Mensagem de Buda Purnima

BUDA E SEU EVANGELHO DE AMOR

O AMOR ABSOLUTO É A VERDADEIRA LIBERAÇÃO

Encarnações do Amor!
Quanto mais o homem dedica seu amor aos outros, maior é a sua felicidade interior. Por isso, o homem deveria expandir seu amor para com seus semelhantes, se quiser aumentar sua própria felicidade. Esta é a real estrada para a Divindade. O melhor modo de amar a Deus é amar a todos e servir a todos. Este é o segredo revelado pelo Buda. Buddham Saranam Gachchhami; Sangham Saranam Gachchhami; Dhammam Saranam Gachchhami. A primeira máxima lhes diz para purificar seu intelecto (buddhi) através da boa companhia. Em segundo lugar, devem usar o intelecto para servir à sociedade. Isto os colocará no caminho certo. Não deveriam ferir nenhum ser vivo. Ajudar: Sempre! Ferir: Jamais!

Amor, a Estrada Real para Deus


O principal ensinamento do Buda é Ahimsa Paramo Dharma (a não violência é o dever supremo). Ninguém deveria ferir ou magoar por pensamento, palavra ou ato. Vocês devem ficar pensando se essa conduta é prática. Sim, definitivamente, é possível. Com resolução firme, é possível realizar qualquer tarefa grandiosa. Uma vez que reconheçam que há somente um Deus morando dentro de cada um, jamais magoarão ou ferirão alguém. Então, não haverá necessidade de temer coisa alguma.

Prahlada entregou-se a Narayana. Hiranyakasipu era um indivíduo iludido pelos nomes e formas. Nomes e formas são sempre transitórios. Narayana é a verdade eterna. O mais elevado e nobre de todos os nomes de Deus é “Sat-Chit-Ananda”. “Sat” significa aquilo que permanece o mesmo em todos os três períodos de tempo: passado, presente e futuro. Este imutável “Sat” só pode ser experimentado no caminho da verdade. “Chit” é a percepção total. Podem obter a visão da Divindade Absoluta (Purna Swarupa) com o auxílio desta percepção total. Quando “Sat” e “Chit” são experimentados, a Bem-aventurança – “Ananda” se manifesta em vocês. Todo ser humano anseia por Ananda. O que é Ananda? Está dentro de vocês. De fato, o homem nasce em bem-aventurança, vive nela e mergulha nela. Todo o seu ser é uma manifestação de bem-aventurança.


O corpo humano é temporário. A felicidade derivada deste corpo temporário também é transitória. Não pode conceder felicidade duradoura. O Buda deixou seu lar em busca de uma felicidade que fosse permanente e duradoura.


Deus Mora Dentro de Todos os Seres Vivos


Fora de sua casa, ele viu um cadáver, uma pessoa doente e um velho decrépito. Depois dessas visões de miséria, ele se perguntou como alguém poderia escapar dos sofrimentos deste mundo e experimentar felicidade sem fim. O que causa a morte? O que produz a velhice? Qual é a causa das doenças? Depois de investigar seriamente, ele descobriu que o corpo humano era como uma bolha d’água e que a mente era a causa das doenças do corpo. Vocês não deveriam se preocupar demais com o corpo. Deveriam tentar experimentar sua divindade inata o mais rápido possível, porque o corpo é transitório e não resiste muito tempo.


O homem realiza sacrifícios (yajnas) e rituais (yagas) sem chegar a reconhecer a divindade inata de todos os seres. Enquanto viajava de um lugar a outro, o Buda encontrou um grupo de pessoas em um vilarejo realizando um sacrifício ritual, que incluía matar animais. Buda protestou. Ele disse que Deus onipresente residia em todos os seres vivos. Portanto, não era correto sacrificá-los. A pessoa que conduzia o ritual disse que os animais sacrificados alcançariam liberação. Buda deu uma gargalhada e disse: “Você quer dar liberação a esses animais que não pediram por ela! Por que não aplica o mesmo princípio a toda essa gente que anseia pela liberação? Não aceito seu argumento de que os animais sacrificados alcançarão liberação. Qual Upanishad ou Veda recomenda sacrifício de animais? Como podem pensar que alguém será liberado quando um animal é morto? Isto é flagrantemente falso. Este animal não expressou qualquer desejo por liberação, mas sua mãe, seu pai, sua esposa, filhos, parentes e muitos outros desejam liberar-se. Por que não os sacrifica e atende seu desejo? De fato, por que não começa consigo mesmo? Ninguém pode alcançar liberação através da violência para com outros seres vivos. Este é o pior dos pecados”. Desta maneira, o Buda transmitiu o princípio de ahimsa (não violência). O amor inerente aos seres humanos também está presente em pássaros e animais. Compartilhem seu amor com eles e com seus companheiros humanos. O amor absoluto é a verdadeira liberação. Para obter moksha (liberação), não precisam ir a parte alguma. Não a encontrarão em algum lugar distante. O amor puro concede liberação. Seu esforço deve ser alcançar este amor holístico.


As pessoas empreendem diversas práticas espirituais para alcançar moksha. Porém, essas práticas só proporcionam satisfação temporária. As escrituras recomendam um caminho de devoção composto de nove passos [1]. Mesmo este só confere alegria temporária. O amor, no entanto, é o aspecto mais importante deste caminho. De fato, o amor deve ser a corrente subterrânea de todos os esforços espirituais.


– Extraído do Discurso de Bhagavan pelo Buda Purnima, no Sai Ramesh Hall, Brindavan, em 21 de maio de 2000.

[1] Sravanam (Ouvir sobre Deus), Kirtanam (Cantar Seus Nomes), Vishnusmaranam (Contemplar Deus - Vishnu), Padasevanam (Servir aos Pés de Lótus), Archanam (Oferecer Adoração), Vandanam (Louvar), Dasyam (Cultivar Atitude de Serviço), Sneham (Cultivar Amizade como Deus), Atmanivedanam (Render-se a Deus).

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.