Fórum de ex-alunos

RECORDAÇÕES INESQUECÍVEIS COM O DIVINO

Ghandikota V. Sanjay

O amor de Bhagavan é único, pois é multifacetado e pode ser experimentado de várias maneiras diferentes: para um devoto, Ele é Deus; para uma filha ou filho, Ele é mãe e pai; para o discípulo, Ele é guru; e para os solitários, Ele é o melhor amigo. Cada um tem seu próprio relacionamento com Deus e todos podem se conectar com Seu amor individualmente. Quando Bhagavan dá o Seu Darshan, todos sentem Sua graça ilimitada pessoalmente e todos desfrutam igualmente de Seu amor maravilhoso. O Amor e a Graça de Bhagavan são espontaneamente dados a todos e, no meu caso, recebi o amor de Bhagavan muito cedo na minha vida, segundo uma experiência que minha mãe me contou.

Intervenção divina no meu nascimento


Nasci em 1967, em Nova York, como um bebê prematuro de sete meses. Não é preciso dizer que, durante a década de 1960, o parto prematuro de uma criança era infinitamente mais precário do que é hoje. Durante o sexto mês de gravidez, minha mãe foi hospitalizada devido a uma hemorragia grave e foi nesse momento crítico que a intervenção divina de Bhagavan entrou em cena. Hemorragia grave em tal estágio da gravidez poderia facilmente ser fatal para a mãe e o filho. Devido a esse fato, os médicos mantiveram minha mãe na unidade de terapia intensiva do hospital. Surgiram inúmeras complicações e, devido à complexidade do caso, uma equipe de médicos, alguns dos mais renomados, chegou ao local. Em outras palavras, seu prognóstico era unânime; o nascimento provavelmente seria fatal para mãe e filho. O futuro, de fato, parecia sombrio. Os médicos estavam cientes do fato de que o bebê não aguentaria todo o período de gestação, mas esperavam que ele permanecesse no útero por mais algum tempo. Mas, novamente, o caso deu uma guinada inesperada e, no final do sexto / início do sétimo mês, o trabalho de parto começou. Meu pai foi chamado e informado da grave situação. Ele, junto com meus quatro irmãos mais velhos, foi convidado a se despedir, caso o inevitável acontecesse.

Minha mãe foi levada para a sala de parto em uma maca e estava sendo anestesiada quando, de repente, ela viu uma luz brilhante seguida pela forma luminosa de Bhagavan, com a mão erguida em postura de bênção. Os médicos não perceberam nada e um deles perguntou à minha mãe: "Gostaria que ligássemos para alguém ou fizéssemos algo por você?” Minha mãe respondeu: "Baba!" O médico então perguntou: "Quem é Baba? Dê-nos o endereço dele e entraremos em contato”. Minha mãe respondeu: "Ele está aqui"! Os médicos, sem dúvida, viram isso como uma alucinação por parte da minha mãe e a anestesiaram completamente. A situação passou de mal a pior na sala de parto e, finalmente, os médicos declararam, como descobrimos mais tarde, que "apenas um milagre pode salvá-la e também salvar o bebê"!

E foi exatamente o que aconteceu. De repente, a situação mudou dramaticamente para melhor, com sinais mostrando um parto normal. Nasci com segurança e saúde devido à Graça de Bhagavan. Dois anos depois, meu pai e minha mãe levaram meus irmãos e eu para Prasanthi Nilayam, onde Bhagavan afirmou que foi Sua intervenção divina que me salvou e salvou a minha mãe. Ele declarou: "Foi por causa dessa criança e dos outros filhos que eu dei uma segunda vida à mãe também". Sem dúvida, foi apenas devido ao Amor e à Graça do Senhor que nós dois sobrevivemos. Bhagavan materializou amorosamente uma fotografia de Si mesmo, envolta em um tipo de acrílico, deu-a para minha mãe e instruiu-a a usá-la no pescoço como um 'Raksha' (talismã de proteção) e eu, quando criança, sempre gostava de tocá-lo e de olhar para ele. Desde então, confesso que tenho uma forte e imediata afinidade por Bhagavan e Suas fotografias, o que talvez tenha sido a causa do meu desejo de gravar vídeos de Swami quando mais tarde me tornei um estudante Sai (o que Ele graciosamente permitiu)! De fato, minha mãe e meu pai costumavam contar posteriormente que, quando eles me mostravam fotos das várias formas de Deus quando eu era muito mais jovem, eu sempre escolhia a foto de Bhagavan Baba. Meus irmãos, enquanto cresciam, também tinham o mesmo sentimento. É somente por causa da Divindade envolvente de Bhagavan, Sua Graça infinita e Sua inspiração que foi possível às crianças ter tais sentimentos, deixando uma lembrança memorável nas mentes jovens. Sou sempre grato a Bhagavan por implantar tal desejo em mim, por "me puxar" em direção a Ele e por realmente me dar a vida. O que torna essa experiência mais única é o fato de ela não ser única. Da mesma forma, Bhagavan deixou memórias inesquecíveis de Sua Divindade nas crianças de todo o mundo e tive a boa sorte, ao longo dos anos, de ouvir algumas de suas experiências. Como mencionado anteriormente, o amor de Bhagavan é multifacetado e pode ser experimentado de várias maneiras diferentes simultaneamente. Além disso, todo ato que Ele realiza é repleto de significado em uma variedade de planos. Uma experiência incorpora esses pensamentos particulares.


Swami dá a Iniciação ao Gayatri Mantra (Gayatri Mantra Upadesh)


Foi no ano de 1981 que meus avós e meus pais pensaram que seria a hora certa para minha cerimônia de Upanayanam [1]. Foi também durante esse período que Swami graciosamente admitiu em Sua faculdade um dos meus irmãos mais velhos, Ravishankar. Como é habitual com os devotos de Bhagavan, meus avós e pais pediram a Swami que realizasse a cerimônia de Upanayanam, orando, mas realmente sem expectativas que Ele atendesse, pois sentíamos que era uma coisa muito trivial para Ele. Quando recebeu o pedido, Bhagavan consentiu imediatamente, sem sequer um traço de hesitação, lembrando-nos mais uma vez de Seu amor e benevolência.


A data da cerimônia de Upanayanam foi agendada e começou pontualmente em Prasanthi Nilayam, na hora prevista, em um apartamento graciosamente oferecido a nós por Swami. A cerimônia prosseguia quando Bhagavan chegou com todo Seu esplendor. Imediatamente após sua chegada, Ele olhou para mim e perguntou sobre minha saúde de uma maneira muito preocupada. Eu estivera doente por alguns dias e Bhagavan, sendo onisciente e onipresente, estava ciente disso. Respondi que estava melhor e, de repente, Ele começou a me repreender por não ter raspado minha cabeça, deixando cinco mechas de cabelo, como tradicionalmente é feito. Como era de se prever, essa ideia não me atraiu muito! Uma onda de preocupação inundou a minha mente por eu ter decepcionado Bhagavan, mas Ele riu alegre e compassivamente, acrescentando que não era realmente essencial desde que eu sentisse o espírito da ação.


De repente, Bhagavan acenou com a mão à sua maneira inimitável e materializou o Yagnopaveeth (fio sagrado). O surgimento do fio sagrado foi imediatamente seguido por uma fragrância deliciosa que parecia permear e flutuar por toda a sala. O fio sagrado ainda estava molhado e perfumado com pasta de sândalo, pó vermelho [2] e açafrão - um espetáculo a ser visto. Bhagavan então disse a meus pais para colocá-lo em mim; mas meus pais pediram a Bhagavan para que Ele o fizesse com Suas Mãos Divinas. Bhagavan gentilmente consentiu, mas acrescentou que os três deveriam colocá-lo em mim, pois o papel dos pais é importante. Imediatamente após isso, o próprio Bhagavan realizou o 'Gayatri Mantra Upadesh' ou a 'Iniciação ao Gayatri Mantra' colocando suas mãos em volta da minha orelha e sussurrando o sagrado Gayatri. Um pano estendido nos protegia, pois é tradicional que esse momento da cerimônia seja realizado em particular pelo Guru e pelo discípulo, a fim de manter a eficácia do Mantra para o discípulo. Com Bhagavan a meu lado e protegidos pelo pano sobre nossas cabeças das demais pessoas que estavam na sala, percebi um súbito silêncio enquanto a sala inteira vibrava. Foi nessa conjuntura que experimentei algo muito difícil de traduzir em palavras. Tudo parecia ficar "dourado" e experimentei um silêncio feliz seguido pelo som do 'Om' e do Mantra Gayatri sendo cantado pelo próprio Senhor. Depois que o pano foi retirado, todo o fenômeno desapareceu, 'me trazendo de volta'. Bhagavan então me abençoou e me permitiu ter Padanamaskar.


Observando esses eventos mais de perto, demorou um tempo para eu ver que toda ação de Bhagavan está cheia de significado.
 

Swami como Mãe, Pai, Guru e Deus
 

Repensando novamente nesses eventos, Bhagavan entrou na sala e perguntou sobre minha saúde, assim como uma mãe faz. Em seguida, Ele começou a me disciplinar amorosamente, assim como um pai faz. Bhagavan então colocou o fio sagrado ao redor do meu pescoço e me deu a iniciação ao Gayatri Mantra, como faz um Guru. Finalmente, Bhagavan me abençoou e me permitiu fazer Padanamaskar ao Nosso Amado Senhor. Bhagavan mostrou o amor que emana de todos esses relacionamentos simultaneamente, a saber, 'Mãe, Pai, Guru e Deus'. Até agora, eu vinha a Prasanthi Nilayam com meus pais, irmãos e cunhadas e testemunhava o Amor e a Divindade de Bhagavan como uma criança. Essa experiência, no entanto, me deixou sem palavras e me abalou profundamente. Foi o início de um relacionamento individual com a mãe Sai, enquanto anteriormente a maior parte da minha interação com Swami era através dos meus pais.


As experiências precedentes deixaram um impacto inesquecível em mim, culminando na realização de meu desejo mais querido: Swami gentilmente me concedeu admissão no Instituto de Ensino Superior Sri Sathya Sai em 1985, um evento que eu sempre considero ser minha maior sorte. Sou sempre grato a Bhagavan por me atrair para Sua Divina Comunidade. Também sou grato a Swami e a minha mãe e ao meu pai por terem me dado a vida e por me colocarem em Seus Divinos Pés de Lótus.


Por estarem imersos em Sua Graça infinita e experimentando Seus ensinamentos de espiritualidade prática através do serviço e do amor, os estudantes Sai aprendem a importância da conduta correta, a educação em valores humanos e o desenvolvimento de caráter, tudo com Swami nos dando o amor abundante de um milhão de mães. Viver com Swami é a educação mais elevada. Entre as oportunidades de ouro e os momentos vivenciados com muito amor, nós, como estudantes Sai, temos muito a agradecer a Bhagavan e só podemos expressar nossa gratidão a Ele seguindo Seus ensinamentos, exemplificando os ideais de boa conduta e caráter e contribuindo positivamente para o bem-estar da sociedade, como Ele nos encoraja a fazer.


- O autor foi aluno do Instituto de Ensino Superior Sri Sathya Sai, do ano de 1985 a 1990. Atualmente, é um profissional de investimentos em Nova Jersey, EUA.

 

[1] Upanayana, ritual hindu de iniciação, restrito às três varnas, castas superiores, que marca a entrada da criança do sexo masculino na vida de um estudante (brahmacharin) e sua aceitação como membro pleno de sua comunidade religiosa. A cerimônia é realizada entre as idades de 5 e 24 anos, a grande variação refletindo os diferentes requisitos educacionais das três classes superiores - brâmanes (monges e professores), Kshatriyas (guerreiros e governantes) e Vaishyas (comerciantes e comerciantes).
Após um banho ritual, o menino se veste de asceta e é levado diante de seu guru (guia espiritual), que lhe entrega o cordão/fio de algodão que ele deverá usar por toda sua vida normalmente usado sobre o ombro esquerdo e na diagonal através do peito até o quadril direito. Ele identifica o usuário como dvija, ou "nascido duas vezes", o segundo nascimento entendido como tendo ocorrido quando o guru transmitiu ao aluno o mantra "Gayatri".

[2] Vermilion, do original em inglês, é um pó vermelho (kumkum) que todos costumavam usar para colocar na testa (Bindi). O Bindi é usado diariamente para colocar na testa no ponto de Ajna chakra. É um símbolo de auspiciosidade que traz bons fluidos. Nas ocasiões sagradas e religiosas ou rituais familiares ou em qualquer cerimônia auspiciosa, o pó vermelho e o Açafrão são indispensáveis. Sem esses dois itens nenhuma cerimônia acontece.

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.