Pensamento para o dia - outubro 2019

1° de outubro de 2019

“O festival de Dásara homenageia a vitória dos deuses (devas) sobre os demônios (asuras) – das forças da retidão sobre a forças do mal. Eles foram vitoriosos porque o Aspecto Dinâmico da Divindade (Parashakti), o Poder que elaborou Deus em toda esta variedade e beleza, veio em seu socorro e lutou por eles. Uma companhia sagrada como esta ajuda a despertar o desejo de conhecer a si mesmo, de conhecer a verdadeira natureza do mundo à nossa volta e saber como descobrir e experimentar a unidade de ambos, expressa na máxima védica ‘Tu és Aquilo’. Foi através da influência sutil das companhias com quem conviveu, que Narada, o filho de uma empregada, transformou-se no mais conhecido praticante e expoente do caminho da devoção (bhakti-marga); que Valmiki, um ladrão das estradas, transmutou-se em um grande santo e notável poeta; e que muitos pecadores conheceram o caminho do arrependimento e da redenção.” (Discurso Divino, 26 de setembro de 1965)

Sathya Sai Baba

2 de outubro de 2019

“A vida de cada criança é influenciada em grande medida pelas qualidades dos pais. O cuidado amoroso da mãe Jijabai fez de Shivaji um grande guerreiro. Gandhi tornou-se um Mahatma por causa de sua piedosa mãe Putlibai. Ela observava um voto rigoroso, de sempre aguardar pelo canto do cuco antes de se alimentar. Um dia, ela esperou um longo tempo pelo cantar do cuco sem comer. O jovem Gandhi não conseguiu suportar ver sua mãe jejuar por tanto tempo. Então, ele saiu de casa e imitou o pio do cuco. Em seguida, entrou em casa e disse: ‘Mãe, por favor, coma agora, já que ouvimos o cuco’. Incapaz de esconder a decepção pela mentira de seu filho, ela deu um tapa em Gandhi e lamentou: ‘Que pecado cometi para que um mentiroso nascesse como meu filho?!’ Gandhi imediatamente se arrependeu e pediu perdão a ela. Ele prometeu jamais dizer uma mentira e viveu pela verdade até o fim.” (Discurso Divino, 23 de novembro de 2003)

Sathya Sai Baba

3 de outubro de 2019

“Quando as forças da injustiça, imoralidade e falsidade crescem até assumir proporções monstruosas e se deliciam numa dança da morte, quando o egoísmo e o interesse pessoal estão em evidência, quando homens e mulheres perderam todo o senso de gentileza e compaixão, o princípio Átmico, assumindo a forma do Divino, surge para destruir os elementos malignos. Este é o significado interno do festival de Dásara. Cada pessoa deve decidir por si mesma se é Ravana ou Rama, conforme as qualidades que manifeste no seu dia-a-dia. Quem é Ravana e quais são suas dez cabeças? Luxúria (kama), ira (krodha), apego (moha), ganância (lobha), orgulho (mada), inveja (matsarya), mente (manas), intelecto (buddhi), vontade (chitta) e ego (ahamkara): essas são as dez cabeças. A arrogância é um demônio. Maus pensamentos são demônios. Rama é o destruidor das más qualidades. Durante os dez dias do Dásara, você deve orar a Deus para que destrua todos os traços perversos presentes em você.” (Discurso Divino, 18 de outubro de 1991)

Sathya Sai Baba

4 de outubro de 2019

“Encarnação do Amor Divino! Não dê margem a dúvidas que possam surgir devido aos alimentos que você consome, à companhia que mantém ou ao ambiente em que vive. Enfrente as dúvidas com coragem e fé. Para começar, livre-se das impurezas em você, fortaleça sua devoção e torne-a firme e inabalável. Esse é o esforço que todos devem fazer (purusha prayatna). Então, automaticamente você ganhará a graça de Deus (daiva anugraha). Não ore a Baba para transformar sua mente. É seu dever mudar sua mente e se manter focado. Se você esperar que Baba faça tudo, qual será sua contribuição? Cumpra sua disciplina espiritual (sadhana) com fé constante, regular e intensamente. A ajuda de Deus virá automaticamente quando você fizer sua parte. Cumpra com seu dever e deixe os resultados para Deus. Trilhando nesse caminho da verdade, percorrendo o caminho da sabedoria espiritual (jñana), você não deve parar até fundir-se no Divino.” (Discurso Divino, 6 de outubro de 1992)

Sathya Sai Baba

5 de outubro de 2019

“O Navaratri é comemorado em homenagem à vitória que a Deusa do Poder Divino (Parashakti) alcançou sobre as forças do mal, conforme descrito no Devi Mahatmyam e Devi Bhagavatam. Essa Energia Divina Primordial, quando se manifesta em seu aspecto puro e gentil (sátvico), é delineada como a grande professora e inspiradora, Maha-Saraswati. Quando se manifesta no aspecto ativo e potente (rajásico), é a grande provedora e sustentadora, Maha-Lakshmi. Quando se manifesta no aspecto da inércia (tamásico), mas latente como a grande destruidora e enganadora das trevas, Ela é Maha-Kali. Por meio da disciplina espiritual (sadhana) sistemática, é possível explorar os recursos internos concedidos por Deus e se elevar ao reino mais puro e feliz da Realidade. Essa Deusa do Poder Divino (Parashakti) está em todos como a energia espiritual adormecida (Kundalini Shakti), que é capaz de destruir as más tendências dentro da mente quando despertada. Portanto, dedique este Navaratri para honrar a onisciente Deusa Mãe e viver em paz e felicidade.” (Discurso Divino, 4 de outubro de 1967) 

Sathya Sai Baba

6 de outubro de 2019

“O festival Navaratri é comemorado para proclamar ao mundo o poder das deusas. A suprema Energia (Shakti) se manifesta na forma de Durga, Lakshmi e Saraswati. Durga nos concede as energias física, mental e espiritual. Lakshmi nos concede riqueza de muitos tipos, não apenas monetária, mas a riqueza de caráter e muito mais. Até mesmo a saúde é riqueza. Saraswati nos concede a inteligência, a capacidade de investigação intelectual e o poder de discernimento. A própria mãe de uma pessoa é uma combinação de todos esses Seres Divinos. Ela nos fornece energia, riqueza e inteligência. Ela deseja constantemente o nosso progresso na vida. Então ela representa todas as três deusas que adoramos durante o festival de Navaratri. A vida de uma pessoa que não pode respeitar e amar sua mãe é desprezível. Reconhecendo a mãe como a própria personificação de todas as forças divinas, é preciso mostrar reverência a ela e tratá-la com amor. Esta é uma mensagem importante que o Navaratri, o festival das nove noites, nos dá.” (Discurso Divino, 14 de outubro de 1988)

Sathya Sai Baba

7 de outubro de 2019

“Não há obrigação de se ter um altar externo para rituais (yajña) como aqui. Você deve, apenas, estar atento à pureza das palavras que profere ou ouve e das ações em que se envolve. De fato, seu coração é o altar cerimonial. Seu corpo é a lareira. Seu cabelo é a grama sagrada (darbha). Suas aspirações são o combustível que alimenta o fogo. Seu desejo é a manteiga que é derramada no fogo para fazê-lo explodir em chamas. A raiva é o animal sacrificial. O fogo é a penitência (tapas) que você realiza. Às vezes, as pessoas entendem penitência como práticas ascéticas, como ficar de pé em uma perna ou sobre a cabeça. Não, penitência não é o mesmo que mortificações físicas. Penitência é a organização completa e correta de pensamento, palavra e ação. Quando isso for alcançado, o esplendor do fogo se manifestará.” (Discurso Divino, 2 de outubro de 1981) 

Sathya Sai Baba

8 de outubro de 2019

“Você pode ter estudado muitos textos sagrados e ouvido muitos discursos. Você também pode ter tido a visão (darshan) de pessoas santas e piedosas. Para que servem? Devido ao efeito de alimentos não sagrados e má companhia, todos os seus bons pensamentos foram vencidos. Os bons pensamentos só poderão se manifestar quando você se livrar dos maus pensamentos. Cada um de vocês deve fazer esforços conscientes para dissipar os maus pensamentos. Da mesma forma que você abre a porta de sua casa apenas para familiares e amigos, e não para cães de rua, tampouco deve permitir que sentimentos e pensamentos perversos entrem em sua mente. Hoje é o auspicioso Vijayadashami. Esta é a conclusão (samapti) do sagrado festival de Navaratri. Samapti é aquilo que confere merecimento (prapti) de todas as maneiras possíveis. Manifestações do Amor! Nesta ocasião sagrada e santa, Eu desejo que cada um de vocês faça um juramento para descobrir todos os vícios que sabe que estão presentes dentro de si e abandoná-los!” (Discurso Divino, 1 de outubro de 1998)  

Sathya Sai Baba

9 de outubro de 2019

“Muitas pessoas consideram todos os atos de adoração como ‘d’Ele’ e todos os atos de ganhos e gastos como ‘meus’. Mas isso é um erro! Não existe tal distinção entre as ações. Toda ação (karma) ou leva você a Deus (Madhava) ou para longe d’Ele! Todas as ações são d’Ele! Quando você diz que está doente ou bem de saúde, você sente que o corpo é ‘você’, enquanto, na verdade, você é apenas o Atma, com os cinco envoltórios sobrepostos. Qual é a utilidade da civilização moderna, que induz seu povo a flutuar na corrente que arrasta a humanidade ao medo, à ansiedade e ao desespero? A educação moderna só ensina que a felicidade (ananda) é obtida por meio dos sentidos. Não há treinamento na arte de adquirir paz mental. Não está mais que na hora de você começar a aprender que a fonte eterna de felicidade está presente dentro de você mesmo?” (Discurso Divino, 18 de outubro de 1963)

Sathya Sai Baba

10 de outubro de 2019

“A história de Rukmini Kalyana não é simplesmente a história de um casamento. É a união do Espírito Supremo (Purusha) com a criação, com o mundo objetivo (Prakriti). Rukmini é o ser individual (jiva) e Krishna é o Ser Supremo (Paramatma). Rukmini sofria das regras e restrições impostas pelo mundo objetivo. O egoísmo é seu irmão e a mundanidade é seu pai. Apenas pense neste fato: Rukmini nunca encontrou Krishna antes do casamento, porém, sua alma ansiava intensamente pelo Senhor. Com sinceridade e boa conduta, ela buscou refúgio em Deus. Seus pais, irmão e todos os parentes se opuseram, mas todo indivíduo nasce para descobrir seu destino, não para desempenhar um papel no drama de outra pessoa. Cada um nasce para cumprir sua própria sentença e, ao final, estará liberto. Ninguém permanece na prisão sob o pretexto de que um camarada querido ainda esteja lá dentro! As orações, arrependimento, anseio e firmeza de Rukmini foram amplamente recompensados e o Senhor se apressou para aceitá-la!” (Discurso Divino, 28 de outubro de 1963) 

Sathya Sai Baba

11 de outubro de 2019

“Fé: esse é o próprio sopro da vitória! Fé em si mesmo, fé na boa obra em que se engajou e fé em seu sucesso, apesar dos sinais de fracasso. Seja bom, seja útil, seja gentil, seja temente a Deus, pois assim você ganhará a confiança de todos! Apego e ódio são os maiores inimigos do progresso em qualquer tipo de trabalho. Se alguém se ilude acreditando que está salvando outros, então coitado dele, pois não há outros, de forma alguma! Todos são um, a tristeza de uma pessoa é a tristeza de todos. A ignorância da humanidade é a falha fundamental. Se você fosse sábio, saberia que todos os indivíduos são ondas na superfície do mesmo oceano. Ação altruísta é o ideal que você deve buscar. O desejo de ganhar é como presas venenosas. Quando você as remover, a serpente do karma (ação) ficará inofensiva e suas ações se tornarão uma oferenda digna (nishkama karma)!” (Discurso Divino, 15 de setembro de 1963) 

Sathya Sai Baba

12 de outubro de 2019

“A morte vem arrebatando como o falcão que ataca as galinhas que ciscam no chão. Como posso receber você de volta em Mim? Eu conheço seu passado e presente, crime e punição, conquistas e recompensas. Não sou afetado de maneira alguma pela chegada ao mundo de alguns ou pela partida dele de outros. Realizo o que é justo e correto, às vezes modificado pela Minha graça. Vivam na verdadeira natureza do Eu (Atma tatwam), pois isso garantirá paz (shanti). Com o veneno do apego e do ódio dentro de vocês, como poderão ser saudáveis? Se vocês experimentarem a verdadeira natureza do Eu, vocês se tornarão a própria Divindade (Bhagavan). É por isso que Me dirijo a vocês como personificações do Divino Atma (Divyatma swarupulara). Cada um de vocês deve se transformar para se tornar Bhagavan, fundindo sua alma individual separada (jiva) no Oceano do Atma Universal. Minha natureza é a bem-aventurança eterna. Vocês devem experimentar a felicidade seguindo Minhas instruções e praticando Meus ensinamentos.” (Discurso Divino, 18 de outubro de 1963)

Sathya Sai Baba

13 de outubro de 2019

“Cantos devocionais (bhajans) sempre produzem bem-aventurança e paz. Fique atento para que eles não sejam usados para aumentar seu egoísmo, recriminação mútua, inveja ou orgulho, como muitas vezes acontece. Seja humilde, seja calmo, seja tolerante. Coopere com todos e trate todos com cortesia e bondade. A devoção não é um uniforme para ser usado nas noites de quinta-feira, quando vocês se reúnem para os bhajans, e que deve ser deixado de lado quando terminam. Ela deve significar a promoção de uma atitude de humildade, de reverência aos pais, professores, anciãos e outros. É uma postura mental, uma atitude sempre presente. É o sustento do coração, assim como o alimento é o sustento para o corpo. Como a agulha da bússola sempre apontando para o norte, nunca se desviando dessa direção e retornando a ela, prontamente, alegremente, rapidamente, sempre que é afastada dessa linha, também o devoto deve mirar o Senhor sempre, deve ser feliz somente quando está focado n’Ele.” (Discurso Divino, 15 de dezembro de 1963)

Sathya Sai Baba

14 de outubro de 2019

“A verdadeira igualdade entre as pessoas deve ser alcançada não pela distribuição igualitária de ganhos materiais, mas pelo cultivo do amor altruísta, que promove a percepção da Divindade, que é inerente a todos os seres. Olhe além do materialismo, para o Ser Supremo, que é o provedor de todas as coisas. Quando você reconhecer o Uno como presente em todos os seres e respeitar a todos como uma manifestação do Divino, alcançará o verdadeiro sentido de igualdade. Internalize o fato de que esse corpo foi dado a você para realizar serviço altruísta. Entenda também que nada na criação se destina ao uso exclusivo de qualquer pessoa. Devemos, assim, descartar o sentimento: ‘Estas coisas foram dadas para meu uso exclusivo, então são minhas’. Sábios antigos enfatizaram a importância do Karma Yoga, ou seja, o cumprimento de seus deveres na vida em espírito de dedicação. Através do Karma Yoga, você deve alcançar o controle dos sentidos e desenvolver as qualidades do amor universal, tolerância e compaixão.” (Discurso Divino, 11 de dezembro de 1985)

Sathya Sai Baba

15 de outubro de 2019

“Uma pessoa pode se intitular um grande devoto ou cientista, mas, sem espírito de sacrifício, não há grandeza. Serviço (seva) é o sal que dá sabor à vida. O espírito de sacrifício transmite fragrância à vida. Pode-se viver por 60, 70 ou 80 anos. No entanto, esses anos não terão sentido, a menos que sua vida tenha sido dedicada ao aprimoramento de seu caráter e à prestação de serviço devotado aos outros. Você não deve aspirar a edifícios, cargos ou indústrias. Um bom caráter é a maior riqueza que você pode adquirir. Mais vital que os cinco pranas (energias vitais) são sathya (Verdade), dharma (Retidão), shanti (Paz), prema (Amor) e ahimsa (Não violência). Esses são o alento vital para todos. Dentre esses, o maior é prema. Preencha-se de amor. O amor deve se expressar como serviço à sociedade. Considere que existimos para a sociedade e a sociedade existe para o bem de todos. Santifique sua vida prestando serviço e espalhando felicidade e conforto por toda parte.” (Discurso Divino, 11 de dezembro de 1985)

Sathya Sai Baba

16 de outubro de 2019

“Embora Deus habite em todas as pessoas, esse fato permanece latente como o óleo na semente de mostarda. Para manifestar Deus dentro de você, você deve passar por certos testes e tribulações. O amor por Deus deve crescer como resultado de experiências adversas. Assim como o ouro aumenta seu brilho quanto mais é aquecido no cadinho, sua devoção precisa passar por um processo contínuo de purificação. Hoje em dia, todos os pensamentos e ações estão poluídos de uma maneira ou de outra. Seus pensamentos, visão e palavras estão contaminados. Os jovens devem procurar se tornar um exemplo ideal para o mundo. Para esse propósito, eles devem cultivar boa companhia, isto é, a companhia de pessoas cheias de Amor Divino. Diferentemente das eras anteriores, as pessoas hoje fingem ser o que não são. Elas têm que se livrar de seus instintos animais e progredir do humano para o Divino.” (Discurso Divino, 21 de agosto de 1992)

Sathya Sai Baba

17 de outubro de 2019

“O estudo das escrituras pode reforçar os impulsos espirituais que já existem em você e induzi-lo a praticar os preceitos. Não trate o aprendizado obtido delas como alimento para o cérebro. Ele deve ser transformado em felicidade (ananda) para o indivíduo. Inveja, pompa, egoísmo: tais traços negativos devem ser eliminados do indivíduo. A fonte da sabedoria é o Guru, a alma (Purusha) latente em você. Esse tesouro espiritual também pode ser obtido de outros. No entanto, o doador deve possuir realizações supremas e o destinatário deve possuir o mérito especial para merecer a conquista. A semente pode ter vida em si, mas o solo deve ser arado e ajustado para ativá-la. Quando ambas as condições forem satisfeitas, a colheita do sucesso espiritual estará garantida. Lembre-se, o verdadeiro guru rouba seu coração, não sua riqueza!” (Sathya Sai Vahini, Capítulo 13)

Sathya Sai Baba

18 de outubro de 2019

“Todos devem levar suas vidas de tal forma que nenhuma dor seja infligida a qualquer coisa viva. Esse é o dever supremo de todos. Além disso, é dever primordial de todos os que tiveram a chance deste nascimento humano, ocasionalmente, guardar parte de suas energias para oração, repetição do nome do Senhor, meditação, etc. Todos devem concordar em viver na verdade, retidão, paz e realizar boas obras de serviço aos outros. Uma pessoa deve ter tanto medo de praticar atos prejudiciais ou ações maldosas contra os outros, quanto tem de tocar no fogo ou perturbar uma cobra. É preciso ter tanto apego e firmeza na realização de boas obras, na busca da felicidade de outras pessoas e na adoração ao Senhor, quanto se tem hoje na acumulação de ouro e riquezas. Este é o dever (dharma) de todos os seres humanos.” (Prema Vahini, Capítulo 65)

Sathya Sai Baba

19 de outubro de 2019

“A reconstrução da humanidade sobre fundamentos morais é, atualmente, um problema universal. Em todos os países, a ênfase está no padrão de vida, não no modo de vida. Uma vez que você se volte para o caminho da felicidade mundana, será levado a ainda maiores descontentamentos, competição, orgulho e ciúmes. Pare só por um momento e examine sua própria experiência: se você fica mais feliz ao se tornar mais rico e se obtém mais paz à medida que seus desejos são satisfeitos. Assim, você testemunhará a verdade de que um padrão de vida superior não é garantia de felicidade. Lembre-se de que educação, domínio da informação e aquisição de habilidades não são garantias de equanimidade mental. De fato, você descobrirá que os instruídos em todos os lugares são mais descontentes e mais competitivos do que os sem instrução. Portanto, o restabelecimento da retidão (dharma) –  que é a tarefa do Avatar – é tão urgente em outras partes do mundo quanto na Índia.” (Discurso Divino, 23 de abril de 1961)

Sathya Sai Baba

20 de outubro de 2019

“Não pode haver guirlanda sem o barbante que atravessa as flores. Não pode haver pessoa sem o parentesco interno, que Deus assegura para cada um. Ele é o barbante divino (Brahmasutra), invisível, mas inevitável. Quando se enche com ar um balão, ele explode e o ar dentro dele se funde com a vasta extensão ilimitada do lado de fora. A expansão é o coração da educação. Seu amor deve expandir e encher seus lares, a sociedade e, finalmente, romper esses laços e se fundir com todo o mundo. Uma gota de água na palma da mão evapora rapidamente, pois está sozinha. No entanto, jogue-a no mar e ela sobreviverá como parte do mar, assumindo o nome, o sabor, a majestade e a força do mar! Cultive o Amor. Semeie as sementes do amor em todos os corações. Regue o amor nas areias do deserto. Que brotos verdes, lindas flores, doce colheita do néctar de alegria, paz e felicidade sejam conquistados por todos os seres. Esse é o Meu Desejo, Minha Missão, Meu Voto.” (Discurso Divino, 25 de julho de 1975)

Sathya Sai Baba

21 de outubro de 2019

“Apenas reflita sobre isto por um minuto: como e por que homens e mulheres esqueceram sua divindade inata? Como eles caíram nessa ilusão de pequenez? Pergunte dessa maneira e então você descobrirá que isso deve ser o resultado da mente correndo atrás de prazeres momentâneos. Qual é então o remédio? Hoje em dia, um domínio sobre montanhas de informação foi alcançado pelas pessoas, porém a sabedoria ficou para trás! Portanto, sua capacidade de investigar e progredir no reino do Universal e do Absoluto deve ser desenvolvida. O segredo do sucesso nessa jornada é apenas uma palavra: adoração! Faça tudo como adoração. ‘Você se torna aquilo que sente (Yat bhavam tat bhavati)’. Você só pode sentir o Divino se provar o sabor do amor do Divino. O Divino encarna como humano (Avatar) para lhe dar um gostinho desse doce amor, para que o anseio pelo Senhor seja firmemente implantado em seu coração.” (Discurso Divino, 24 de novembro de 1961)

Sathya Sai Baba

22 de outubro de 2019

“Se você olhar para o sol por um segundo e depois olhar para outras coisas ao redor, verá que há uma mancha escura sobre elas e que não pode identificá-las. Da mesma forma, uma vez que você tenha uma visão de Deus, que é mais refulgente que mil sóis, não poderá mais reconhecer a multiplicidade chamada natureza (prakriti). O mundo estará preto e bloqueado. De fato, você não pode mais reconhecer ou lidar com a variedade depois de ter uma visão da Unidade básica. Observe a tela no cinema. Quando o filme está no ar, você não vê a tela, vê apenas as imagens. Quando o filme terminar, você verá apenas uma tela, uma tela que não tem mensagem, nem voz, nem nome, nem forma, nem cor, nem credo. A tela inteira se perdeu na imagem. A tela é Brahman. Brahman é Verdade (sathyam). O universo é Brahman. Isso é Ser (sat). Isso é consciência (chit). Ter conhecimento sobre isso e lidar com ambos é Bem-aventurança (anandam).” (Discurso Divino, 22 de outubro de 1961)

Sathya Sai Baba

23 de outubro de 2019

“Existem três tipos de pessoas: (1) Descrentes, que consideram os objetos mundanos como reais. (2) Aquelas que acreditam em uma vontade por trás de tudo o que veem e experimentam, e reverenciam essa vontade. Essas pessoas tentam entender essa vontade e aderir a ela, e não ir contra ela. (3) Aquelas que perceberam que o mundo objetivo tem apenas valor relativo. Os dois últimos tipos não culparão ninguém, incluindo o Senhor, por seus males e dores. Enquanto o filho ou a filha for menor de idade, não terá direito à sua parte no patrimônio dos pais. Enquanto as suas práticas espirituais não são fortes o suficiente para traçar o seu próprio destino, você sofre e luta. Quando você diz ‘eu, eu, eu’, você está por sua conta, pode até tropeçar e cair. Diga: ‘Não eu, mas Você’, então todas as coisas lhe serão acrescentadas! Os resultados das ações passadas simplesmente desaparecerão como a neblina diante do sol, quando você clamar ao Senhor!” (Discurso Divino, 24 de novembro de 1961)

Sathya Sai Baba

24 de outubro de 2019

“Certa vez, Krishna fingiu sofrer de uma dor de cabeça insuportável. Com compressas quentes enroladas em Sua cabeça e sobre Seus olhos vermelhos, Ele rolou inquieto na cama. As rainhas Rukmini e Satyabhama experimentaram muitos remédios, que foram ineficazes. Junto com Narada, elas consultaram o Senhor Krishna, que os instruiu a trazer a poeira dos pés de um verdadeiro devoto! Imediatamente, Narada se manifestou junto a alguns devotos célebres, mas eles eram humildes demais para oferecer a poeira dos seus pés para ser usada como um remédio pelo Senhor! Narada voltou decepcionado. Krishna perguntou: ‘Você perguntou às gopis (pastoras)?’ Descrente, Narada se apressou. Quando as gopis ouviram o pedido, sem pensar duas vezes, sacudiram a poeira dos pés e encheram as mãos! Mesmo antes de Narada chegar a Dwaraka, a dor de cabeça de Krishna havia desaparecido! O Senhor encenou esse drama de cinco dias para ensinar que a autocondenação também é egoísmo e que, quando o ego se afasta, você não se sente superior nem inferior; além disso, um devoto deve obedecer à ordem do Senhor sem hesitar.” (Discurso Divino, 7 de julho de 1963)

Sathya Sai Baba

25 de outubro de 2019

“Realizem ações (karma) baseadas na sabedoria espiritual de que tudo é Um! Que elas sejam impregnadas de devoção, humildade, amor, compaixão e não violência. Se a devoção não estiver cheia de sabedoria espiritual, ela será leve como um balão, que é carregado por qualquer rajada de vento. A mera sabedoria deixará seu coração seco; a devoção o torna suave com empatia, e a ação (karma) dá às mãos algo para fazer, algo que santificará cada minuto de suas vidas. É por isso que nos referimos à devoção como upasana, que também significa ‘morar perto’, sentir a Presença e compartilhar a doçura da Divindade. O anseio por upasana impulsiona vocês a sair em peregrinação, a construir e renovar templos, a consagrar imagens e a oferecer a adoração prescrita. Tudo isso é karma de alta ordem, e os conduzirá à sabedoria espiritual. Primeiro, vocês começam com a ideia: ‘eu estou na Luz’. Em seguida, sentem que ‘a Luz está em mim’, o que os leva à convicção de que ‘eu sou a Luz’. Essa é a sabedoria suprema!” (Divino Discurso, 7 de julho de 1963)

Sathya Sai Baba

26 de outubro de 2019

“Nenhum outro elemento neste mundo é tão significativo quanto a luz. É a luz que mostra o caminho, ao dissipar a escuridão. Somente com a ajuda da luz é possível cumprir os deveres diários. A chama de uma lamparina possui duas qualidades significativas. Uma é expulsar a escuridão; a outra é seu movimento ascendente contínuo. Mesmo se uma lamparina for mantida em um buraco, a chama se voltará para cima. Todos os festivais indianos possuem um significado interno sagrado, para lembrar as pessoas de sua Divindade inata e imanente. O movimento ascendente da chama, como dito pelos antigos, deve lembrá-los do caminho para a sabedoria e a Divindade! A luz dissipa a escuridão externa. Para dissipar a escuridão da ignorância interna, vocês precisam do recipiente da renúncia (vairagya), do óleo do amor, do pavio da concentração focada e do fósforo do princípio da sabedoria espiritual (tatva jñana). Só é possível acender a lamparina da sabedoria de posse desses quatro elementos.” (Divino Discurso, 19 de outubro de 1998)

Sathya Sai Baba

27 de outubro de 2019

“O Navaratri é celebrado para comemorar a vitória do divino sobre o demoníaco, através da intercessão de Mahashakti (energia divina) como a deusa Chandi, Durga ou Kali. O Dipavali comemora a vitória das influências santificantes sobre as degradantes, da virtude sobre o vício, do impulso ascendente que leva ao Céu sobre o impulso que arrasta para o inferno; isso é simbolizado pela vitória de Krishna e Satyabhama sobre Narakasura. A Verdade (sathya) sempre derrotará as forças da falsidade. Este é o significado interno de Satyabhama como instrumento usado pelo Senhor para destruir Narakasura. Quando Narakasura é destruído, ou seja, quando se derrotam os seis inimigos do ser humano – luxúria, ira, cobiça, apego, orgulho e inveja –, que o arrastam para a queda, então a chama da sabedoria brilha com clareza, fulgor e beleza. Para demonstrar esta verdade, no dia de Dipavali, lamparinas (dipas) são acesas e enfeitam todas as casas, dissipando a escuridão que é o lar do mal e do vício.” (Discurso Divino, 11 de novembro de 1966)

Sathya Sai Baba

28 de outubro de 2019

“Não há verdade (satyam) sem bondade (sivam); não há bondade sem beleza (sundaram). Só a verdade pode conferir auspiciosidade, e esta é a única beleza real. Verdade é beleza, alegria é beleza. Falsidade e tristeza são feias porque não são naturais. O esplendor da Verdade revelará a bondade. Pratique ações (karma) aprovadas pela sabedoria mais alta, não ações nascidas da ignorância. Então todo karma será auspicioso, benéfico e abençoado. Um cão, preso num quarto cujas paredes são espelhos, não vê a si mesmo nos seus muitos reflexos, mas rivais e competidores, outros cães a quem ameaça com seus latidos. Assim, ele se esgota, pulando nos reflexos e, quando as imagens pulam de volta, enlouquece de fúria! O indivíduo sábio, porém, vê seus próprios reflexos e fica em paz, fica feliz ao ver tantos reflexos de si mesmo à sua volta. Esta é a atitude que vocês precisam adquirir e que os salvará da inútil aflição.” (Discurso Divino, 7 de julho de 1963) 

Sathya Sai Baba

29 de outubro de 2019

“Sem rendição não pode haver liberação. Enquanto você se apegar ao pequeno ‘eu’, as quatro paredes da prisão se estreitarão sobre você. Apague o ‘eu’ e estará livre. Como matar o ‘eu’? Entregue-o aos pés do Senhor e diga: ‘Você! Não eu’. Assim ficará livre do fardo que o está esmagando. Associe-se sempre com Niranjana – o vasto, o ilimitado, o Divino. Sonhe, planeje e trabalhe para fundir-se com o Absoluto! Transcenda todos os obstáculos, fixando sua mente em sua própria infinitude. Não condene sua mente como um macaco; ela é um excelente instrumento, capaz de ajudá-lo a se libertar ou a manter-se cativo – depende de como você a utiliza. Ela executará suas ordens até o mais ínfimo detalhe e poderá conduzi-lo através da estrada real até os portões da realização! Ou poderá levá-lo a becos sem saída! Use-a sabiamente!” (Discurso Divino, 24 de maio de 1962)

Sathya Sai Baba

30 de outubro de 2019

“Diamante corta diamante. Espinho pode remover espinho. Karma cura karma. O karma, que é considerado a causa das dualidades (tristeza-alegria, dor-prazer, nascimento-morte), também proporciona a liberação das cadeias da dualidade. Karma produz prisão tanto quanto liberação. O Sol nasce; este ato faz desabrochar as pétalas da flor de lótus, mas fecha as pétalas do lírio-d’água (kumuda)! O Sol se põe; este ato faz os homens de bem correrem para casa, para a companhia de suas famílias, mas faz os homens perversos saírem de suas tocas para os lugares onde buscam seu deleite. Quando a palma da mão bate na mridanga, cria um som agradável ao ouvido. Quando atinge uma lata vazia, o som fere o ouvido. Saiba que o karma arruína ou salva com base naquilo que você escolhe fazer. Qual é a natureza do karma que salva? Ser fiel a Deus (Sivam), como fez o garoto Markandeya. Assim, você pode despistar a morte e conquistar alegria eterna.” (Discurso Divino, 26 de novembro de 1967)

Sathya Sai Baba

31 de outubro de 2019

“Do mesmo jeito que existem qualificações mínimas para cada profissão, a qualificação mínima para a Graça é a rendição do egoísmo, o controle sobre os sentidos, a alimentação e a recreação bem regradas (ahara e vihara). O indivíduo se realiza ou se arruína através da companhia que mantém. Um indivíduo de natureza perversa que se associe a boas companhias é capaz de abandonar suas más tendências rapidamente e ser um exemplo de virtude. No entanto, um indivíduo bom que ande em más companhias será sobrepujado pela influência sutil e resvalará para o mal. O menor é dominado pelo maior. Uma gota de leite azedo transforma o leite em coalhada; separando a gordura do soro. Os livros sagrados são igualmente valiosos para este processo de transmutação, mas não basta apenas ler, memorizar ou recitá-los. Eles devem ser compreendidos, ser objeto de reflexão e as lições aprendidas ou deduzidas devem ser aplicadas na prática diária.” (Discurso Divino, 27 de setembro de 1965)

Sathya Sai Baba

© © 2016-2020 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.