Especial

EDUCAÇÃO PARA PROMOVER VALORES HUMANOS

 

Prof. Vishwanath Pandit

Educação significa ampliar o coração e desenvolver controle sobre os sentidos. Isso deve fazer a pessoa procurar promover o bem do mundo. Uma educação desprovida disso é inútil.

- Bhagavan Baba

Introdução


Os últimos séculos têm sido notáveis em termos de realizações humanas em uma grande variedade de maneiras. A primeira coisa que vem ao pensamento é o notável aumento e variedade de produção, como resultado das conquistas em ciência e tecnologia. Embora seu impacto inicial fosse desastroso para muitos, eventualmente a situação melhorou, embora com variações consideráveis através do mundo e até mesmo dentro de cada país. Da mesma forma, a revolução industrial mudou substancialmente o padrão de vida na sociedade e, eventualmente, os paradigmas que regem atitudes relevantes para os indivíduos e, mais ainda, para a sociedade como tal.

Do nosso ponto de vista, essas mudanças resultaram na adoção de um novo estilo de educação em quase todos os seus aspectos. Embora isso tenha sido benéfico em muitos aspectos, também levou a várias mudanças institucionais que se desviam de muitas tradições antigas e admiráveis, particularmente as da Índia. Hoje, o custo da educação, o acesso a ela e seu próprio propósito e conteúdo sob o novo sistema se desviam do que a sociedade exige para a felicidade sustentável e o bem-estar. Para entrar nas questões básicas em alguma profundidade, é aconselhável ver seletivamente as seguintes mudanças amplas: a) Tendência a se concentrar no interesse próprio, às vezes negligenciando os outros, até mesmo os membros próximos da família. b) Dependência crescente uns dos outros, resultante do surgimento de novos sistemas econômicos e sociais. Vamos examinar estas perspectivas.

O Proeminente Autoperfil


Os desenvolvimentos básicos relevantes no contexto atual são os seguintes. Alguma medida de desigualdade de renda e riqueza entre as famílias em qualquer sociedade é natural e inevitável. No entanto, a desigualdade excessiva e crescente dentro de uma sociedade é de fato o resultado da exploração causada pela ganância. No mundo moderno, a tomada de decisão em todos os níveis é raramente baseada na necessidade, pois segue um quadro baseado no processo mental egoísta. Como um exemplo, é comum atualmente ver as pessoas comprando mais artigos e artigos caros como carros e casas frequentemente não porque estes são necessários, porém, mais porque estes os ajudam a ostentar a prosperidade material. O sentimento subjacente é baseado no chamado ditado: “A ganância é mais forte do que a necessidade”. Neste contexto, é instrutivo recordar o seguinte conselho de Bhagavan: a vida moderna, ou o que você chama de "modernidade", não é o mais recente estilo de vida. A modernidade reside em colocar um limite máximo em nossos desejos. O controle dos próprios desejos é a modernidade e não levar uma vida de desejos ilimitados.


O novo padrão de vida não é desejável principalmente porque, ao longo do tempo, as mudanças no padrão e volume de produção não levaram a uma maior taxa de emprego e bem-estar. Pode não ser errado mencionar que, em todas as partes do mundo, hoje, o padrão de produção é socialmente um desperdício e moralmente indesejável. É evidente que, embora um sistema democrático seja desejável, ele não fornece nenhuma garantia de direito no que diz respeito às questões morais. Na verdade, todos seriam mais bem motivados por considerações morais.

Busca por Soluções


Vamos agora voltar-nos para a parte mais difícil deste problema. Como esperado, isso se refere à busca da solução. No entanto, no presente caso, é ainda mais difícil do que o habitual, porque precisa que nós lidemos com a autoidentidade final que passa por todas as nossas percepções físicas e psíquicas normais. Para começar, é comum pensar em si mesmo como vinculado por identidades decorrentes de instituições sociais, castas e religiões. No entanto, isso não pode levar uma pessoa longe o suficiente.


Embora a correta percepção, em última análise, não seja fácil de explicar ou entender, é preciso seguir o caminho com paciência e compromisso. Indo finalmente muito além desta configuração, uma pessoa, na verdade, tem que se ver como uma entidade espiritual com uma identidade universal. Porém, essa percepção final não é fácil para a maioria de nós entender e assim seguir. Isto é realmente assim porque é necessário aceitar isso antes que se possa fazer esforços sérios para internalizar esta fé subjacente.


A questão básica é que é necessário aceitar os valores humanos em profundidade, como a característica mais vital da vida humana, antes que se possa prosseguir. Por esta razão, é útil nos desviarmos um pouco e esclarecer questões relevantes da seguinte forma: no início, é preciso dizer que o termo "Valores Humanos" deve ter um significado mais profundo, universal e substantivo. A palavra "Humano" precisa de alguma explicação. O elemento básico aqui é que uma vida humana é alcançada após uma longa sequência de vidas de menor ordem, apenas no caso de a pessoa merecê-la. Isto é assim em cada estágio da existência e tem claramente que ser tomado como uma conquista, uma vez que fornece a base para um maior progresso em direção à perfeição.


É igualmente importante salientar que, quando consideramos "Valores", estes não se relacionam apenas com os nossos pensamentos e ações que normalmente se destinam a ser de preocupação apenas para com os outros seres humanos. Por outro lado, os valores neste contexto dizem respeito à forma como vemos nossos pensamentos e ações afetando a total criação. Pode ser bastante natural notar que o tempo cobre passado, presente e futuro com igual significado. Note-se que a maioria de nós está susceptível a ficar significativamente aquém dos ideais percebidos. No entanto, é significativo que nós estejamos, em todos os nossos esforços físicos e mentais, o tempo todo mantendo essas tendências como ideais na nossa frente. Estes são objetivos a serem alcançados, muito embora se possa, na maioria das vezes, ficar aquém de alcançá-los.

O Divino Sankalpa


Com base nas opiniões expressas até agora – que se note que o objetivo subjacente é dar um significado mais profundo e inclusivo dos Valores Humanos do que é normalmente feito – vamos avançar mais da seguinte forma.


Era após era, Deus encarnou e tomou uma forma reconhecível, de modo a guiar a humanidade para garantir que ela perceba sua origem divina e siga um caminho saturado com os mais altos princípios da espiritualidade. A intervenção divina muitas vezes foi consideravelmente além dos sistemas predominantes, incluindo máximas religiosas de rotina para nos transformar. Nesta época atual, tipicamente referida como Kali Yuga, Bhagavan Sri Sathya Sai Baba advertiu os devotos sobre o fato de que qualquer religião adotada deve ser seguida estritamente porque cada uma delas levará a pessoa à percepção de Deus.


Em Sua encarnação na Kali Yuga, Bhagavan implementou Sua Missão de uma forma sem precedentes, lidando com seres humanos de maneiras diferentes, mas de maneiras apropriadas como indivíduos, como comunidades, como grupos religiosos ou como grupos de diferentes nações, cada um deles com sua história e tradição. O que os unia raramente era qualquer coisa além do que sua busca pela divindade. A pequena e desconhecida aldeia que se tornou famosa como Prasanthi Nilayam foi escolhida por Ele como o lugar de Sua encarnação e, eventualmente, escolhida como o lugar a partir de onde realizar a Missão Divina nesta encarnação.

Os Preciosos Ensinamentos


Observemos as seguintes questões que precisam ser seguidas da forma mais clara possível.
Primeiro, o propósito é desenvolver e articular os ensinamentos divinos em maior profundidade, de modo a beneficiar aqueles com uma compreensão mais profunda e fé na espiritualidade além da crença religiosa tradicional em Deus. Sob a configuração contemporânea, isso inclui não apenas cientistas sociais, mas também psicólogos, biólogos, físicos, matemáticos e muitos outros que normalmente descartariam a espiritualidade como um tipo de fé cega ou, convencionalmente, a considerariam como um modo do chamado comportamento irracional.
Neste cenário, o universo tem que ser aceito como visto e descrito pelos cientistas em diferentes categorias. Enquanto muitos renomados entre eles sentem que o que era conhecido e de alguma forma verificável não era toda a verdade, eles não foram fundo o suficiente em sua investigação. Questões importantes relacionadas ao comportamento moral e ético têm sido muitas vezes tratadas como desejáveis, mas não emanam das questões mais profundas da espiritualidade como base da existência. 


A metodologia de tratamento relacionada a questões de comportamento econômico e, mais amplamente, social baseou-se até recentemente numa presunção inquestionável de que todos são motivados por puro interesse próprio, compreendido de forma estreita, sem lugar para a perspectiva moral e ética. Pode-se notar que mesmo algumas discussões sobre o bem-estar não escaparam desta armadilha. Felizmente, o processo de pensamento mudou recentemente para a perspectiva correta. No entanto, embora tenha havido alguma melhoria nos últimos anos, não está nem perto de uma percepção adequadamente ampla dos esforços humanos. Assim, por razões compreensíveis, o título das tarefas que nos avizinham enfatiza claramente o papel vital dos "Valores Humanos".


Em segundo lugar, após o que tem sido observado até agora, um aspecto importante do modus operandi exigirá chegar a um corpo maior de grupos acadêmicos comprometidos em todo o mundo. Isso terá que ser feito participando de conferências, bem como aproveitando outros modos de interação, de modo a envolver muitos dos interessados em promover os valores humanos.


Um meio mais vital de promover uma compreensão da espiritualidade como uma forma de melhorar a si mesmo envolverá o início de um processo de vida totalmente dedicado a este alvo. Ambas as tarefas exigiriam um compromisso importante e total dos devotos com uma profunda compreensão dos ensinamentos de Bhagavan e totalmente determinados a universalizar esses ensinamentos. Para isso, a fé básica tem que ser a de que o Avatar tenha tomado a forma humana para o benefício de todo o mundo.


Em terceiro lugar, há uma grande quantidade de escritos por Bhagavan, bem como Discursos feitos por Ele, que não foram adequadamente compreendidos e devidamente traduzidos para o benefício dos devotos. Além disso, a condição material de alguns desses documentos valiosos não é de forma alguma satisfatória, de modo que, a menos que sejam tomadas medidas substantivas, acabaremos por perder este precioso tesouro das escrituras divinas. Neste contexto, é tentador lembrar aos leitores o conselho de um pensador universal, séculos atrás, que vai a seguir:


Os educadores devem elaborar os mais simples e os mais eficazes métodos para conduzir as mentes para a luz. Não para implantar a visão na mente, porque ela já tem essa capacidade, mas para corrigir a sua orientação, porque não está direcionada ao caminho certo.

- Platão, "República", 375

Esboçando a Missão


Vamos agora nos voltar, tão concisamente quanto pudermos, para recapitular a Missão de Bhagavan Sri Sathya Sai Baba, destinada a abranger toda a humanidade e com base no que Ele considerava como verdadeira educação. Pode-se precisar refletir que todas as religiões, sendo baseadas na fé em Deus, são destinadas a ser rotas diferentes para o mesmo destino. Foi fortemente enfatizado por Baba que devemos aderir estritamente ao caminho escolhido. Ser capaz de fazer isso e ainda assim levar uma busca normal da vida material foi assegurado ser possível para todos nós.


Escusado será mencionar que a verdadeira educação foi vista como o caminho para os problemas humanos. Baba, ao contrário de nós, no entanto, viu dois tipos de educação designados como Educação para a Vida e Educação para Ganhar a Vida.


Ambos são importantes, mas devem ser devidamente integrados. O problema reside na medida em que a sociedade segue o último e quase ignora o primeiro. Não é à toa que Swami quis enfatizar os dois com prioridade para o primeiro. No entanto, a educação predominante seguiu agressivamente este último objetivo com o apoio de todos os tipos de agências. Embora a educação seja normalmente destinada a dar algumas instruções sobre ética, isso é feito apenas em fases iniciais e não perseguido a sério. Bhagavan Baba, pelo contrário, criou um sistema de educação em que este componente da educação era vital, mas sem comprometer a parte material. Um sistema educacional totalmente diferente teve que ser planejado. Só Deus encarnado poderia fazer isso, e Ele fez isso.


Claramente, a educação tem que ser um processo que se estende ao longo da vida, mas as duas primeiras décadas e meia precisam ser utilizadas para estabelecer a base forte destinada a estabelecer uma vida dotada de retidão. No sistema projetado por Bhagavan, para nossa compreensão, há duas partes igualmente importantes para o sistema total. A primeira implica que devemos aderir intransigentemente às cinco virtudes básicas que consistem em: sathya (Verdade), dharma (Conduta correta), santhi (Paz), prema (Amor) e ahimsa (Não violência).
A responsabilidade de cultivar os valores nesta fase era dos pais, os quais não apenas frequentemente discorrem sobre esses valores, mas são vistos como praticantes infalíveis deles. Isto levou, em última análise, à criação dos programas de Bal Vikas em todo o país sob os auspícios da Organização Sri Sathya Sai de Serviço.


O Divino Sankalpa de colocar a humanidade no caminho certo através de um caminho equilibrado da educação foi finalmente realizado através da criação de escolas e faculdades para atividades acadêmicas sem compromisso para com os padrões acadêmicos. Sem entrar em detalhes, pode-se notar que uma faculdade maravilhosamente projetada para meninas foi criada em Anantapur, no final dos anos sessenta. Isso refletia claramente a percepção divina do papel vital das mulheres na promoção dos valores humanos. Para promover o equilíbrio, uma excelente faculdade foi criada em Bangalore um ano depois.


Para coroar todas estas escolas e faculdades, Baba estabeleceu o Instituto Sri Sathya Sai de Ensino Superior como o promotor de valores sem compromisso para com as realizações humanas materiais. Esta alta instituição acadêmica marca uma era totalmente nova no ensino superior em todo o mundo. Enquanto seus ex-alunos realizam programas acadêmicos de alto nível em todo o mundo, há um compromisso total com o serviço social que é necessário em todos os lugares e em todos os momentos. Eles nunca esquecem que Bhagavan repetidamente lhes disse em seu livro "Vidya Vahini":
Vidya é a refulgência que permeia a vida plena...
Lida com a Verdade e a Totalidade ...
O princípio procurado por Vidya está além do campo de sentidos.

 

– Doutor (Ph.D.) em Economia pela Universidade da Pensilvânia (EUA), o Prof. Vishwanath Pandit atuou na Delhi School of Economics, Universidade de Delhi, por quatro décadas. De 2008 a 2010, atuou como o 8º Vice-Chanceler do Instituto de Ensino Superior Sri Sathya Sai, em Prasanthi Nilayam. 
 

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.