Especial

EDUCARE SRI SATHYA SAI

Dr. B.G. Pitre

O Papel do Avatar

Um Avatar vem cumprir um propósito predeterminado, um Sankalpa (Vontade Divina). Bhagavan Sri Sathya Sai Baba veio para nosso convívio como Avatar com plenos poderes e consciência divinos. Ele viveu uma vida de virtuosidade praticando os valores que pregava. Compartilhou Sua felicidade com todos durante Sua permanência na terra. Sua vida foi Sua Mensagem. Uma vez, durante uma visita a Delhi, Swami dirigiu-se a um grupo de intelectuais em Vigvan Bhavan. Está narrado que no final de Seu Discurso um cientista perguntou: “Swami, Você pode fazer qualquer coisa. Há uma escassez aguda de combustível hoje em dia; Você não poderia nos ajudar”? Swami respondeu: “Sim, naturalmente. Posso converter a água do mar em combustível. Mas, vai aparecer um tolo, acender um cigarro e atirar o palito aceso ao mar”. Obviamente, Swami não veio para distribuir favores ou conveniências materiais. Na verdade, Swami havia dito, “Dou a vocês o que vocês querem, mas estou esperando que vocês peçam aquilo pelo qual Vim”. E Ele está esperando!

Swami nos desencorajou a meramente adquirir todo tipo de informações ou conhecimentos sem o entendimento adequado. Ele nos deu mais do que merecíamos, mas esperava que conquistássemos o que merecêssemos. A história conta que certa vez Swami deu o Padnamaskar a uma pessoa na fila de Darshan. Quando Swami voltou para a frente da fila, essa pessoa se estirou para frente querendo outra oportunidade. Swami prontamente lhe perguntou, “Você já digeriu o primeiro?” O que Ele esperava que nós pedíssemos a Ele? Fracassamos na tentativa de identificar o propósito da encarnação divina? Sri Krishna não lutou, Ele próprio, na Guerra do Mahabharata; Ele empoderou Arjuna com a percepção e a habilidade do Yoga supremo e o motivou a lutar na batalha da retidão, a Dharmayuddha. Como Swami nos motivou para alcançarmos nossos objetivos? 

Durante a Primeira Conferência Mundial em 1968, Swami disse: “Meus atos são as fundações sobre as quais Estou construindo minha obra – a tarefa pela qual Vim – indo em meio às massas, aconselhando-as, guiando-as, consolando-as, soerguendo-as, direcionando-as ao longo da senda de Sathya, Dharma, Santhi e Prema”. Ele estabelece padrões, níveis e metas para que aspiremos a eles e os alcancemos. Ele nos mostrou o caminho, mas temos, nós próprios, que jornadear na senda.


Em 14 de janeiro de 1982, Swami abençoou a Cartilha da Organização de Serviço Sri Sathya Sai. Swami estabeleceu na Cartilha os Objetivos para cada membro individual se esforçar e cumprir, que são os seguintes: (i) despertar a consciência da divindade inerente; (ii) pôr em prática os princípios básicos dos valores humanos na vida diária e (iii) através disto experimentar o amor, a paz, a harmonia e a alegria. 


Precisamos internalizar a mensagem, entendê-la autenticamente e então precisamos colocá-la em prática. A estratégia de Swami sempre foi que pratiquemos Seus Ensinamentos, ganhemos experiência, façamos a introspecção e então ajamos. Ele nos encorajou a despertarmos a natureza divina em nós através da prática dos valores humanos, e através disto que experimentemos a paz, a alegria e a harmonia. “Primeiro Seja, em seguida Faça e depois Diga”. Assim, a filosofia da consciência universal e a metodologia da Aprendizagem Experiencial eram os dois pilares da mensagem eterna de Swami.


Educação e Educare
A educação, hoje em dia, significa o processo pelo qual adquirimos informação do mundo externo. Swami discordou o tempo todo do modo como está sendo promovida nos tempos modernos. Citando o Dr. S. N. Saraf: “Em 20 de outubro de 1940, com a tenra idade de 14 anos, Swami jogou fora seus livros, depois de voltar da escola. Aquela foi uma expressão simbólica de Sua profunda insatisfação com o sistema de educação contemporânea que se baseava completamente em pensamentos externos, alicerces materialistas e objetivos sem propósitos”. A educação de hoje destaca a conquista acadêmica e as habilidades físicas, promovendo a exclusão do desenvolvimento de seres humanos de nobre caráter.


Isto levou ao declínio da integridade da vida familiar, minguando o respeito pelos pais e professores, ao comportamento destrutivo das instituições educacionais e sociais, à falta de propósito e direção entre os jovens, levando à permissividade e ao conflito na vida pública. Os estudantes são ensinados a se qualificarem meramente para ganharem a vida, o que resulta numa atitude de aquisição e interesse próprio. Esta não é a verdadeira educação. 


Formamos e encorajamos professores que são peritos em sua própria área; eles ensinam o assunto, não os estudantes. Isto pode ajudar uma pessoa a ganhar o pão, mas não consegue disciplinar suas emoções, para discernir entre o real e o irreal. Quando Swami fala de “boa educação” ou “verdadeira educação”, nós O compreendemos corretamente? Apenas reforçamos o sistema atual com maior eficiência. Nós todos nos movimentamos para melhorar os resultados das provas. Nós nos focamos mais nos ganhos acadêmicos. Chegamos mesmo a introduzir livros-texto sobre Educação em Valores para serem lidos e memorizados. Nossa abordagem do ensino tem sido para uma memória e resultados de curta duração. Nós nos esforçamos para o êxito, mas criamos ‘tolos de sucesso’. Estamos mais preocupados com ‘educação para o sustento’ quando Swami queria que preparássemos os estudantes para a vida. Esta era uma educação centrada no professor, enquanto Swami queria que as crianças experimentassem a alegria da aprendizagem. Não é de se admirar que depois de 70 anos buscando promover a ‘Verdadeira Educação’ Swami cunhasse uma nova palavra – Educare – para evitar qualquer confusão em nossa mente!


Já que as crianças aprendem o que lhes ensinamos, devemos ensinar o que queremos que nossas crianças aprendam. O ensino deve refletir as metas da aprendizagem, em vez do oposto. Vinoba Bhave disse, certa vez: “Não existem duas palavras como ‘ensino’ e ‘aprendizagem’ em nenhuma língua indiana”. Na Índia, Vidya sempre foi um processo integrado de ensino-aprendizagem. Porém, ensino e aprendizagem se divorciaram durante os séculos passados no sistema de educação contemporâneo. A ênfase agora é no ensino. A ênfase de Swami foi na aprendizagem. A educação moderna dá ênfase à informação. Educare visa promover a transformação. No contexto da educação, Swami integrou a sabedoria antiga e o conhecimento moderno numa pedagogia de Aprendizagem Experiencial. Sua vida na terra foi uma síntese do pensamento e da prática espiritual. Desabrochar a divindade interior foi Sua verdadeira mensagem para toda a humanidade.


A Transformação
Deixem-me dar um exemplo. Plantamos uma semente de manga e provemos os melhores ingredientes como o ar, a água, o solo, a temperatura e a luz solar. No devido tempo, ela se desenvolverá tornando-se um rebento, e crescerá transformando-se numa árvore. O que era algumas gramas de matéria, a semente, agora é uma gigantesca árvore pesando muitas toneladas. Toda a matéria e energia foram tiradas dos arredores. Ainda assim, o fruto tem todas as características essenciais da manga. Em compensação, a árvore fornece alimento, forragem, lenha, oxigênio, sombra e sustento para milhões de bactérias e micróbios. A natureza mantém um equilíbrio muito bonito entre o interno e o externo. A Bíblia diz: ‘Pois é dando que se recebe. É amando que se é amado’. A Divindade é o centro de nosso Ser. Todos nós temos valores latentes dentro de nós; o processo de externar esses valores por nosso comportamento é Educare. Para viver neste mundo, precisamos aprender e adquirir muitas coisas; este processo é a Educação. Os dois se complementam mutuamente quando se mantém o equilíbrio. Swami diz, “Educare e Educação são como as duas asas de um pássaro. Mantendo o equilíbrio entre si, o pássaro se eleva no céu”.


Os objetos na natureza têm existência e utilidade temporárias. O apego a esses objetos traz satisfação temporária. Qualquer desejo não satisfeito ou impedimento do prazer dá surgimento a inquietação mental. Isto cria sentimentos negativos de raiva, ciúme, etc. Por isso a mente deve ser voltada para o interior, na direção de nossa consciência. Ela deve estabelecer um elo com o coração espiritual. Onde o Amor é evidente, significa que se encontrou um canal para a divindade interior Se expressar. É a corrente subjacente, o denominador comum, que pode transformar nossos pensamentos, emoções e ações e purificá-los. Isto traz harmonia para nossos pensamentos, palavras e atos, Trikarana Shuddhi. Este é o processo de Educare. Ele faz da nossa vida a mensagem Dele.


O Primeiro Passo
Algumas palavras de cautela precisam ser acrescentadas. A virada da mente da senda do mundo (Preyas Marg) para a senda espiritual (Sreyas Marg) é um desafio quase insuperável para a maior parte das pessoas. Os desejos são fortes e a força de vontade é fraca. Swami alertou sobre isto em 20 de outubro de 1940: Dustara Bhavasagara Taranam (é difícil cruzar o oceano do mundanismo). A única saída é o Sadhana consistente – meditação diária, preces, Namasmarana, a literatura espiritual e Seva (serviço altruísta). Com o aumento gradual da devoção, discernimento, disciplina e determinação, mesmo a resistência impregnada da mente pode ser rompida. Este processo é lento. No entanto, é o único processo; não existe um processo com atalho.


Algumas palavras de encorajamento podem ser acrescentadas. De vez em quando, mesmo a mente mais endurecida pode amolecer. Quase todo mundo já experimentou isto em circunstâncias excepcionais, particularmente durante o Seva. Somos tomados por uma alegria e derramamos uma lágrima ou duas; é uma ocasião em que, por apenas um momento, a divindade toma a carga para Si. As lágrimas são uma evidência do amor altruísta, que é propriedade divina. É por isso que damos o crédito do Seva a Bhagavan Baba e o colocamos aos Seus Pés de Lótus Divinos. É quando, na realidade Manasa Bhajare Guru Charanam (a mente adora os Pés do Guru). 


Bhagavan Baba prometeu que viveria aqui por 96 anos; tendemos a pensar que Ele deixou o corpo mortal quase dez anos antes. Na realidade, Ele nos deu a todos tudo o que precisávamos para alcançar nossas metas na vida; a única diferença é que Ele próprio Se instalou em nosso coração em vez de falar para nós na forma física. Podemos falar com Ele em nossas preces, e Ele responde nas profundezas do silêncio (meditação). É exatamente sobre tudo isto que o Educare trata. 


Toda ‘mudança’ é uma ‘troca’; devemos desistir de alguma coisa para conseguir outra. Swami nos deu nossa meta; ‘Despertar para a realidade interior’. Ele nos concedeu o conhecimento e os meios: Educare Sri Sathya Sai. Para nos elevarmos a um degrau superior na escada da consciência, devemos dar o salto quântico. Isto é obrigatório no processo evolutivo. E Swami está esperando! 


Com toda humildade, oro por nosso despertar, uma tarefa que Ele deixou para todos nós completarmos.  


- O autor é Diretor do Instituto de Educação Sathya Sai de Mumbai (Índia).

 

O homem deve se tornar a própria encarnação do amor. Quando ele se enche de amor, o mundo inteiro se transforma em um mundo preenchido com amor. Enquanto estiver preenchido com ódio, o mundo aparece como um mundo preenchido com ódio. É somente quando se desenvolve o amor que o dualismo do bem e do mal pode ser transcendido e a alegria da unidade com o Divino ser experimentada. 

-    Baba

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.