Pensamento para o dia - julho 2020

1° de julho de 2020

“Muitas vidas podem ser necessárias até uma pessoa provar que sabe o que é melhor para ela, que é capaz de delinear o seu próprio futuro sem fazer mal a si mesma ou aos outros, e que tem consciência das armadilhas ao longo do caminho. Por isso, o melhor é confiar na experiência dos sábios, que eram repletos de compaixão e foram movidos por essa compaixão a iluminar o caminho da libertação. Essa experiência está guardada como um tesouro nas Escrituras (Vedas). A fé nos Vedas irriga o coração e faz brotar nele o amor universal. Os textos espirituais (Shastras) advertem contra os passos em falso, consolam em momentos difíceis, fortalecem diante das angústias, e dão interpretações corretas aos dilemas morais. Eles prescrevem a roupa, a alimentação, a maneira de se falar, as formas de conduta social, o modo de comportamento entre as pessoas, as linhas para se seguir adiante. Eles são a consciência da sociedade.” (Divino Discurso, 25 de janeiro de 1963)

Sathya Sai Baba

2 de julho de 2020

“A limpeza interna, ou seja, manter a mente e o intelecto serenos e sagrados, livres da sujeira, é algo muito importante para o buscador espiritual. Quando os pensamentos e sentimentos são impuros e agitados, você não pode estar calmo e feliz. Quando a mente está poluída, as reações ficam poluídas. Para manter a mente limpa, você deve analisar compassivamente as situações que envolvem os outros e suas atividades, e então decidir como reagir a elas. Não se apresse em tirar conclusões. Seguir as reações dos outros não é desejável. O indivíduo só deve decidir por agir após discernimento e indagação inteligentes. ‘Alguns estão fazendo isto, então também faremos’ — essa atitude é inferior e degradante, é um sinal de fraqueza. Ela é consequência da ignorância básica. As ovelhas comportam-se dessa maneira. Os que nascem como seres humanos, movendo-se como pessoas educadas, devem evitar seguir estupidamente os outros como ovelhas e poluir as mentes com ideias emprestadas dos lábios dos outros.” (Vidya Vahini, cap. 16)

Sathya Sai Baba

3 de julho de 2020

“Seu tempo não deve ser usado somente na tarefa de coletar informação e obter certas habilidades que lhe proporcionarão um salário do qual viver; ele também deve ser usado para se obter a arte de ser contente e calmo, controlado e corajoso. Você deve também cultivar uma sede ardente por conhecer a verdade do mundo e de seu próprio Ser. Que suas palavras sejam como mel; e seus corações tão macios quanto a manteiga! Que sua visão seja como uma lâmpada, que ilumina e não confunde. Seja como o árbitro em um campo de futebol, que assiste o jogo e o julga, segundo as regras estabelecidas, não afetado pelo sucesso de um time ou o revés do outro! Lembrem-se, vocês todos são peregrinos, caminhando por esta ‘terra da ação’ (karma kshetra) em direção à meta da ‘terra da retidão’ (dharma kshetra). Sejam humildes e fortes para resistir às tentações. Não abaixem a cabeça como covardes diante das insinuações dissimuladas dos sentidos.” (Divino Discurso, 13 de março de 1964)

Sathya Sai Baba

4 de julho de 2020

“Ame por Amor; não o manifeste por objetos materiais ou pela realização de desejos mundanos. O desejo gera raiva, a raiva provoca o pecado e, sob seu impacto, amigos são vistos como inimigos. A raiva está na raiz de todo tipo de calamidade. Portanto, não se torne vítima dela. Trate todos, quem quer que sejam, com a toda-abarcante compaixão do Amor. Essa empatia construtiva deve se tornar a reação espontânea de toda a humanidade. Sature cada respiração, enquanto inala e enquanto exala, com Amor. Sature todo momento com Amor. O Amor não conhece o medo. O Amor rejeita a falsidade. O medo leva o ser humano à falsidade, à injustiça e ao mal. O Amor não busca elogio; essa é sua força. Somente aqueles que não possuem Amor buscam recompensa e reputação. A recompensa pelo Amor é o próprio Amor. O Amor altruísta é o mais elevado dever, a mais nobre santidade.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sathya Sai Baba

5 de julho de 2020

“Purnima significa lua cheia refulgente. Guru significa (Gu - ignorância; Ru - destruidor) Ele, que remove a escuridão e a ilusão do coração e o ilumina com Sabedoria Superior. A lua e a mente estão interrelacionadas como objeto e imagem. Hoje, a lua está cheia, clara e refrescante, sua luz é fresca, agradável e pacífica. Portanto, a luz da mente também deve ser agradável e pura. No firmamento do seu coração, a lua é a mente. Existem nuvens espessas e pesadas, desejos sensuais e atividades mundanas, que estragam sua alegria na luz da lua. Portanto, dê as boas-vindas à forte brisa do Amor para espalhar as nuvens e conferir a você a refrescante glória do luar. Quando a devoção brilha por completo, o céu no coração se torna uma tigela de beleza e sua vida é transformada em uma encantadora avenida de Ananda. Essa beleza do coração, essa Ananda (bem-aventurança), deve ser conquistada através da mente, envolvendo-se no Sadhana (prática espiritual).” (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sathya Sai Baba

6 de julho de 2020

“Para um ato ser digno de ser oferecido a Deus e puro o suficiente para obter Sua Graça, ele deve manifestar Amor. Quanto mais luminosa é essa manifestação, mais perto você está de Deus. Prema (Amor) não deve ser modificado por considerações de casta, credo, religião, etc.; ele não pode ser manchado por inveja, malícia ou ódio. Proteja o Amor de ser envenenado por esses males; empenhe-se em cultivar um estado livre do ódio e sentimentos livres de discriminações. A raiz de todas as religiões, a substância de todas as escrituras, o encontro de todas as estradas, a inspiração de todos os indivíduos é o Princípio de Prema (Amor). Ele é o alicerce mais firme para a missão da sua vida. Ele é a Luz que garante paz e prosperidade ao mundo. Preencha cada palavra e ato seu com Amor. A palavra que emerge de sua língua não deve apunhalar como uma faca, nem deve ferir como uma flecha. Ela deve ser uma fonte de doce néctar, um suave caminho de flores, e deve derramar paz e alegria.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sathya Sai Baba

7 de julho de 2020

“A realidade é perceptível em todo lugar; é evidente ainda mais em você mesmo, quando você a procura com determinação. Você pode vivenciá-la até mesmo enquanto realiza, desinteressadamente, seu dever perante você e os outros. Indicarei a vocês hoje, quatro diretrizes para que santifiquem suas vidas e purifiquem sua mente e assim poderem contatar Deus em seu interior. Tyaja durjana samsargam (abandone a companhia dos maus); Bhaja sadhu samagamam (dê boas vindas à chance de estar com os bons); Kuru punyam ahoratram (faça boas ações dia e noite); e Smara nityam anityatam (lembre-se o que é eterno e o que não é). Quando a pessoa não busca se transformar dessa maneira, é provável que ela culpe Deus por suas tristezas ao invés de culpar sua própria fé instável! Tal pessoa culpa Deus porque ela se declara muito cedo como sendo um devoto e espera graça abundante. A Graça não pode ser reivindicada por elas; Deus deve aceitar o devoto como sendo Seu.” (Divino Discurso, 2 de julho de 1985)

Sathya Sai Baba

8 de julho de 2020

“Se vocês repetem ‘Deus, Deus’, mas admitem raiva, luxúria, ódio e inveja dentro de seus corações, vocês não podem se elevar à Divindade; vocês apenas cairão em direção ao demoníaco. Quando vocês estão ansiosos por colocar oferendas diante do Senhor, ao invés de materiais transitórios, deixem que sua oferenda seja o Amor. O Amor é o único código de conduta completo. O Amor não é uma mercadoria; não negociem seu preço. Deixem que ele flua puro do coração, como uma corrente de Verdade, um rio de sabedoria. Não deixem que ele emane da cabeça, nem da língua. Deixem-no emergir, pleno e livre, do coração. Este é o mais elevado dever de cada um de vocês, a mais nobre santidade. Comecem o dia com Amor. Vivam o dia com Amor. Preencham o dia com Amor. Passem o dia com Amor. Terminem o dia com Amor. Esse é o caminho para Deus.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sathya Sai Baba

9 de julho de 2020

“Adveshta sarva bhutanam (não tenha inimizade contra os seres vivos); Sarva bhuta hite ratah (sempre se empenhe em promover o bem-estar de todos os seres); Samah shatrau cha mitre cha (considere o inimigo e o amigo do mesmo modo) — joias como estas, contidas na Gita, são, como todos sabem, indicadores da necessidade de Amor Universal. Declarando que o ser humano não deve ter inimizade para com o mundo inteiro de seres vivos, a Gita está transmitindo uma lição com inestimável significado interno: que em todos os seres, e mesmo em todas as coisas, há um Princípio luminoso ativo, que se move e revolve, que é o Divino, apropriadamente chamado de Atma (Eu Superior). É uma ofensa contra Deus, o Divino onipresente, odiar seres vivos e feri-los; o que significa dizer que isso é tão ruim quanto odiar e prejudicar a si mesmo — a razão é que o ofensor é um ser vivo com Deus como sua essência, assim como o ofendido.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sathya Sai Baba

10 de julho de 2020

“Para suas preces chegarem a Deus, afixe o selo da ‘fé’ e enderece-as com ‘amor’. Com fé e amor, suas preces chegarão a Deus, não importa a distância. Além disso, seu amor por Deus deve ser puro e imaculado. Prepare-se para enfrentar os testes de Deus. Na vida, todos vocês são testados em quão apegados estão a atrações mundanas efêmeras, e quanto vocês anseiam por Deus. Quanto mais cedo vocês passarem nesses testes, mais perto estarão de Deus. Não pode haver avanço espiritual sem se passar nos testes de Deus. Se seu amor por Deus é uma minúscula fração de seu amor por presentes mundanos, como você espera que Deus derrame Sua graça sobre você? Direcione sua fé para longe daquilo que é temporal e efêmero, em direção à realidade imutável e eterna. Quão mais benéfico seria se vocês, das várias horas que gastam pensando a respeito de apegos mundanos, pensassem em Deus ao menos por alguns momentos!” (Divino Discurso, 7 de setembro de 1997)

Sathya Sai Baba

11 de julho de 2020

“O Senhor Supremo lhe deu uma guirlanda contínua com todo o bem e o mal que você acumulou de vidas passadas. Desde o nascimento, essa guirlanda invisível é usada por todos ao redor de seus pescoços, apesar de não poder ser vista fisicamente. Os frutos de todo bem ou mal que você pode ter feito no passado vieram com você quando nasceu. Fazendo uma boa ação, você não terá um mau resultado, e fazendo uma má ação, você não acumulará o bem. Seja qual for o trabalho que você faça, o resultado corresponderá àquele tipo de trabalho. Portanto, a partir de hoje, determine-se a fazer somente coisas boas, e assim você colherá, em suas vidas futuras, somente o benefício das coisas boas! É incorreto imaginar e se iludir pensando que ninguém o vê quando você pratica o mal. Deus (Brahman) está presente dentro de seu próprio coração e está sempre atuando como testemunha!” (Chuvas de Verão, 1974, cap. 3)

Sathya Sai Baba

12 de julho de 2020

“Prece não significa pedir a Deus. A prece é um indicador da experiência da bem-aventurança Átmica; é um método para experimentar essa bem-aventurança, compartilhá-la e estar imerso nela. A prece deve emanar do coração. A prece que não é sincera é totalmente inútil. O Senhor aceitará um coração sem palavras, mas não aceitará palavras e preces que não são sinceras e não vêm do coração. De fato, o próprio Deus é descrito como o Senhor do Coração (Hridayesha). Somente quando você tiver uma fé firme nisso é que será capaz de manifestar sua divindade. Considere seu corpo como um templo no qual a Trindade — Brahma, Vishnu e Maheshvara — reside. Não existem lugares específicos, como Vaikuntha ou Kailasa, onde eles habitam. Isso é uma ilusão nascida da ignorância. Deus está dentro, fora e ao seu redor. Não duvide disso. Se você duvida, você não pode experimentar paz ou felicidade! Reconheça firmemente essa verdade e viva em concordância com ela.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1988)

Sathya Sai Baba

13 de julho de 2020

“O poder da fé é ilustrado em um incidente da vida de Cristo. Uma vez um homem cego aproximou-se de Jesus e orou: ‘Senhor! Recupere minha visão’. Jesus perguntou a ele: ‘Você acredita que eu possa recuperar sua visão?’. ‘Sim, Senhor!’, disse o homem. ‘Se é assim, então abra seus olhos e veja’, falou Jesus. O cego abriu seus olhos e obteve sua visão. Da mesma forma, as pessoas oram para que Swami lhes dê uma coisa ou outra. Você acredita que Eu tenho o poder de lhe dar o que você busca? Minha resposta depende da sua fé. As pessoas hoje são como o indivíduo no solo desejando ver o piloto de um avião voando no céu. A única maneira de a pessoa ver o piloto é entrando no avião. Para experimentar Deus, você deve desejar a visão de Deus. Essa é a forma de se levar uma vida ideal e bem-aventurada.” (Divino Discurso, 7 de setembro de 1997)

Sathya Sai Baba

14 de julho de 2020

“Cultive amor por Deus. As escrituras (Puranas) e os sábios do passado declararam que o Divino encarna para punir os maus e proteger os bons. Isso não é correto. Deus encarna para implantar amor na humanidade e ensinar como o amor deve ser cultivado e praticado. Somente quando tal amor for desenvolvido é que as pessoas se tornarão livres das tristezas e dos problemas. Os pecados serão exterminados e o medo deixará de assombrar. A essência de todas as religiões, de todos os ensinamentos e caminhos espirituais é somente uma: Amor. Desenvolva esse Amor Divino. Acima de tudo, quaisquer que sejam suas dificuldades e as provações que você tenha que passar em qualquer situação, não abandone Deus. Deus é Um. Quer você seja abastado ou necessitado, educado ou ignorante, não importa quais problemas você possa enfrentar ou as práticas espirituais que você possa adotar, quer você seja considerado um pecador ou um santo, nunca abandone Deus, e tenha a consciência de que Deus é Um.” (Divino Discurso, 29 de julho de 1988)

Sathya Sai Baba

15 de julho de 2020

“A humanidade é uma combinação de corpo e consciência. A pessoa deve embarcar na auto-análise como um primeiro passo na espiritualidade. Somente então a realidade pode ser compreendida. Ninguém empreende o auto-exame, embora todos estejam prontos para condenar os outros. Somente aquele que está preparado para examinar e punir a si mesmo por seus lapsos é competente para julgar os outros. Estudantes e devotos devem se conscientizar de que o controle dos sentidos é bastante simples. O que é necessário é não encorajar sentimentos negativos quando eles surgem, e adotar atitudes positivas. Por exemplo, Buda confrontou a raiva de um demônio com seu amor e o transformou. Muitos estudantes hoje estão suscetíveis à depressão e estão com a mente confusa. A razão para isso é sua fraqueza, que deriva da falta de autoconfiança. Quando houver total fé em Deus, não haverá espaço para depressão.” (Divino Discurso, 7 de setembro de 1997)

Sathya Sai Baba

16 de julho de 2020

“A palavra ‘entrega’ tem sido mal interpretada e as pessoas promovem a ociosidade em nome da entrega. Pensamos que nossa mente, pensamentos e corpo foram entregues ao Senhor. Sua mente não está sob seu próprio controle e, nessas circunstâncias, como pode você tomá-la e entregá-la ao Senhor? Você não tem controle sobre seu próprio corpo. Se você sofre um pequeno corte, o sangue escorre do seu corpo e você corre para o médico. Se esse é seu corpo, e se você tem completo controle sobre ele, por que é que você não é capaz de controlar a saída do sangue? Sendo assim, dizer que você entregou sua mente e corpo ao Senhor é uma afirmação falsa. A palavra ‘entrega’ implica que existe alguém que dá e alguém que aceita, e que você está se entregando a alguém. Há um sentimento de dualidade implícito nessa palavra. O verdadeiro significado da entrega é o reconhecimento do fato de que em todos, e em todo lugar, Deus está presente.” (Chuvas de Verão 1974, cap. 3)

Sathya Sai Baba

17 de julho de 2020

“A história do ‘bater do oceano’ (samudra-manthana) tem grande valor, pois você também deve bater o oceano de seu coração e conquistar o néctar imortal para si mesmo. O coração cheio de qualidades de pureza e equilíbrio (satva-guna) é o oceano de leite. A firme contemplação do Divino, seja como a sua própria realidade ou como o ideal a ser atingido, é a montanha Mandara colocada no oceano como o batedor. Vasuki, a serpente enrolada ao redor do batedor, como uma corda, representa o conjunto de todos os seus sentidos. A corda (seus sentidos) é segurada pelos bons e pelos maus impulsos, e ambos lutam durante o processo da batedura, ávidos pelos resultados que cada qual ardentemente almeja. Os sábios esperam pacientemente, com firme zelo e atenção, pelo surgimento do Senhor imortal. A Graça de Deus é o Avatar na forma de tartaruga, pois o próprio Senhor vem salvar, já que Ele sabe que você busca avidamente o segredo da Imortalidade. Ele vem, silenciosamente e sem ser visto, como a tartaruga fez, mantendo intacto o processo de reflexão (manana) e servindo como base firme para toda prática espiritual.” (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1965)

Sathya Sai Baba

18 de julho de 2020

“A causa fundamental de todas as ansiedades e calamidades da humanidade é a inveja. Krishna, na Bhagavad Gita, alerta: ‘Arjuna! Você precisa estar livre da inveja. Não se deixe contaminar pela inveja’. A inveja é invariavelmente acompanhada pelo ódio. Esses dois são vilões gêmeos, como pestes venenosas. Eles atacam as próprias raízes da personalidade do indivíduo. Uma árvore pode ser resplandecente com flores e frutos. Mas quando os vermes inimigos iniciam seu trabalho nas raízes, imagine o que acontece com seu esplendor! Enquanto ainda olhamos com admiração a sua beleza, as flores murcham, os frutos caem, as folhas ficam amarelas e são espalhadas pelo vento. Por fim, a árvore seca, morre e cai! Do mesmo modo, quando a inveja e o ódio infectam o coração e começam a agir, por mais inteligente e educada que a pessoa seja, ela cai. Portanto, aprenda a ser feliz e cheio de alegria quando os outros são aclamados como bons e respeitados por suas virtudes e pelos ideais que prezam!” (Vidya Vahini, cap. 17)

Sathya Sai Baba

19 de julho de 2020

“Nesta era, a recordação do Nome do Senhor é o método para se transpor o oceano da vida mundana. Lembrar-se do Senhor por meio do Seu Nome é suficiente para salvar o ser humano. O Senhor é Anandamaya (da natureza da bem-aventurança); Ele é também Ananda (a divina bem-aventurança), que se deve provar por meio do Nome. Ele é Existência-Consciência- Bem-Aventurança Absoluta (Sat-Chit-Ananda). Você pode duvidar de que uma palavra tão pequena como Rama, Sai ou Krishna tenha poder para conduzi-lo através do mar ilimitado da vida mundana. As pessoas podem cruzar vastos oceanos em uma pequena jangada; podem andar por florestas escuras tendo nas mãos uma pequenina lanterna. A jangada não precisa ser tão grande quanto o mar. O Nome, e até o Pranava (Om), que é ainda menor, tem imensas potencialidades. A recitação do Nome é como a operação de perfurar o solo para extrair água subterrânea; é como o golpe do cinzel que liberta a imagem de Deus aprisionada no mármore. Quebre o invólucro e o Senhor aparecerá!” (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1965)

Sathya Sai Baba

20 de julho de 2020

“Nenhum inimigo pode ser tão insidioso quanto a inveja. Ela é como um vírus mortal. Quando o indivíduo vê uma pessoa mais poderosa, com mais conhecimento, com melhor reputação, mais rica ou mais bela, ou mesmo vestindo-se melhor, ele é tomado pela inveja. Ele pode ter dificuldade para reconhecer e aceitar a situação. Sua mente irá procurar meios de rebaixar aquela pessoa e diminuir a estima dos demais por ela. Isso poluirá seu caráter. Essas propensões e tendências malignas nunca deveriam criar raízes na mente dos devotos e virtuosos. Esteja sempre vigilante para que o demônio da inveja não o possua. A inveja destrói tudo o que há de precioso em você; ela arruína sua saúde e prejudica seu sistema digestivo. Ela rouba até seu sono, esgota sua resistência física e mental, e o reduz a um estado crônico de morbidez! Portanto, esteja feliz e alegre quando os outros são aclamados como bons e respeitados pelas virtudes e ideais que prezam! Cultive amplitude de visão e pureza de motivos.” (Vidya Vahini, cap. 17)

Sathya Sai Baba

21 de julho de 2020

“Há muitos que ridicularizam os iogues (pessoas centradas em Deus) como sendo antissociais preguiçosos que fogem das suas obrigações e se refugiam na solidão e no silêncio. Porém, estar próximo não é garantia de utilidade. Estar longe não implica em inutilidade. Vírus entram na corrente sanguínea e, certamente, nada pode estar mais perto de vocês; no entanto, eles são inimigos mortais. Membros da mesma família podem nutrir inveja e suspeita uns dos outros. Não é a proximidade que importa. Esses iogues partiram para locais ermos e buscaram instrutores do caminho interior, assim como os jovens técnicos de hoje vão para o exterior com o propósito de aprender habilidades que os auxiliem a construir uma Índia melhor. Eles vão à procura do segredo da eterna alegria; conquistam-na para si mesmos e, com suas vidas, inspiram outros a conquistar o precioso segredo. Ninguém chama de egoísta o homem que foi para o estrangeiro a fim de se preparar melhor como engenheiro ou como médico. Por que, então, haveriam de rotular de egocêntrico aquele que passa por privações ainda maiores para se equipar melhor como um engenheiro da mente, utilizando os seus indubitáveis poderes, não para a servidão, mas para a libertação? Isso apenas demonstra ignorância em relação aos verdadeiros valores.” (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1965)

Sathya Sai Baba

22 de julho de 2020

“O observador não deve se apegar àquilo que vê; este é o segredo para se obter a libertação. O contato dos sentidos com os objetos faz surgir o desejo e o apego; isso leva ao esforço, e à euforia ou ao desespero; então vem o medo da perda ou o pesar diante do fracasso, e a sequência de reações se estende. Com muitas portas e janelas abertas a todos os ventos que sopram, como pode a chama da lamparina no interior sobreviver? A lamparina é a mente, que deve queimar firmemente, sem ser afetada pelas exigências duais do mundo exterior. A entrega absoluta ao Senhor é uma forma de cerrar as janelas e as portas, pois, com essa atitude de entrega completa (sharanagati) você se despoja do ego e, assim, não é atingido pela alegria nem pela tristeza. A entrega absoluta faz com que você recorra à Graça do Senhor para enfrentar todas as crises em sua vida e, assim, o torna heroico e bem preparado para os desafios da vida!” (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1965)

Sathya Sai Baba

23 de julho de 2020

“Decida imitar aqueles que se saem melhor do que você e conquiste igual admiração. Empenhe-se por adquirir, de forma correta, o conhecimento, a sabedoria e o sucesso que você aspira. Essa é a ambição real. Ao invés disso, se você deseja a queda daqueles que são bem-sucedidos, essa intenção revela sua natureza grosseira. Isso o levará certamente à perdição. Louvar a si mesmo e condenar os outros é também tão letal quanto a inveja. Tentar esconder sua própria mesquinhez e maldade, usando uma máscara de bondade, justificando suas faltas e exagerando suas realizações — estas também são características venenosas. Igualmente venenoso é o hábito de ignorar a bondade nos outros e assiduamente procurar apenas seus defeitos. Nunca fale palavras que degradem alguém. Quando somos amigáveis com as pessoas e gostamos delas, tudo o que elas fazem certamente nos parecerá bom. Quando o vento muda e a mesma pessoa nos desagrada, até o bem que ela faz nos parecerá mal. Ambas as reações não são recomendáveis!” (Vidya Vahini, cap. 17)

Sathya Sai Baba

24 de julho de 2020

“Meramente girar como um pião, até não poder girar mais e então cair impotente e inerte, é uma triste e devastadora existência. O pião não tem fé em si mesmo; ele tem de ser manuseado e girado por outra pessoa. Seja autoconfiante, isso quer dizer, tenha confiança no seu Ser. Pois esse Ser é divino; ele tem em si toda a força e toda doçura do Atman, que não é nada além de uma onda do oceano de Paramatman (Suprema Realidade). Para se garantir felicidade e paz, os administradores idealizam planos de cinco anos e constroem pontes, represas, fábricas e escolas. Mas se não houver limpeza do espírito, fortalecimento do desapego, promoção da compaixão e companheirismo, o progresso econômico promoverá somente ódio, separação e inveja. Autoconfiança, autocontrole e autoconhecimento — esses sozinhos podem levar o ser humano à paz e à alegria.” (Divino Discurso, 14 de janeiro de 1971)

Sathya Sai Baba

25 de julho de 2020

“Muito frequentemente, o ponto de vista das pessoas está distorcido; a direção para a qual o pensamento flui é: ‘Quanto posso ganhar disso tudo? Quais benefícios posso tirar sendo membro de um grupo? Quão benéfico isso será para minha posição social, profissão e contatos?’. Isso tem de mudar completamente. O problema deve ser formulado assim: ‘Quanto posso oferecer a meus companheiros através dessa associação? Como posso contribuir para a realização de seus ideais?’. Todos estão ansiosos por pegar, ninguém está determinado a dar. A razão é a falta de amor; o amor que transcende casta, credo, cor e as cercas erguidas entre as pessoas por elas próprias. Encham seus corações com amor, distribuam esse amor a todos. O amor cresce com cada oferta de amor; lembrem-se, o coração que derrama amor está sempre cheio! Deus está presente em seu coração como Amor, e vocês somente retiram-no Dele quando compartilham com outros. Expansão é amor; expansão é vida. Contração é morte!” (Divino Discurso, 18 de janeiro de 1971)

Sathya Sai Baba

26 de julho de 2020

“Adorar um Nome e uma Forma é contra o ensinamento básico do Vedanta, pois você deve se educar no sentido de ignorar aquilo que é evanescente, temporário e superficial. A menos que você tenha descoberto sua identidade com tudo, e a identidade de tudo dentro de si, você não poderá obter a calma sem ondas, a chama firme! Abandone os desejos pelo fantástico mundo objetivo, abandone até você chegar ao ponto onde não há ‘doador-doação-ato de doar’, onde não há ‘começo-continuação-fim’. O sábio Narada aprendeu do sábio Sanathkumara que ele poderia alcançar a paz (shanti) somente quando soubesse que ele próprio é uma encarnação da paz! A falta de paz (ashanti) é algo que possui a pessoa como uma fobia sem fundamento! Livre-se disso! Você é livre! É o papel que é trágico, não o ator! Lembre-se de que isto é uma encenação e de que você está atuando no papel de um herói trágico! O sábio Narada aprendeu isso, e sua equanimidade nunca mais foi abalada!” (Divino Discurso, 14 de janeiro de 1971)

Sathya Sai Baba

27 de julho de 2020

“A fala é carregada de tremendo poder. Quando, através da palavra, comunicamos a uma pessoa algo que abale seu equilíbrio ou a choque com tristeza, as palavras drenam completamente seu poder físico e coragem mental. A pessoa cai no chão, mentalmente incapaz de se manter de pé. Por outro lado, quando comunicamos, através da palavra, algo feliz ou inesperadamente alegre, a pessoa adquire a força de um elefante. As palavras não nos custam nada, mas são inestimáveis. Assim, devem ser usadas com cuidado. Não devem ser empregadas para fofocas, que são estéreis, mas somente para propósitos puros e produtivos. Os antigos recomendavam o voto de silêncio com o propósito de purificar a fala de seus males. Uma mente voltada para dentro, direcionada a uma visão interna de Deus, e a fala voltada para fora, direcionada à visão externa do Senhor — ambas promoverão força e sucesso espirituais.” (Vidya Vahini, cap. 18)

Sathya Sai Baba

28 de julho de 2020

“Um milionário paga os impostos com lágrimas nos olhos; um diretor escolar deixa alegremente o mobiliário e as ferramentas dos laboratórios de sua escola quando é transferido para algum outro lugar. Por quê? Porque o diretor sabe que ele é apenas o encarregado, e não o dono. Ele não está apegado àqueles artigos e sabe que eles pertencem ao governo. Da mesma forma, sintam que sua família, sua casa, sua terra, seu carro são todos propriedades do Senhor e que vocês estão somente tomando conta deles; estejam prontos para deixá-los sem pestanejar. Vocês devem abandonar sua busca por objetos sensórios se buscam paz e alegria duradouras. A riqueza material traz consigo não somente alegria, mas também tristeza. A acumulação de riquezas, a multiplicação das vontades - isso leva somente à alternância entre alegria e tristeza. O apego é a raiz tanto da alegria como da tristeza; o desapego é o salvador. Apego (asakti) é morte (maraka); desapego (anasakti) é como um salvador (taraka)!” (Divino Discurso, 19 de agosto de 1964)

Sathya Sai Baba

29 de julho de 2020

“Um país não significa uma porção de terra. Um país é feito de pessoas. A transformação não deve ser unidimensional. Ela é todo o processo de purificação pelo qual as pessoas libertam-se de seus maus pensamentos e ações, e cultivam bons pensamentos e ações em sua vida diária. O valor de uma pessoa não decorre somente de seus méritos educacionais. O refinamento cultural de seu estilo de vida também é essencial. Uma vida sem cultura é como uma casa sem luz. Uma pessoa sem cultura é como uma pipa sem linha, arremessada daqui para lá. Uma educação desprovida de cultura é tão inútil quanto uma moeda falsa. O que significa cultura? Cultura é a descoberta da Divindade inerente no ser humano, fazendo-a manifesta em sua maneira de viver.” (Divino Discurso, 22 de novembro de 1997)

Sathya Sai Baba

30 de julho de 2020

“Por que a falta de paz (ashanti) perturba o mundo? Por causa do apego, do ódio e da paixão (raga, dvesha e moha). Estes nascem da ignorância, que causa a ilusão. As coisas vistas no escuro não podem ser nítidas e são confundidas com outras coisas. Confunde-se uma corda com uma cobra; confunde-se um tronco com um ladrão. Um pedaço de vidro pode ser cobiçado como se fosse um diamante. Assim, essa noção errônea, essa luz difusa, deve ir embora. Ela só pode ir embora se os métodos para se descobrir a verdade forem aprendidos. Isso é o que os Shastras (escrituras) ensinam e o que os pandits (eruditos) estão encarregados de transmitir a vocês. Eles lhes dirão que os sentidos que buscam o externo devem ser direcionados para dentro; o reino interno de impulsos, instintos, hábitos, preconceitos e atitudes deve ser purificado para que Deus seja ali refletido clara e brilhantemente.” (Divino Discurso, 18 de agosto de 1964)

Sathya Sai Baba

31 de julho de 2020

“É essencial desenvolver uma relação íntima com Deus. Você se carregará com energia divina quando alcançar conexão com a Divindade. Viver na companhia de Deus é a verdadeira boa companhia (satsanga). ‘A boa companhia leva ao desapego, o desapego libera a pessoa da ilusão, a liberdade da ilusão leva à estabilidade mental e a estabilidade mental confere a libertação’ (satsangatve nissangatvam, nissangatve nirmohatvam, nirmohatve nischalatatvam, nischalatatve jivanmukti). Mas hoje as pessoas não têm uma mente estável. Todo o tempo a mente oscila como um macaco louco. Quando você diz: ‘meu corpo’, ‘minha mente’, ‘meu intelecto’, etc., tudo isso é diferente de você. Pergunte-se então, ‘quem sou eu?’ O mesmo princípio do ‘Eu’ está presente em todos, do pobre ao milionário. Para se compreender este princípio do ‘Eu’, você deve desenvolver o espírito de sacrifício.” (Divino Discurso, 10 de junho de 2001)

Sathya Sai Baba

© © 2016-2020 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.