito de Gestão de Qualidade Total (TQM) deve ser baseado em TKS - Trikarana Shuddhi (pureza de pensamento, palavra e ação). Somente quando a intenção, as palavras e as ações dos gestores estiverem unidas é que eles poderão entregar produtos e serviços de qualidade aos seus clientes. Aprendi com Ele o ‘Mahavakya’ da Liderança, “Ser, Fazer, Ver, Falar”. Um bom líder deve primeiro colocar em prática o que deseja que os outros pratiquem.

O termo ‘educação’ é derivado das palavras de raiz latina ‘educare’ e ‘educere’, que significam ‘criar’ e ‘extrair’ ou ‘produzir’. Do ponto de vista etimológico, a educação é um processo de desdobramento do potencial inato latente no indivíduo. O antigo sistema indiano Gurukula, por meio de sua tradição "Guru-Sishya", visava atingir esse mesmo propósito.

 

Antiga Educação Indiana 

A Índia antiga tinha algumas das universidades mais célebres do mundo, como Nalanda e Takshashila, que atraíam estudantes de vários países e continentes. O professor era referenciado como ‘Acharya’, ou seja, aquele que lidera pelo exemplo pessoal. Era tarefa do professor mostrar aos alunos o caminho correto, cultivar virtudes morais e inspirar o desenvolvimento de um caráter genuíno para cumprir as obrigações sociais e nacionais. O Siksha Valli do Taittiriya Upanishad destaca a mensagem dada aos alunos pelo Guru no momento da conclusão de seus estudos: Sathyam Vada, Dharmam Chara (fale a verdade, pratique a retidão); Matru Devo Bhava, Pitru Devo Bhava, Acharya Devo Bhava, Atithi Devo Bhava (reverencie sua mãe, pai, preceptor e hóspede como Deus). Essa era a elevada natureza da educação e a pureza da relação professor-aluno. A educação era para ser para a vida, não apenas para ganhar a vida.

 

Impacto da educação britânica

Infelizmente, o impacto do sistema educacional britânico introduzido por Lord Macaulay por meio do English Education Act 1935 com o objetivo de apresentar aos estudantes indianos as idéias ocidentais, reduziu o objetivo final da educação à obtenção de emprego. O valor de uma instituição educacional é julgado pelas colocações que pode oferecer e pelos salários que seus alunos podem obter. Não é à toa, um veterano da indústria comentou recentemente: "as colocações no campus das principais Universidades indianas lembram a feira de gado de Pushkar". Os alunos pagam taxas fantásticas em nome da educação de nível mundial. A educação médica está no topo da lista, com algumas faculdades de medicina cobrando taxas de até meio crore de rúpias. Ai de mim! Os templos de Saraswati, a Deusa do Conhecimento, tornaram-se os templos de Lakshmi, a Deusa da Riqueza! O professor Rakesh Khurana, reitor da Universidade de Harvard, referiu-se a esta prática lamentável como ‘De objetivos superiores a mãos contratadas’.

O que a sociedade espera que os alunos que se graduam em tais instituições façam após a conclusão de sua educação? Serão esses alunos capazes de cumprir seus deveres para com suas nobres profissões? Provavelmente, o objetivo principal de tais alunos seria recuperar o valor ‘investido’ em seus estudos por eles e sua família com ‘juros’ o mais rápido possível. A sociedade teria justificativa para culpar os produtos de tal sistema educacional se eles estivessem muito mais interessados ​​na acumulação de riqueza do que em servir ao próximo? É hora de reflexão e exame de consciência por parte dos patronos da educação.

 

Necessidade de reformar a educação

Hoje, a educação tem se tornado cada vez mais um instrumento para preencher a mente dos jovens com informações e avaliar sua capacidade de regurgitar essas informações nos exames anuais. Na era da Internet, isso serve ao verdadeiro propósito da educação, para a qual valiosos vinte anos da vida de um indivíduo são investidos? Em vez de aprendizagem mecânica, a educação deveria atender a todos os aspectos da existência na formação de um ser humano holístico - físico, mental, emocional, intelectual e espiritual. Várias comissões nacionais, incluindo a Comissão Radhakrishnan (1948), a Comissão Kothari (1966) e a Política Nacional de Educação (1986), endossaram o desenvolvimento da personalidade humana por meio do fortalecimento da fibra moral da educação. Em 2009, a Comissão Nacional de Conhecimento do Governo da Índia destacou o papel da expansão, excelência e inclusão no ensino superior. Também é necessário expandir a abrangência da educação em termos de infraestrutura e seu escopo, desde o fornecimento de mero conhecimento livresco até o desenvolvimento da excelência humana. É necessário transformar a educação de uma atividade comercial em um processo mais inclusivo, com igualdade de oportunidades e acesso à educação de qualidade, independentemente das distinções sociais ou econômicas. A educação não é um privilégio apenas daqueles que podem pagar, mas de todos aqueles que desejam e merecem obter educação superior em virtude do mérito e que possuem a paixão de mergulhar fundo no oceano de conhecimento e descobrir pérolas de sabedoria para si e para sua nação .

Com um sentimento de orgulho por minha Universidade (Alma Mater) e experiência pessoal de mais de uma década, posso dizer que se uma instituição cumpre a visão de grandes pensadores, os ideais da Índia antiga e os imperativos da sociedade contemporânea, este é o Instituto Sri Sathya Sai de Ensino Superior (SSSIHL), idealizado por Swami em 1951. Por ocasião da atividade anual da Escola Secundária do Conselho Distrital de Bukkapatnam, Swami havia nomeado Sri Kasturi para ser Seu representante. No cartão de convite, as qualificações de Sri Kasturi foram declaradas como Ph.D. O fato é que Sri Kasturi não havia feito estudos de doutorado. Então, Sri Vitthal Rao (um fervoroso devoto de Bhagavan e pai do Prof. Jayalakshmi Gopinath) comentou: “Swami, em qual universidade Kasturi obteve seu Ph.D.”? Com um brilho nos olhos, Swami respondeu: “Da Universidade Puttaparthi”! Seguiram-se gargalhadas. Mas a manifestação concreta do Divino Sankalpa foi testemunhada trinta anos depois, quando o Juiz Y.V. Chandrachud, Chefe de Justiça da Índia, inaugurou o Instituto Sri Sathya Sai de Ensino Superior em 22 de novembro de 1981 em Prasanthi Nilayam.

Inauguração do SSSIHL em 22/11/1981 em Prasanthi Nilayam pelo Juiz Chandrachud (à direita)

Sistema Sathya Sai de Educação Integral Baseada em Valores


A Missão Educacional de Bhagavan começou no ano de 1968 com o estabelecimento de uma faculdade para mulheres em Anantapur. O principal objetivo de Swami ao iniciar uma faculdade para mulheres era enfatizar que, se uma mulher for instruída, toda a família se beneficiará de seu conhecimento e sabedoria, pois ela desempenha um papel importante em moldar as futuras gerações em cidadãos responsáveis. Esta faculdade foi seguida por uma faculdade masculina em Bengaluru em 1969 e outra em Puttaparthi em 1979. Esses três culminaram no estabelecimento do Instituto Sri Sathya Sai de Ensino Superior (SSSIHL). A quarta faculdade do Instituto foi fundada em Muddenahalli em 2010. Desde então, o Instituto tem ministrado educação baseada em valores sem nenhum custo para todos os alunos, independentemente de casta, idioma, religião ou status social; onde a admissão é baseada puramente no mérito do candidato. Swami, como o Venerável Chanceler Fundador, define uma personalidade equilibrada como um indivíduo que possui a cabeça de Shankara (simbolizando a sabedoria), o coração de Buda (simbolizando a compaixão) e as mãos do Rei Janaka (simbolizando o serviço altruísta). Uma tentativa é feita por meio desse sistema de educação integral para moldar tais indivíduos. Vamos explorar como esse sistema move-se em torno de Swami.

O alojamento
O caráter pan-indiano da SSSIHL ganha vida em seus alojamentos, onde estudantes de todas as regiões, religiões e camadas sociais vivem juntos em harmonia. Com uma programação regular de 17 horas que começa com o Suprabhatam às 5h e termina com a oração noturna às 22h, oferece amplas oportunidades para os alunos desenvolverem seus talentos latentes, capacidades e criatividade no âmbito da disciplina institucional. A energia e o entusiasmo dos alunos são canalizados construtivamente por meio de seu envolvimento em todos os aspectos do funcionamento do alojamento, incluindo atividades como encanamento e instalação elétrica, jardinagem, culinária, dispensário médico e outros. Os alunos administram departamentos como publicações e multimídia que criam valiosos materiais impressos e audiovisuais baseados na Mensagem Divina para o benefício de alunos e devotos. Alunos seniores e pesquisadores lideram esses departamentos independentes que cultivam as virtudes da dignidade do trabalho e do esforço em equipe por uma causa altruísta. Os alunos juniores são treinados para que, quando os mais velhos se formarem, possam assumir.


Nos anos de formação, Swami fazia visitas frequentes ao alojamento para garantir a limpeza e a disciplina. Durante essas visitas, os alunos decoravam seus departamentos independentes e convidavam Swami para abençoá-los. Ele também fazia visitas surpresa ao alojamento para inspecionar se os quartos eram mantidos de acordo com os padrões esperados por Ele. Nessas ocasiões, Swami também visitava a cozinha e revisava vários itens preparados para os alunos e até mesmo observava a limpeza dos recipientes e da área de cozinha. Ele perguntava sobre o cardápio do café da manhã, almoço e jantar. Esta era a extensão em que Swami se envolvia no funcionamento do alojamento. Os alunos se referiram afetuosamente a esta ‘casa’ longe de casa como ‘um lugar onde cada um vive para o outro e todos vivem para Deus’. Tendo vivido nessa casa de Deus por uma dúzia de anos, experimentei profundamente isso. A mentalidade desenvolvida pelos alunos durante sua estada nos alojamento permite que eles levem essa atitude para seus lares e para a sociedade em geral.

Swami no refeitório do alojamento em 1988

O Instituto
Os valores humanos constituem a corrente subjacente de todas as disciplinas ensinadas no Sistema Sai de Educação. O conhecimento secular do tipo mais moderno é transmitido aos alunos através das ciências naturais e sociais, tecnologia, gestão e humanidades por meio do uso de infraestrutura e técnicas de ensino de alta qualidade. Os critérios de excelência apontados por diversas comissões educacionais em termos de revisão regular de currículos, avaliação interna contínua e sistema de créditos de cursos estão em prática há décadas. No entanto, a singularidade da metodologia de ensino é um foco difundido na necessidade de um equilíbrio entre as informações fornecidas e a transformação necessária dos indivíduos como resultado. Swami sempre enfatiza que um cidadão instruído têm mais deveres a cumprir do que direitos a exigir; mais responsabilidades para realizar do que privilégios para desfrutar. Até o foco da pesquisa está em áreas que contribuem para o benefício da sociedade e têm ramificações mais holísticas. Em um discurso dado aos alunos no Auditório do Campus de Prasanthi Nilayam em junho de 2009, Swami disse: “Um Ph.D. é aquele que ajuda os outros com suas pesquisas e desenvolve o país. Este é o verdadeiro objetivo de fazer um Ph.D.”

 

Durante meus anos na Faculdade de Administração, primeiro como estudante e depois como bolsista de doutorado, aprendi com Swami que o conceito de gestão de Gestão de Qualidade Total (TQM) deve ser baseado em TKS - Trikarana Shuddhi (pureza de pensamento, palavra e ação). Somente quando a intenção, as palavras e as ações dos gestores estiverem unidas é que eles poderão entregar produtos e serviços de qualidade aos seus clientes. Aprendi com Ele o ‘Mahavakya’ de Liderança, “Ser, Fazer, Ver, Falar”. Um bom líder deve primeiro colocar em prática o que deseja que os outros pratiquem. Só então ele/ela tem o direito moral de comunicar aos outros. O próprio Swami é um modelo exemplar a esse respeito. Aprendi com Ele que ‘Administração de Empresas’ deve ser ‘Gestão do Homem’, visto que os seres humanos dão valor aos cinco valores dos negócios - dinheiro, materiais, máquinas, minutos e métodos. Swami exortou Seus alunos de administração a manterem os seres humanos no centro de todas as decisões, pois “os homens são mais valiosos do que toda a riqueza do mundo”. Na verdade, uma compilação dos Discursos de Swami para seus alunos de Administração é intitulada por Ele como "Administração do Homem". Tive a bênção de fazer parte da equipe editorial que ofereceu esta compilação a Ele em agosto de 2009 no Sai Kulwant Hall. Ele ficou encantado ao ver Sua mensagem agora disponível para o mundo em geral.

Swami  com os estudantes após a Convocação Teatral em 2003

O mandir
Enquanto o quê, quando, onde e como da vida são o foco nas instituições de ensino superior, o porquê da vida - o propósito da vida é freqüentemente negligenciado. As valiosas horas passadas no Mandir na Divina Presença expõem os Estudantes Sai a novas perspectivas que os capacitam a compreender o mistério por trás de sua estada neste planeta diminuto. Programas culturais de música, dança e teatro em vários festivais, muitas vezes retratando a vida de grandes heróis e heroínas de nossa terra, os expõem a percepções mais profundas e os entusiasmam a um propósito de existência mais nobre. Os alunos aprendem aqui que o indivíduo é um membro da sociedade, a sociedade é um membro da Natureza e a Natureza é um membro do Divino. Isso permite que eles apreciem melhor os conceitos de Karma, Bhakti e Jnana conforme expostos na Bhagavad Gita. Minha experiência como participante e coordenador de dezenas dessas atividades culturais por alunos do Mandir é que nada na vida pode ser considerado não-espiritual. Swami encorajou os alunos a considerarem tudo como divino e a ‘espiritualizar’ cada momento de suas vidas. Isso transforma o Karma comum em Pavitra Karma (ação sagrada) que é digno de ser oferecido ao Divino. Uma vida assim vivida torna-se verdadeiramente uma fragrante oferta a Deus. Tal abordagem da vida e vivência que os alunos experimentam no Mandir, especialmente enquanto ouvem os Divinos Discursos, cumpre a sabedoria Védica e a mensagem de todas as escrituras mundiais.


O programa Grama Seva, que foi apresentado um elemento anual importante durante o Navaratri entre os anos 2000 e 2017; o Encontro Esportivo e Cultural Anual, que acontece anualmente na segunda semana de janeiro desde meados da década de 1980; o Convocação de Drama, que acontece anualmente na noite do dia 22 de novembro desde os anos 1980, são ocasiões para testemunhar a excelência na atuação na qual o esforço cooperativo supera o espírito competitivo. Membros do corpo docente e alunos trabalham juntos para desenvolver a estratégia e traçar planos de implementação detalhados - seja para o Grama Seva, que envolve a distribuição de alimentos e roupas para mais de 1.000.000 habitantes em 150 aldeias de Sathya Sai Taluka em 7 dias; ou participando de eventos culturais e atléticos, realizando acrobacias ousadas diante de uma base de espectadores de mais de 25.000 pessoas no Estádio Hill View em 11 de janeiro. O primeiro desenvolve empatia ao expor os alunos às dificuldades da vida rural; o último desenvolve autoconfiança em suas habilidades e capacidades para alcançar o impossível.


Nas últimas quatro décadas, aproximadamente 15.000 alunos de diversas origens socioculturais estudaram juntos sob o mesmo teto da fraternidade universal na SSSIHL. Em 1982, quando Sri Nani Palkhivala, um eminente jurista discursou na primeira Convocação, ele chamou a Universidade de ‘um experimento no ensino superior’. Duas décadas depois, em 2002, quando o Presidente Abdul Kalam discursou na XXI Convocação, ele a chamou de ‘um modelo digno a ser reproduzido’. Swami, como jardineiro deste berçário, cuidou de cada aluno com o alimento de Seu amor, o sol de Sua sabedoria e a proteção de Sua disciplina. Sob sua liderança, o Instituto e seu modelo de educação, surgiu como a solução para os desafios enfrentados pelos sistemas de ensino superior. Acredito que é dever de todo ex-aluno e devoto de Sai nutrir e contribuir para essa visão que molda cidadãos capacitados com excelência acadêmica e moral que continuarão a renovar a glória de Bharat.


– Um ex-aluno do SSSIHL, o Dr. Shashank Shah foi Fellow ’17, Harvard University, e atualmente, trabalha como Editor de Consultoria no The Business India Group.

© © 2016-2020 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.