Pensamento para o dia - setembro 2021

01 setembro de 2021

Toda atividade do homem depende da energia proveniente da ingestão de alimentos. O sucesso das práticas espirituais (sadhanas) que se empreendem depende da quantidade e da qualidade do alimento consumido pelo aspirante espiritual, mesmo durante os preparativos preliminares recomendados por Patanjali. O mais externo dos cinco envoltórios que revestem o núcleo átmico - o do alimento ou Annamaya kosha - tem um impacto sobre todos os quatro restantes. Annamaya Kosha é o envoltório que consiste no físico, na carne e nos ossos construídos pelo alimento ingerido pelo indivíduo. A comida é geralmente desprezada por aspirantes e buscadores ascéticos e tratada como algo que não merece atenção. No entanto, como o corpo e a mente são fortemente interdependentes, ninguém pode se dar ao luxo de negligenciá-la. Tal é o alimento, tal será a mente; tal é a mente, tal será o pensamento; e tal é o pensamento, tal será a ação. (Discurso Divino, 22 de maio de 1979)

Sri Sathya Sai Baba

02 setembro de 2021

Na Índia antiga, professores e alunos oravam juntos: "Que ambos sejamos guiados e protegidos. Que juntos possamos progredir e alcançar esplendor espiritual por meio dos nossos estudos. Que nenhum vestígio de descontentamento ou perturbação contamine o nosso relacionamento". Um professor amoroso, que  dedica a vida à sua profissão, torna-se um modelo de comportamento para os estudantes que o admiram. Um professor pode construir ou arruinar o futuro do aluno, pois é o herói que os estudantes desejam copiar e imitar, seja nos trajes, nos hábitos e no estilo de viver e pensar. Quando os professores se dividem em facções, ofendem uns aos outros ou se deleitam no jogo da política, os estudantes são facilmente contagiados pelas mesmas tendências nocivas. A disciplina só se enraíza no ambiente do campus quando os professores dão o exemplo. "Tais são os líderes, tais os liderados." Quando os professores formam grupos para obter poder e influência, os alunos também fazem o mesmo! Sendo assim, os professores devem manter elevados, tanto na teoria como na prática, os ideais do saber, do companheirismo, do amor mútuo e do progresso espiritual. (Discurso Divino, 22 de maio de 1982) 

Sri Sathya Sai Baba

 

03 setembro de 2021

Todo devoto espera, em última análise, experimentar a alegria da bem-aventurança suprema como resultado da sua disciplina espiritual. Entretanto, essa bem-aventurança não é algo recém-conquistado ou adquirido; não é uma experiência nova a ser alcançada por meio da disciplina espiritual. Ela está sempre com vocês, dentro de vocês, mas não pode ser saboreada por causa do obstáculo representado pelo ego, que atua como uma tela, escondendo-a da vista. É preciso rasgar esse véu. A disciplina espiritual é aquilo que o aspirante necessita; então se poderá ter consciência da bem-aventurança sempre existente. Ela não surge de novo; está sempre lá. O que vem e vai é a tela do “eu” e do “meu” que encobre a bem-aventurança. Ao tentar remover a tela de "eu sou aquele que desfruta" e "estas coisas são minhas", o aspirante não deve se apressar freneticamente e se preocupar em demasia caso não descubra a felicidade esperada. Nessas horas a paz constitui uma ajuda infalível. Se a paz for bem cultivada no início, vocês poderão ter sucesso em qualquer tarefa, por mais difícil que seja! (Prashanti Vahini, cap. 8).

Sri Sathya Sai Baba

04 setembro de 2021

Deus é onisciente, tudo penetra e tudo permeia; o tempo todo ele ativa o mundo objetivo e age por meio dele. A Criação está sempre sob os Seus cuidados. Tal é a doutrina dos dualistas (dvaitins). Isso dá ensejo a uma pergunta: se o mundo é governado por Deus, como Ele permite que seja tão perverso e mau? A resposta é que Deus não é responsável pela tristeza nem pela dor. Os pecados que cometemos são os progenitores do pesar que sofremos. Alegria e tristeza são as consequências do bem e do mal que o homem pratica. Deus é a Testemunha. Ele não pune nem causa dor. A alma encarnada (jivi) não tem começo, ou seja, não tem nascimento, mas se envolve em incessante atividade e por isso tem que passar pelas consequências inevitáveis dessa atividade. Esta é a experiência de todos e a característica de todas as mentes. É a lei inquebrantável do mundo objetivo. (Sathya Sai Vahini, cap. 8).

Sri Sathya Sai Baba

05 setembro de 2021

As virtudes dos professores se refletem em seus alunos; a sua fé inspira os jovens. Se pessoas desperdiçam as suas vidas e arruínam as vidas de outros com as suas buscas estéreis ou se levam uma vida feliz promovendo a felicidade do próximo - a resposta está nas mãos dos professores. Uma vida sem caráter é tão estéril quanto um templo sem lâmpada, uma moeda falsa e uma pipa com a linha quebrada. Um professor que ensina aos alunos com os olhos fixos no salário e um aluno que aprende com os olhos fixos em um emprego -   estão ambos perdendo a sua vocação. O professor deve ajudar o aluno a desenvolver e manifestar as habilidades e qualidades inerentes a ele e encorajá-lo a se elevar ao máximo da sua capacidade. O Divino é a essência tanto do professor quanto do aluno. O processo educacional é para aumentar a consciência dessa verdade e a utilização desse poder latente. (Discurso Divino, 22 de maio de 1982)

Sri Sathya Sai Baba

 

06 setembro de 2021

Uma criancinha corre assustada, gritando: “mamãe, mamãe!”, em busca da mãe desaparecida. A mãe a toma nos braços e a põe no colo. A criança para de chorar e fica livre de todo medo. Mas será que ela pode avaliar e descobrir a diferença entre o seu estado anterior e o seu alívio atual? Não! Nem é necessário fazer isso! Aquele que busca sempre servir ao Senhor imergirá em Deus quando a gloriosa oportunidade chegar. Naquela Presença, nenhuma ansiedade ou problema poderá perturbá-lo! Ansiedade e problemas incomodam apenas até o momento da realização; depois, toda a atenção é desviada para a experiência! As lutas e sofrimentos do passado são esquecidos. Sendo assim, aspirantes e devotos devem ignorar e esquecer todos os milhares de transtornos pelos quais passaram e se ocupar apenas com pensamentos no Senhor! Esta é a maneira de se obter alegria. A devoção não tem outra recompensa! (Prashanti Vahini, cap. 8)

Sri Sathya Sai Baba

07 setembro de 2021

“Gosto muito de me dedicar apenas a esta tarefa.” “Procurei fazer-lhe o bem, mas ele ignorou o meu desejo e tentou ferir-me”. São estas as causas habituais da tensão e do estresse que se diz estarem envolvidos na yoga da ação (karma yoga). Tal decepção faz com se perca o interesse pela atividade. As pessoas querem fazer o bem e procuram fazer o bem a alguém de alguma forma, na esperança de assim obter e distribuir alegria. Quando essa alegria não surge, instala-se o desespero! O verdadeiro yogi, no entanto, realiza atividades sem se apegar e sem saber a quem ou de que maneira a sua ação ajuda. A lição que karma yoga ensina é a seguinte: pratiquem a ação como tal, pratiquem-na pela ação em si! Por que os karma yogis enchem as mãos de trabalho? Porque essa é a sua verdadeira natureza; eles se sentem felizes realizando o trabalho. Isso é tudo. Não barganham visando resultados nem são movidos por nenhum calculismo. Dão, mas nunca recebem. Não conhecem a tristeza nem o desapontamento, pois não esperam nenhum benefício! (Sathya Sai Vahini, cap. 10)

Sri Sathya Sai Baba

 

08 setembro de 2021

Para se conquistar a segurança perfeita, é necessário seguir o caminho da plena devoção e dedicação ao Senhor. Não se pode obtê-la por outros meios. O caminho da sabedoria espiritual (jñana) só é possível para uma pessoa em um milhão; ele está além do alcance de todos. Será possível negar o corpo e o mundo objetivo, tão evidentes aos sentidos, repetindo “Isto não, isto não (neti, neti)”? E, ainda que seja possível, como aplicar o argumento “Isto não, isto não”? Nas condições atuais, o caminho da sabedoria é realmente muito difícil. O caminho da atividade desinteressada também não é tão viável, é igualmente cheio de dificuldades. Para se trabalhar com o espírito adequado, amor e devoção são essenciais ao êxito. O caminho da união (yoga) também está repleto de obstáculos. O caminho da devoção é, portanto, o mais suave, o que mais conduz ao sucesso e o que proporciona mais bem-aventurança! (Prashanti Vahini, cap. 9)

Sri Sathya Sai Baba

09 setembro de 2021

A família do Senhor, que  mantém harmonia e paz, apesar dos elementos antagônicos presentes entre os seus membros, é o nosso ideal. No seu estado natural, os veículos de Shiva (o touro), Parvati (o leão), Ganesha (o rato) e Subramanya (o pavão) são inimigos entre si. Mas, vivendo na presença do Senhor, eles deixam de lado a sua inimizade e coexistem pacificamente. A harmonia na Divina Família mostra que onde há Divindade há paz e amizade! O ódio e o ciúme surgem quando a Onipresença do Divino é esquecida ou ignorada. É necessário celebrar dias santos como Vinayaka Chathurti para que nos recordemos de verdades sagradas e santifiquemos as nossas mentes e vidas em conformidade com elas. Tais dias não devem ser tratados como feriados para festejos e divertimentos. Deve-se cultuar Ganapati para que todos os ganas (seres celestiais) sejam amigáveis e prestativos conosco. Tyagaraja disse que se alguém obtiver a graça do Senhor (devanugraham), todos os planetas (grahas) estarão ao seu alcance. Devemos purificar os nossos corações para que Deus possa derramar a Sua graça sobre nós. (Discurso Divino, 10 de setembro de 1984)

Sri Sathya Sai Baba

10 setembro de 2021

O homem está vinculado a três tendências. A primeira é o desejo de possuir (kama). Quando este não é realizado, a raiva (krodha) aflora. Quando os desejos são satisfeitos e ele ganha o que quer, a terceira tendência - a cobiça (lobha) - passa a dominá-lo. Se o desejo for benéfico, Deus derramará a Sua graça. Ganesha não tem desejo nem raiva nem cobiça. A Sua Graça está disponível para todos os que perseguem objetivos bons e piedosos. Vejam só o veículo que Ele escolheu - o rato! O rato é uma criatura que é conduzida, até mesmo à destruição, pela vasana que é o cheiro das coisas. Os homens são todos vítimas de preferências e predileções de vidas passadas (vasanas) que estão gravadas nas suas mentes. Ganesha sufoca e suprime as vasanas que desviam o homem e geram infortúnio. A associação com Deus, seja como veículo, ornamento, acessório ou servo de Deus, confere a objetos, animais e homens um status sagrado especial! Neste caso, o rato foi honrado, pois compartilha da adoração oferecida a Ganesha. (Discurso Divino, 18 de setembro de 1985)

Sri Sathya Sai Baba

11 setembro de 2021

A devoção tem que ser realizada por experiência própria, embora as grandes almas possam iluminar um pouco o caminho com os seus exemplos. Com a sua ajuda, vocês poderão compreender algo a respeito do caminho, mas lembrem-se de que as palavras falham quando se aproximam do Transcendente. Maitreyi comparou a mente de um devoto a um lago sereno onde cessou toda e qualquer agitação. A mente se torna inativa, ineficaz e completamente descarregada. Kapila Maharshi, falando sobre a devoção, comparou-a a um riacho. Riachos e rios correm ininterruptamente e sem descanso em direção ao mar; de igual modo, desde o seu nascimento, o devoto anseia por alcançar o Oceano da Graça do Senhor. Diz-se no Devi Bhagavatam que a devoção é como o fluxo de óleo vertido de um recipiente para outro. Shankara, na sua obra Shivananda Lahari, caracteriza a devoção de maneira diversa: assim como um pedaço de ferro é atraído para o ímã, a alma individual (jivi) é atraída para o Senhor e a Ele se liga firmemente. Embora sejam interpretações diferentes, todas estão corretas, pois se baseiam na experiência real, que não pode ser negada. (Prashanti Vahini, cap. 9)

Sri Sathya Sai Baba

12 setembro de 2021

A yoga da devoção ensina o caminho do amor; ensina a não amar para obter proveito. Amem a todos como a si mesmos. Nenhum dano lhes ocorrerá! O amor espalha apenas alegria e felicidade para todos. Deus está presente em todos os seres como amor; portanto o amor é oferecido e aceito não por indivíduos, mas por Deus, que neles reside! Aquele que busca a Deus e confia no caminho da devoção e da dedicação experimentará esta verdade! Alguns amam a Deus como mãe ou pai, outros como “o amigo mais querido e próximo” e outros ainda como o seu amado, a única meta desejada. Todo esforço tem por objetivo fundir o amor individual no Oceano de Amor que é Deus! Sempre que o amor desinteressado for evidente, considerem-no como o amor do próprio Deus! Deus ama infinitamente a humanidade; sendo assim, quando alguém decide servir à humanidade, Ele derrama a Sua graça em abundância. Quando um coração humano se enternece com o sofrimento alheio e se expande como resultado dessa compaixão, saibam que Deus está ali presente! (Sathya Sai Vahini, cap. 10)

Sri Sathya Sai Baba

13 setembro de 2021

Só porque algumas pessoas têm conhecimento da imanência do Divino e até mesmo da Sua transcendência, elas não podem ser honradas como seres de sabedoria (jñanis), pois o conhecimento deve ser assimilado por meio da experiência real. Este é o teste crucial. Não é suficiente que o intelecto manifeste a sua aprovação e seja capaz de provar que o Divino é tudo. Esta crença deve penetrar e estimular cada momento da vida e cada ato daquele que crê. A sabedoria não deve ser apenas um monte de pensamentos ou um pacote de princípios elegantemente construídos. A fé deve animar e entusiasmar cada pensamento, palavra e ação. O ser deve estar embebido no néctar da sabedoria espiritual. O intelecto é um instrumento insatisfatório, pois aquilo que ele aprova hoje como correto é rejeitado amanhã por ele mesmo após uma reflexão! O intelecto não pode julgar as coisas de maneira definitiva e permanente! Portanto, busquem a experiência. Uma vez que a obtenham, o Atma poderá ser entendido como “tudo isto”. É o que se chama de Jñana Yoga ou Yoga da Sabedoria! (Sathya Sai Vahini, cap. 10)

Sri Sathya Sai Baba

14 setembro de 2021

Promover as Escrituras levará à promoção do bem-estar do mundo. Para promover as Escrituras, falem a verdade (satyam vada); para promover o mundo, falem agradavelmente (priyam vada). Se estas duas máximas forem mantidas em mente e praticadas, nenhuma disciplina maior será necessária. Somente em uma atmosfera de paz essas máximas sagradas podem ser postas em prática. Para se conquistar essa serenidade, assim como para promover as Escrituras e o mundo, são essenciais esforço constante e harmonia. Quando se adquire a paz, tudo é equanimidade (sama-rasa). Ela é a própria natureza da paz. Todos devem estar imbuídos dessa paz e equanimidade e estabelecer uma era de fé, desprovida de comportamentos, atitudes, condutas, hábitos e caráter contrários às Escrituras. A devoção é o próprio manancial dessa paz; consequentemente, se todos a plantarem nos seus corações e a cultivarem com cuidado e atenção constante, poderá ser obtida uma colheita de bondade e harmonia. (Prashanti Vahini, cap. 10)

Sri Sathya Sai Baba
 

15 setembro de 2021

Não se deve permitir que a mente vagueie de acordo com os seus caprichos. Deve-se controlá-la sem a menor brandura ou piedade. Se possível, deve-se visar até mesmo a sua destruição para fazer com que se mantenha distante do contato com objetos mundanos. Por quê? Somente quando fizerem isso é que vocês poderão perceber a sua identidade real. A percepção dessa realidade é o estado chamado de liberação (mukti). Nesse caso todos os tipos de problemas, tribulações, dúvidas e dilemas chegam ao fim; o indivíduo supera a tristeza, a ilusão e a ansiedade e se estabelece na sagrada serenidade da paz. Então, primeiro abandonem todos os impulsos impuros e cultivem os puros. Depois tentem abandonar, passo a passo, até mesmo estes e deixar a mente sem objetivos (nir-vishaya). A paz assim alcançada é refulgente, bem-aventurada e associada à sabedoria; ela é, de fato, a experiência da Divindade, o próprio Deus. O aspirante que anseia alcançar essa paz deve levar constantemente uma vida virtuosa, superando todos os obstáculos iniciais. (Prashanti Vahini, cap. 12)

Sri Sathya Sai Baba

16 setembro de 2021

À medida que os séculos passam pela Terra, um após o outro, novos problemas surgem e defrontamo-nos com novas situações e dilemas; então as leis e limites do passado têm que ser alterados aqui e ali. Tais ajustes, na verdade, fazem parte do projeto. Deve-se mostrar às pessoas o caminho para o progresso espiritual sob as circunstâncias alteradas, para que o código de leis adequado à nova era seja declarado como obrigatório. Não obstante, deve-se ter em mente que o dharma divino (Atma-dharma) enunciado em Vedanta é eterno e imutável. Nunca poderá ser reduzido ou “ajustado às necessidades da época”. O ensinamento duradouro é o seguinte: a Fé no Atma como o cerne, a realidade e a meta é verdadeira para todo o tempo. As verdades do Atma-dharma são baseadas nos alicerces eternos do âmago do indivíduo e da Natureza (prakriti), que é a projeção da Vontade divina. Sendo assim, estão fora do alcance da mudança. São tão relevantes e válidas hoje quanto eram há milhares de anos. (Sathya Sai Vahini, cap. 12)

Sri Sathya Sai Baba

17 setembro de 2021

Cada indivíduo é a causa do seu próprio destino, bom ou mau. Cada um é um construtor, um arquiteto. Sina, destino, predeterminação, vontade de Deus - todas estas explicações são derrubadas pelo princípio do karma (as consequências de ações passadas). Deus e os indivíduos só podem ser reconciliados e ligados com base neste princípio do karma. Quando o homem percebe que Deus não tem nenhuma participação na causa do seu sofrimento, que cada indivíduo é a única causa, que não cabe nenhuma culpa a ninguém e que se é livre para moldar o próprio futuro, então ele se aproxima de Deus com passos mais firmes e mente mais clara. Se hoje alguém está sendo atormentado pelo infortúnio, isso é certamente o resultado dos seus atos anteriores. Deve-se igualmente acreditar que felicidade e boa sorte também estão nas próprias mãos do indivíduo. Se ele assim decidir, poderá obter felicidade e boa sorte. (Sathya Sai Vahini, cap. 13)

Sri Sathya Sai Baba

18 setembro de 2021

A sabedoria (jñana) é a ambrosia preciosa obtida de todas as fontes do conhecimento. É a manteiga doce e nutritiva batida e recolhida das Escrituras. Sabedoria não é a capacidade de discernir e declarar: "Isto é plano, isto é redondo" ou "isto é uma colina, isto é uma casa" e assim por diante. Estes pertencem ao conhecimento comum! Em seguida vem o bom conhecimento (sujñana), que é quando se pode fazer distinção entre o certo e o errado ou entre o bom e o mau, ou ainda quando se descobre que determinada atividade é para o próprio aperfeiçoamento e o dos outros. Tanto a sabedoria quanto o bom conhecimento estão confinados ao intelecto! Existe uma sabedoria superior, quando o coração é transformado pela lealdade à verdade, à não violência e à compaixão. Uma pessoa com tal sabedoria compreende a si mesma, assim como o seu parentesco com o Cosmos e o seu Criador. Ela vive de acordo com esse entendimento, sem nenhuma dúvida ou desarmonia. O critério para se avaliar a sabedoria é a Retidão (dharma). Quanto mais o homem pratica a Retidão (dharma), mais ele se enraíza na sabedoria superior. (Sathya Sai Vahini, cap. 20)

Sri Sathya Sai Baba

19 setembro de 2021

A liberação é o samadhi (êxtase espiritual) ou a paz alcançada por meio da disciplina espiritual da purificação interior - a disciplina espiritual que consiste em negar as impressões obtidas por meio da visão, da audição, da leitura, do aprendizado, do agir e do fazer. Quem padece de um sofrimento físico insuportável não tem o menor interesse em se divertir, não é mesmo? De igual modo, um buscador e devoto sincero não pode ter nenhum interesse no teatro mundano do prazer dos objetos e das paixões mesquinhas. Deve-se, em primeiro lugar, analisar e abandonar esses desejos inferiores, pois eles estão na raiz de todo sofrimento. Manter-se firme no desapego é, em si, a mais elevada forma de austeridade (tapas), o mais severo voto. É preciso estar sempre vigilante em relação a essa austeridade e empenhar-se continuamente. Como uma criança que se esforça para andar, vocês podem dar alguns passos, vacilar e cair; porém, tal como a criança, devem erguer-se com um sorriso e começar de novo. (Prashanti Vahini, cap. 13)

Sri Sathya Sai Baba

 

20 setembro de 2021

Se queremos descobrir a presença do Divino que tudo permeia no Universo, devemos reconhecê-Lo em nossa vida diária. Assim como o poder da visão se manifesta nos olhos, e o da audição nos ouvidos, Deus se manifesta como consciência no corpo humano. Não há lugar no mundo onde Ele não exista. A Criação é uma manifestação de Deus. É a forma de Deus chamada Natureza (Prakriti); portanto o homem, que é filho da Natureza, é inerentemente Divino. O homem nasce com qualidades divinas. Assim como a muda brota da semente, a flor da muda, e o fruto da flor, Deus é a semente de todo o Cosmos. O homem é intrinsecamente uma combinação de moralidade, retidão e espiritualidade. Infelizmente, esquecendo-se dessas qualidades básicas, ele hoje está desprovido de moralidade, retidão e espiritualidade. Considerando a sacralidade do nascimento humano, é uma pena que, na época atual, o homem esteja tão degradado. Ele é uma personificação de Sat-Chit-Ananda (Ser-Consciência e Bem-aventurança), que são atributos do Divino! (Discurso Divino, 7 de abril de 1997)

Sri Sathya Sai Baba

21 setembro de 2021

A partir de hoje, procurem limpar o coração de quaisquer impurezas que nele haja! E como se deve fazer isso? Em primeiro lugar, meditando em Deus; em segundo lugar, mediante o serviço à sociedade. Somente por esses dois meios se alcança a pureza de coração. Se vocês assegurarem o amor de Deus, poderão assegurar qualquer coisa. Existe amor em vocês; usem-no para conquistar o amor de Deus. Orem pelo amor e pela bem-aventurança divinas. Encarnações do amor! Muitos oram a Deus em todo o mundo. Oram pela realização de desejos mundanos de alguma espécie. Este não é o tipo certo de oração. Vocês devem orar a Deus pela graça do Seu amor, que é eterno, é infinito. Deus tem ainda outro atributo: Ele é a encarnação da bem-aventurança. É Sat-Chit-Ananda (Ser - Consciência - Bem-aventurança). Orem a Deus para que Ele lhes conceda essa bem-aventurança. A bem-aventurança de Deus é ilimitada e eterna. Todos os prazeres mundanos são transitórios e efêmeros. (Discurso Divino, 7 de abril de 1997)

Sri Sathya Sai Baba

22 setembro de 2021

Estejam ligados ao Atma em vocês; repousem e refugiem-se Nele, meditem Nele ininterruptamente. Então todos os laços se desfarão, pois o laço com o qual vocês se ligam ao Senhor ou ao Atma tem o poder de desatar todos os outros. Os “desapegados” têm amor verdadeiro por todos. O seu amor não é apenas puro, mas também divino; é a personificação da paz. Sem dúvida, o homem pode alcançar o Senhor caso se torne desprovido de toda paixão ou apego (raga) e se envolva nas ações detalhadas acima. Naturalmente, renúncia ou desapego (vairagya) não significa renunciar ao lar e à família, a posições elevadas e até mesmo a reinos. Significa a compreensão da  divindade imanente em tudo, o desaparecimento de todos os nomes e formas distintas e a bem-aventurança de experimentar em tudo e em todos os lugares o Divino, que é a sua realidade. (Prashanti Vahini, cap 13)

Sri Sathya Sai Baba

 

23 setembro de 2021

Benefícios mundanos vêm e vão. Não são as coisas pelas quais vocês devem orar. Busquem o que é eterno. Orem pelo amor e pela bem-aventurança de Deus. Procurem perceber a sua própria Divindade. Então experimentarão o Divino em todo o Cosmos, a Bem-Aventurança que preenche o Universo. Quando virem o mundo com os olhos da Bem-Aventurança divina, encontrarão a bem-aventurança em todos os lugares. Se houver ódio na sua visão, verão ódio em toda parte. Portanto, para começar, mudem a sua visão. Olhem para o mundo com a visão da paz, do amor e da compaixão; assim o mundo inteiro parecerá amoroso e pacífico. Quando o seu coração estiver cheio de amor, vocês experimentarão Deus em todo o Cosmos. Vejam o Divino em todos. Evitem o ódio e a má vontade. Após anos de devoção, muitos ainda carecem de uma visão ampla e de um amor abrangente. Encarnações do amor, promovam incessantemente o amor no coração - o amor que é imortal e infinito! (Discurso Divino, 7 de abril de 1997)

Sri Sathya Sai Baba

 

24 setembro de 2021

A humanidade só pode conquistar a felicidade por meio da unidade, e não da diversidade. Se pensamentos e sentimentos seguem as rotas da separação e da divisão, a felicidade se torna inalcançável e não se pode experimentar a paz. Sem paz vocês não têm chance de ser felizes. Considerem o único e indivisível oceano como a meta. De que importa a direção do fluxo do rio? De que importa o seu nome? Os rios se fundem no mesmíssimo mar, não é? Os aspirantes espirituais e devotos que adotam o caminho da yoga, o da devoção ou o da paz, que adotam a retidão (dharma), a verdade e o amor finalmente alcançam o Oceano da Graça e então Nome e Forma desaparecem, assim como as distinções. Eles são abençoados com a fusão no mar da paz; deve-se, portanto, manter a unidade sempre diante dos olhos. Nunca alimentem ideias de diferenças, de distintos Nomes e Formas do Senhor ou de caminhos divergentes. Tais ideias constituem obstáculos para se alcançar a bem-aventurança. Evitem esses obstáculos e desenvolvam uma visão equânime. (Prashanti Vahini, cap. 14)

Sri Sathya Sai Baba

 

25 setembro de 2021

A mente é muito poderosa. Sem compreender o seu poder, o homem se orgulha do seu conhecimento limitado. É uma grande tolice. Ele acha que sabe tudo. Desvia a sua mente para objetivos triviais sem tentar conhecer o Atma. Esta é a razão pela qual está sujeito a dificuldades e sofrimento. Vocês são responsáveis pela sua felicidade ou infelicidade. Não devem culpar os outros pela sua condição. Como são incapazes de perceber o seu verdadeiro Eu, experimentam as dualidades do prazer e da dor. Após conhecerem o seu verdadeiro Eu, não serão mais afetados por elas. É um pecado culpar os outros pelo seu sofrimento. Vocês sofrem pela falta de moralidade nos seus sentimentos e pela sua conduta imprópria. O seu destino é baseado no seu caráter. O caráter é baseado em ações e estas são baseadas em pensamentos. Portanto, cultivem a moralidade e pensamentos sagrados. (Discurso Divino, 14 de janeiro de 2002)

Sri Sathya Sai Baba

26 setembro de 2021

Para desfrutar da paz, a humanidade deve ser controlada e dirigida pelos ideais da Retidão (dharma); isso depende do espírito de tolerância mútua na família, o qual, mais uma vez, se baseia na conduta individual pura (sátvica) que visa agradar a todos. Essa conduta tem um encanto próprio. Evitem, no seu comportamento, nas suas ações e nas suas palavras, todo e qualquer traço do desejo de causar dor ou dirigir insultos a outras pessoas ou de ocasionar perda ou sofrimento a elas. Descubram os melhores meios para assim se reformarem, pratiquem esse tipo de vida; para o seu próprio bem, deixem de magoar a si próprios e trilhem sempre o caminho da verdade. Para isso, a generosidade é essencial, mas só poderão adquiri-la aqueles que tiverem (1) um desejo inato (samskara) por ela; e (2) devoção em cada ato. A devoção ao Senhor faz com que se adquiram humildade, temor ao pecado e fé nas Escrituras. Mediante essas qualidades, elimina-se a pequenez da mente e as pessoas se tornam generosas. (Prashanti Vahini, cap. 15)

Sri Sathya Sai Baba

27 setembro de 2021

Vocês devem reconhecer a verdade fundamental, ou seja, o princípio do Atma. Ele está no seu interior. É possível conhecê-lo apenas por meio do intelecto porque este tem a capacidade de discernir. Se quiserem saborear uma laranja, terão que remover a casca amarga. Até um macaco descasca uma banana antes de comê-la. De igual forma, o intelecto deve renunciar ao mal e aceitar o bem. De que serve o nascimento humano se o homem age da mesma maneira que um macaco ou um búfalo? Há ainda outra lição a ser aprendida até mesmo com búfalos e vacas. Eles pastam nos campos sem perder um minuto e mastigam vagarosamente tudo o que comem. Similarmente, sempre que encontrarem algo bom, aceitem-no sem demora. Logo mais, meditem sobre isso e o assimilem. (Discurso Divino, 14 de janeiro de 2002)

Sri Sathya Sai Baba

28 setembro de 2021

Algumas pessoas, que não têm experiência e não colocam em prática as próprias palavras, saem por aí declarando que o caminho para a paz é manter o mundo à distância. Isso não é paz; é exatamente o oposto. Se a semente for levada para longe da árvore, ela não se transformará em uma nova árvore do mesmo jeito? Caso não se deseje isso, deve-se usar o fogo para ferver ou fritar a semente! Da mesma forma, impulsos e desejos que germinam devem ser fritos no fogo do discernimento (vichara); então a verdadeira paz surgirá. Se, em vez disso, o homem fugir às responsabilidades da vida em sociedade, não conseguirá desfrutar de paz; ela jamais chegará! No entanto, se os desejos (vasanas) forem controlados e eliminados, não haverá necessidade de fugir. Assim, contentando-se com o que têm, recusando-se a se preocupar com a ausência daquilo que não possuem e tentando, na medida do possível, reduzir e eliminar desejos, paixões e ódios, esforcem-se por cultivar e praticar sistematicamente a verdade, a retidão (dharma), o amor e a firmeza de ânimo (sahana). (Prashanti Vahini, cap. 15)

Sri Sathya Sai Baba

 

29 setembro de 2021

Qual é a causa raiz do descontentamento? É a inveja. Este tem sido o vício persistente do homem desde o início dos tempos. Somente quando a inveja for erradicada do coração humano o homem ficará contente consigo mesmo. Quem está satisfeito desfruta de paz. E como surge a inveja? Ela surge quando alguém se compara com aqueles que estão em melhor situação, ocupam cargos mais elevados, obtêm notas mais altas ou são mais bonitos, e então passa a sofrer pela consciência da própria inferioridade. O descontentamento com o que lhe falta dá origem à inveja. Para que uma pessoa se livre dessa má qualidade, é necessário que ela olhe para aqueles que estão em pior situação. Se ela considerar, por exemplo, a situação daqueles que ocupam cargos inferiores, poderá se sentir satisfeita com a própria posição. Portanto, se é para eliminar a inveja, a pessoa deve se comparar com aqueles que estão em pior situação. Com o tempo, ela desenvolverá um senso de equanimidade, tanto em relação àqueles que estão em melhor situação quanto àqueles que estão em pior situação. Essa equanimidade é uma qualidade Divina. (Discurso Divino, 19 de janeiro de 1989)

Sri Sathya Sai Baba

 

30 setembro de 2021

Alguns declaram que a oração pode trazer a paz mundial e pedem que as pessoas orem. É claro que é bom orar, porém jamais se poderá alcançar a paz apenas dessa maneira. A oração deve estar associada à prática. Não se deve orar por uma coisa e praticar outra. Tal oração é apenas uma forma de ilusão. Se vocês recitam orações pela paz mundial e, ao mesmo tempo, não conseguem ser pacientes com o próximo e caluniam e desprezam outras pessoas, não terão paz; ao contrário, terão perturbação e toda a tristeza e dor que dela advêm! Quando o alimento é levado à boca pela mão, mastigado e engolido, a sua essência se espalha por todas as partes do corpo. Similarmente, se as mãos estiverem empenhadas em atos que promovem a paz, e a língua em orações pela paz, por esses dois meios a essência da paz se propagará pelas partes do mundo, que não é senão o corpo do Senhor. (Prashanti Vahini, cap. 16)

Sri Sathya Sai Baba