Pensamento para o dia - janeiro 2019

1° de janeiro de 2019

“Todos os anos, desde o começo da história da humanidade, as pessoas fazem uma grande despedida do ano que termina e dão as boas-vindas ao novo ano! O que acontece durante o ano? Somente desespero, ansiedade, angústia e medo insano, não é? Use esse ano para investigar e descobrir como conseguir a paz eterna! Você poderá consegui-la somente por meio do Amor! Paz é o fruto da árvore da vida! Sem o fruto, a árvore é um tronco seco sem valor, nem utilidade. Esse fruto está coberto por uma casca amarga, para que o suco doce fique protegido e guardado! Retire a casca e você poderá saborear a doçura de dentro e se fortalecer. A casca grossa simboliza as seis paixões que encobrem o coração amoroso de todo ser humano: luxúria, raiva, ganância, apego, orgulho e ódio. Aqueles que retiram a casca e entram em contato com a doçura interna por meio de severa e consistente disciplina, obtêm a paz que todos desejam. Essa paz é eterna, imutável e extraordinária!” (Discurso Divino, 01 de janeiro de 1971)

Sathya Sai Baba

2 de janeiro de 2019

“Quer você veja ou não a Deus, Ele é onipresente. Ele está no passado, presente e futuro! Deus é – e pode ser – apenas um, não muitos! ‘Existe apenas Um Deus, e Ele é Onipresente! Existe apenas uma religião, a religião do Amor. Existe apenas uma linguagem, a Linguagem do Coração.’ Esse Deus deve ser visualizado por meio de disciplina espiritual constante. Não se envolva em dúvidas e hesitação.  Você verá Deus instalado no seu coração, se praticar disciplina espiritual e purificar sua consciência. Há açúcar no copo, mas a água está insípida porque você não a misturou corretamente.  Existe Deus no mundo, e ao misturar o Divino em cada gota ou átomo, você pode tornar seu mundo muito doce para se viver. A inteligência é a colher. Sadhana é o processo de misturar. Sature cada momento de sua vida com Deus. Assim sua vida diária terá um gosto mais doce!” (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1970)

Sathya Sai Baba

3 de janeiro de 2019

“As cinco áreas vitais, que sustentam nossas atividades, são: industrial, agrícola, mercantil, política e administrativa. Elas devem trabalhar em uníssono, motivadas pelo amor e respeito mútuo. Somente assim, a comunidade poderá ter paz, segurança e felicidade. Infelizmente, essa cooperação não é vista na atualidade.  Por outro lado, os interesses setorizados estão em predomínio, enquanto que as lutas competitivas estão em todos os campos. A agitação cega o raciocínio. Paixão, violência e crueldade criam mais problemas, sem conseguir resolver nenhum. Hoje em dia, eles inundam como um dilúvio. Sem treinamento e sem o desejo sincero de assumir responsabilidades e cumprir as obrigações da função, indivíduos são promovidos a cargos de autoridade. Habilidade e boa vontade para cumprir com os deveres e suportar dificuldades dão a uma pessoa o direito de exercer autoridade sobre outros. O poder que o cargo confere deve ser tratado com gratidão e deferência. Se isso for lembrado e praticado por todos os trabalhadores e funcionários, o trabalho deles trará felicidade, contentamento e paz, tanto para eles quanto para a sociedade, da qual eles são membros.” (Discurso Divino, 01 de janeiro de 1971)

Sathya Sai Baba

4 de janeiro de 2019

“Balvikas (Educação Espiritual Sai) é a base primária do grande movimento para restaurar a retidão (dharma) no mundo. O ideal de Balvikas é criar uma geração de meninos e meninas, que tenham uma consciência limpa e clara. As crianças devem ser orientadas para ter bons modos de vida, simplicidade, humildade e disciplina. Como sabe, você não poderá atrair crianças para o seu lado, se estiver com uma vara na mão. Em lugar disso, você deverá segurar doces, pois os gurus devem ser personificações do amor e da paciência. O programa de educação atual não é tão importante quanto a criação de um ambiente onde hábitos e ideais nobres possam crescer e frutificar. Os estudantes seguem a disciplina e o programa de Balvikas apenas um dia por semana e frequentam suas escolas tradicionais nos outros dias. Portanto, o impacto do guru tem que ser muito mais forte, se quiser funcionar como um catalisador no processo de modificação de padrões de comportamento dessas crianças.” (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1970)

Sathya Sai Baba

5 de janeiro de 2019

“Todos vocês devem possuir estas quatro qualidades importantes: Paz (Shanti), Verdade (Sathya), ausência de egoísmo (Nirahankara) e ausência de inveja (Anasuya). Espalhar todas essas quatro é a qualidade do amor. Essas qualidades não podem ser obtidas no supermercado, por meio de estudos, de um professor ou como um presente recebido de alguém. Você poderá consegui-las somente por meio do próprio esforço. Cultive e desenvolva essas qualidades nobres desde a infância. As crianças cedem à mentira e evitam falar a verdade completa, por medo da punição dos pais e professores. Essa tendência, no seu devido tempo, acaba por corromper suas vidas, pois os faz levar uma vida dupla. Desde a infância, as crianças devem ser ensinadas a falar a verdade e admitir seus erros. Não há nada de errado em ser corrigido pelos seus erros. Essa correção ajudará as crianças a se comportarem bem quando adultos. Independentemente de qualquer dificuldade que possa surgir, falar a verdade deve ser impresso firme e profundamente nas mentes e corações jovens, que são puros e imaculados.” (Discurso Divino, 30 de dezembro de 1983)

Sathya Sai Baba

6 de janeiro de 2019

“Os Vedas ensinam que você deve adorar e glorificar a Deus em gratidão por Suas bênçãos. A Bíblia ensina que uma pessoa deve orar por paz e praticar a caridade. O Alcorão inspira você a ter misericórdia diante do sofrimento e a renunciar sua vontade ao Altíssimo. Os textos budistas ensinam a lição do desapego e do controle dos sentidos. O zoroastrismo encoraja você a se livrar de suas inclinações maléficas e a brilhar em sua própria glória inata. Portanto, todos vocês devem se tornar conscientes de que todos os ensinamentos de todas as religiões são Um, e que uma oração em qualquer língua, encaminhada a qualquer Nome, alcança o mesmo Deus. Entenda que Deus pode ser invocado por meio de uma foto ou imagem para atender seu desejo sincero, desde que seja útil tanto aos outros quanto a você mesmo.  O mestre de Balvikas (Educação Espiritual Sai) deve assimilar essas qualidades, para então ensiná-las às crianças de Balvikas por preceito e exemplo.” (Divino Discurso, 06 de junho de 1978 - Sathya Sai Speaks, volume 14, capítulo 3)

Sathya Sai Baba

7 de janeiro de 2019

“Os mestres de Balvikas (Educação Espiritual Sai) devem manter suas emoções sob controle e não demonstrar depressão, desânimo ou hesitação. A qualidade do seu trabalho é mais importante que a quantidade, então não se comprometa a fazer mais do que você poderia satisfatoriamente. Deixe a sua própria consciência ser o juiz e decidir se você cumpre suficientemente seus deveres para com as crianças e a sociedade. Você pode enfrentar vários problemas enquanto der aulas. Resolva-os com discernimento e profundo amor. Enfrente esses problemas com o desejo de servir melhor às crianças e você será capaz de superá-los com facilidade.  Gradualmente, você perceberá que Balvikas foi concebido não apenas para a educação de crianças, mas também para os mestres. Os deveres de Balvikas elevarão e purificarão os pensamentos e emoções dos mestres muito mais do que qualquer outra disciplina espiritual.  Lembre-se de que, como mestre, você também tem um Mestre que o guia e supervisiona seu Seva. Mestres também são aprendizes, que aprendem lições de igualdade, equanimidade e amor desinteressado com seu Mestre Onisciente.” (Discurso Divino, 06 de junho de 1978 - SSS, vol 14, cap 3)

Sathya Sai Baba

8 de janeiro de 2019

“Para viver de acordo com os altos padrões de moralidade exortados pela cultura indiana, você deve cultivar amor, não-violência, força moral e equanimidade. Os últimos três protegem e promovem o primeiro. Para fixar a mente no amor universal, muitas pessoas obtiveram sucesso com a ajuda das três últimas qualidades! De fato, um número grande de aspirantes espirituais também desistiu de sua ascensão espiritual, no meio do caminho, porque perdeu a confiança no verdadeiro Eu Superior. O mais leve sopro de dúvida os deixa desanimados e eles voltam à vida dos prazeres sensoriais. Eles perdem a fé em Deus, que é a Personificação do Amor e o real sustento deles. O sadhana (disciplina espiritual) sozinho pode fortalecer as pessoas para avançarem no caminho espiritual. Os sábios são impulsionados pela bem-aventurança de sua consciência genuína. Aguente firme, persista no seu sadhana, tenha fé em você mesmo e obtenha força e alegria somente de Deus!” (Discurso Divino, 06 de junho de 1978 - Sathya Sai Speaks, vol 14, cap 4)

Sathya Sai Baba

9 de janeiro de 2019

“Queridos mestres de Balvikas! Quando vocês ensinam às crianças, devem se lembrar de que estão engajados em uma tarefa nobre, pelo bem das crianças confiadas aos seus cuidados. Vocês devem sentir que estão se educando, enquanto educam as crianças. Por exemplo, quando transmitem algum conhecimento às crianças, sua compreensão sobre o assunto melhora. Mesmo quando vocês estudam alguns livros para ensinar às crianças, também obtêm felicidade do estudo. Portanto, vocês devem sempre ter a sensação de que tudo que fizerem para os outros é, em realidade, um serviço feito ao Divino que reside em cada um. Quando os professores cumprem seus deveres com esse sentimento, estão saturando as crianças com o espírito do amor universal. Lembrem-se de que as crianças têm corações ternos e mentes inocentes. O mundo terá paz genuína, somente se vocês preencherem os corações delas com amor.” (Discurso Divino, 30 de dezembro de 1983)  

Sathya Sai Baba

10 de janeiro de 2019

“A paciência dá a você força para enfrentar situações adversas. Uma pessoa sem paciência, facilmente, sucumbe diante de reveses e dificuldades. Acompanhado pela verdade e paciência, você deve se libertar da inveja também. A inveja é como uma praga que ataca a raiz de uma árvore. Ela pode destruir toda a sua vida. Nós apreciamos muitas coisas na vida: conhecimento, riqueza, posição, poder etc. Contudo, se o vírus da inveja penetrar em nossas mentes, poluirá tudo. Jamais dê lugar à inveja, até mesmo em questões de pouca relevância. Se um colega de escola tiver uma nota mais alta que a sua, não sinta inveja. Se outros fizerem melhor que você, fique feliz por eles e não se permita ser consumido pela inveja. Se alguém estiver vestido melhor que você ou for mais rico, você deve entender que eles estão desfrutando daquilo que têm, assim como você deve ficar satisfeito e feliz com o que possui. Estar livre da inveja é, verdadeiramente, divino.” (Divino Discurso, 30 de dezembro de 1983)

Sathya Sai Baba

11 de janeiro de 2019

“A observância da moralidade na vida diária, a divinização de todas as ações e pensamentos e a adesão a ideais, todos esses formam a cultura. Bharatiya Samskriti (cultura de Bharat) é a combinação de pureza, divindade, excelência e beleza. Essa combinação é mais bem refletida nos esportes e jogos. Mesmo havendo diferenças nos hábitos alimentares e recreativos das nações, o espírito da harmonia e unidade demonstrado nos esportes é um exemplo gratificante para todos. Uma qualidade especial dos esportes é o fato de que as diferenças são esquecidas e as pessoas se engajam em jogos com um espírito divino de amizade e camaradagem. Os esportes ajudam os desportistas não apenas a melhorarem sua saúde, como também a experimentarem felicidade. Os estudantes não devem se contentar somente com a aquisição desses benefícios. A promoção da pureza da mente e o desenvolvimento de um coração generoso são, igualmente, essenciais. A verdadeira humanidade desabrochará somente quando seu corpo, mente e espírito se desenvolverem de maneira harmoniosa.  O esforço e o entusiasmo que você demonstra nos esportes devem ser refletidos, da mesma forma, nas esferas morais e espirituais.” (Discurso Divino, 14 de janeiro de 1990)

Sathya Sai Baba

12 de janeiro de 2019

“Os grandes mestres – como Ramakrishna Paramahamsa, Vivekananda, Tulsidas e outros – levaram vidas perfeitamente felizes. Houve muitos momentos em que eles não tinham sequer comida suficiente para se alimentar. Eles consideravam tais situações como convites de Deus para fazer jejum (upavasam). Para eles, isso era alimento para seus Espíritos.  Eles desfrutavam de tais jejuns por meio da contemplação de Deus. Sempre que eram convidados a um rico banquete, eles também o consideravam como um presente de Deus. Independentemente de ser jejum ou banquete, eles tratavam ambas as situações com o mesmo sentimento de contentamento e aceitação. Eles não ficavam deprimidos pelo jejum, nem extasiados com o banquete. ‘Mente equânime é yoga’ (Samatvam yogamuchyate), diz a Gita. Os antigos sábios praticavam essa virtude. Mente equânime é o indicador de contentamento. E isso deve ser ensinado aos nossos jovens e cultivado por eles. Aquele que alcançou o contentamento pode desfrutar da bem-aventurança da graça Divina.” (Discurso Divino, 19 de fevereiro de 1987)

Sathya Sai Baba

13 de janeiro de 2019

“Hoje em dia, os jovens têm grande necessidade de boa companhia. A juventude é conduzida por caminhos equivocados, ao se associar com pessoas que usam linguagem inadequada e se entregam a ações impuras. Você deve abandonar totalmente todos os tipos de más companhias. Você precisa de uma lamparina para encontrar um caminho em uma floresta escura. Da mesma forma, na selva da vida, você precisa que a luz e a orientação de indivíduos bons lhe façam companhia no caminho apropriado e o conduzam à meta correta. Mesmo uma pessoa má, em associação com os bons, se corrige. No entanto, uma pessoa boa, em companhia de pessoas más, se torna ruim. Se você adicionar um litro de leite a dez litros de água, o leite estará tão diluído, que perderá valor. Contudo, um litro de água adicionado a dez litros de leite adquire maior valor. Quando você cultivar a amizade, tenha certeza de que estará se juntando a um grupo formado pelos que têm bondade nas palavras, no comportamento e nas ações. Mantenha somente relações saudáveis com os outros.” (Discurso Divino, 19 de fevereiro de 1987) 

Sathya Sai Baba

14 de janeiro de 2019

“Makara Sankramana marca o movimento do Sol partindo do sul rumo ao norte. O movimento do Sol para o norte é considerado altamente significativo, espiritual e cientificamente. O importante significado interior espiritual da jornada do Sol em direção ao norte deve ser compreendido corretamente. O norte é representado pelo Himachala (cordilheira do Himalaia). Hima significa neve, que é pura, imaculada e extremamente serena. Achala significa aquilo é estável e inabalável. Portanto, Himachala não se refere à região geográfica do Himalaia, mas representa o que é sereno, pacífico e estável.  Tudo isso dota uma pessoa com a qualidade da paz perfeita (Prasanthi). A partir de hoje, o Sol está se movendo em direção a tal situação. O Sol simboliza a visão do homem. O movimento do Sol para o norte é um chamado para os seres humanos, para que direcionem sua visão àquilo que é sereno, pacífico e imutável. A lição que você deve aprender é que deve direcionar sua visão para o interior.” (Discurso Divino, 14 de janeiro de 1994)

Sathya Sai Baba

15 de janeiro de 2019

“No Sankranti, existe o costume de se oferecer uma mistura de açúcar mascavo e sementes de gergelim a todos. O açúcar mascavo é doce e também um símbolo do amor. O gergelim também é conhecido como sneha, que significa amizade. Portanto, oferecer a mistura de açúcar e gergelim às pessoas significa oferecer ‘amor expandido pela generosidade’.  A mensagem de Sankranti é o fomento do amor entre pessoas com afinidades, parentes e amigos de todos os que se reúnem para celebrar esse festival.  Tenha boa vontade para com todos. Hoje em dia, boa parte do que é considerado amizade consiste em se juntar com pessoas ricas e se beneficiar da riqueza delas. Quando as pessoas ricas passam por dificuldades, aquelas que se beneficiaram de suas riquezas nem sequer olharão para elas. Essa não é a amizade verdadeira. A verdadeira amizade deve emanar do coração e deve se manter inalterada tanto pela prosperidade, quanto pela adversidade. De fato, só Deus pode ser o amigo infalível para todas as situações. Ele está com você, acima de você, abaixo de você, ao seu lado e à sua volta.” (Discurso Divino, 15 de janeiro de 1992) 

Sathya Sai Baba

16 de janeiro de 2019

“A inveja se manifesta de muitas maneiras, inclusive pela busca das falhas até do Divino. As pessoas têm inveja quando alguém conquista um nome melhor que o delas. Algumas têm inveja das pessoas mais bonitas que elas. Os estudantes têm inveja dos colegas que conseguiram melhores notas nas provas. Uma pessoa invejosa não suporta ver a outra mais bem colocada, mais bonita ou mais próspera. Esse é um sinal de fraqueza humana. Uma vez que a inveja crie raízes na sua mente, no devido tempo, ela destruirá todas as demais conquistas. A inveja promove qualidades demoníacas, desumaniza um indivíduo e o rebaixa ao nível de um animal. Por causa de sua atroz tendência maléfica, a inveja deve ser erradicada logo no começo. Você deve aprender a ficar feliz com a prosperidade e felicidade do outro. Essa é uma grande virtude.” (Discurso Divino, 6 de setembro de 1984)

Sathya Sai Baba

17 de janeiro de 2019

“Se houver um furúnculo no corpo, nós passamos um pouco de pomada e o cobrimos com uma atadura, até que esteja totalmente curado. Se você não passar pomada no furúnculo e amarrá-lo com uma atadura, é possível que a situação se agrave e cause um dano maior, mais tarde. Esporadicamente, temos que limpá-lo com água pura, passar pomada novamente e colocar uma atadura nova. Da mesma maneira, na nossa vida também existe um furúnculo, que eclodiu no nosso corpo na forma dos sentimentos de ‘eu, eu, eu’. Se você realmente quiser curar esse furúnculo causado pelo ‘eu’, deverá lavá-lo todos os dias com as águas do amor, passar a pomada da fé e amarrá-lo com a atadura da humildade. A atadura da humildade, a pomada da fé e as águas do amor poderão curar esta enfermidade, que eclodiu desse furúnculo do ‘eu’.” (Discurso Divino, 17 de fevereiro de 1985)

Sathya Sai Baba

18 de janeiro de 2019

“Quase não há quem esteja livre do vício da inveja. A inveja pode surgir até de assuntos triviais, e da inveja emerge o ódio. Para se livrar do ódio, uma pessoa deve praticar o amor constantemente. Onde há amor, não haverá espaço para inveja e ódio. Onde não houver inveja e ódio, haverá Ananda (felicidade real). Essa felicidade se revela em beleza. ‘O que é belo, há de ser eternamente uma alegria.’ Você conquistará a felicidade, se vir beleza em tudo. Mas, o que é essa beleza? O mundo é bonito? Os materiais e objetos são bonitos? Mas, todos eles são temporários e, portanto, a beleza proveniente deles também só pode ser temporária. Somente Deus é permanente, então só Deus pode ser considerado belo. O principal dever do devoto é buscar o néctar da felicidade, que deve ser obtido pela contemplação da beleza de Deus. Os meios de experimentar tal felicidade são o cultivo de boas qualidade e se livrar de características negativas.” (Discurso Divino, 6 de setembro de 1984)

Sathya Sai Baba

19 de janeiro de 2019

“A paz ou distração, calma ou ansiedade que você experimenta hoje é o produto dos seus próprios pensamentos e ações, como também, de sua atitude ou comportamento em relação a você e aos outros. Muitos praticam, regularmente, a meditação sobre o nome e a forma de Deus e são capazes de aquietar as agitações do coração, e abrir caminho à realização interior. Dhyana (meditação) não deveria oscilar de um ideal a outro. Tampouco deveria ser reduzida a uma mera fórmula mecânica livresca, nem a um horário rígido para respiração ou fixação do olhar, sem sentido, na ponta do nariz! É uma rigorosa disciplina dos sentidos, da corrente nervosa e das asas da imaginação.  É por isso que, apropriadamente, se diz: Dhyana é o vale de paz, que repousa do outro lado de uma enorme cadeia montanhosa de picos chamados de seis inimigos – luxúria, raiva, ganância, apego, orgulho e inveja. Você deve subir a cadeia de montanhas e chegar além do vale.” (Discurso Divino, 9 de junho de 1970)

Sathya Sai Baba

20 de janeiro de 2019

“Nas nossas experiências diárias, há inumeráveis situações que revelam a existência da Divindade em todas as pessoas. Imagine um cinema, em que na tela vemos rios transbordando e engolindo toda a terra das margens. Embora a cena seja uma inundação, a tela não se molha com nem mesmo uma gota d’água. Em outro momento, na mesma tela, vemos vulcões em erupção com chamas de fogo, mas a tela não se queima. A tela que serve de base para todas essas imagens não é afetada por nenhuma delas. Da mesma forma, na vida de um homem, bom ou mal, alegria ou tristeza, nascimento ou morte vêm e vão, mas não afetam o Atma. No cinema da vida, a tela é o Atma, é Shiva, é Shankara, é a Divindade. Quando uma pessoa compreende esse princípio, será capaz de entender, desfrutar e encontrar contentamento na vida!” (Discurso Divino, 17 de fevereiro de 1985) 

Sathya Sai Baba

21 de janeiro de 2019

“Aprenda a viver em harmonia e em unidade. O vilarejo (sociedade) está para os seus moradores (membros da sociedade), assim como o corpo está para o indivíduo. Todos os órgãos no corpo funcionam em cooperação entre si. Se o pé pisar em um espinho, o olho sentirá a dor e derramará lágrimas. Se o olho perceber um espinho no caminho, avisará ao pé para evitá-lo. Os moradores de um vilarejo devem desenvolver o mesmo senso de unidade e compartilhar suas alegrias e dificuldades como um corpo orgânico. Não há nada que você não possa conseguir tendo a unidade como sua força. Com pureza e unidade, você pode desvendar sua Divindade e desenvolver genuína devoção por Deus. Vocês devem preencher seus corações com amor e tornar suas vidas sagradas e com propósito. Quando todos trabalharem com esse espírito de unidade e caridade, o vilarejo se tornará um modelo para os demais.” (Discurso Divino, 22 de maio de 1986)

Sathya Sai Baba

22 de janeiro de 2019

“O nome ‘Rama’ é formado por três letras raízes (bijaksharas) associadas com fogo, sol e lua. Simbolicamente, isso significa que, por meio da repetição do nome de Rama, o princípio do fogo queimará todos os erros cometidos por uma pessoa, o princípio do sol dispersará a escuridão da ignorância e o princípio da lua esfriará a febre decorrente dos desejos. Estabeleça o nome firmemente em seu coração e cante-o com fervor. Não trate os bhajans (cânticos) em grupo como passatempo. O cântico deve ser vibrante e com emoção, combinando sentimentos (bhava), melodia (raga) e ritmo (tala). Não deve ser entediante, mecânico e desmotivador. Quando você se unir a dezenas ou centenas para cantar bhajans, cante com toda sua voz, com pureza de sentimentos e sem qualquer preocupação. Fique totalmente mergulhado no processo devocional e obtenha êxtase dessa experiência. Visualize o Senhor no seu coração e repita o nome Dele. Assim, você experimentará êxtase e provocará felicidade nos outros. Quando todos cantarem com tal unidade, a Divindade poderá ser vivenciada.” (Discurso Divino, 8 de novembro de 1986)   

Sathya Sai Baba

23 de janeiro de 2019

“Na Treta Yuga, Vibhishana – irmão de Ravana – não tolerou as más ações cometidas por Ravana. Ele tentou corrigir Ravana de todas as maneiras possíveis, se opondo às suas ações. Contudo, quando seus esforços falharam e não havia outra alternativa, ele buscou refúgio na personificação do Dharma (retidão): Sri Rama. O principal ofensor foi unicamente Ravana, porém, na batalha com Rama, todos os rakshasas (demônios), que o apoiaram ou ficaram ao seu lado, pereceram com ele. Eles cumpriram a pena pela participação no crime. Qualquer pessoa que possa ter cometido uma transgressão – seja um filho, filha, cônjuge, um parente ou amigo – estará livre da mácula da cumplicidade somente se for contrária à ação e tentar corrigir, verdadeiramente, o infrator. Se, ao contrário, permitir ou encorajar a má ação, será culpada por ser cúmplice e experimentará os frutos dos seus atos.” (Discurso Divino, 11 de outubro de 1986)   

Sathya Sai Baba

24 de janeiro de 2019

“Aprenda a lição de autoconfiança com os pássaros. Um pássaro empoleirado em um galho de uma árvore frondosa não se deixa abalar pelo balanço intenso do galho, nem por uma tempestade que poderia jogá-lo no chão, porque ele não depende do galho ou da árvore, mas de suas próprias asas para sua segurança. Ele sabe que pode voar para longe e se salvar. O pássaro está sempre alegre e despreocupado. Os pássaros não se preocupam em acumular. Eles se contentam em fazer o melhor no presente e viver com o que têm para o dia. Eles não se preocupam com a carreira dos filhos, nem com a situação de suas contas bancárias. Eles não ficam ansiosos com a manutenção de casas ou propriedades. Agora, pense no que fez com você mesmo. Sentado no galho da árvore da vida, você não fica preocupado com cada pequeno tremor da vida? Consumindo-se por isso e perdendo sua paz mental?” (Discurso Divino, 3 de julho de 1986)   

Sathya Sai Baba

25 de janeiro de 2019

“Escutar e ver um músico cantando em Delhi, em milhares de casas simultaneamente, é possível graças à tecnologia. No entanto, quando lemos no Bhagavata que o Senhor Krishna apareceu às Gopikas, simultaneamente em milhares de casas, indagações surgem sobre a veracidade disso. Se os aparelhos criados pelo homem (yantras) podem ser tão poderosos, por que duvidar do poder dos mantras? As ondas sonoras são convertidas em ondas elétricas e transmitidas através do éter. As ondas têm uma continuidade no espaço e podem ser captadas por aqueles que conseguem se sintonizar com essas vibrações. Da mesma forma, se o Divino todo-penetrante for captado pelo receptor de rádio do coração sintonizado na devoção unidirecionada, a bem-aventurança dessa experiência O revelará a você. Por serem as Gopikas especialistas nessa tecnologia, elas puderam experimentar a onipresença de Krishna. Os corações delas estavam preenchidos com o nome e a forma de Krishna, que era seu amigo fiel em todas as situações.” (Divino Discurso, 11 de outubro de 1986)

Sathya Sai Baba

26 de janeiro de 2019

“Esta é a era da ciência e da tecnologia. A civilização e a cultura desta era estão ligadas ao conhecimento do universo físico. No entanto, o que os estudantes têm que aprender hoje é a cultura da alma, o refinamento do espírito e a purificação do coração. Esse conhecimento conduz ao engrandecimento do espírito e à sublimação da vida. Juntamente com o desenvolvimento do intelecto, o desabrochar do coração deve ser estimulado. Apenas essa educação é completa, pois estimula a expansão de hrudaya (coração espiritual). Ela deve servir para promover valores éticos. Somente então, será possível levar uma vida bem regulada e disciplinada. As marcas da verdadeira educação são abnegação, humildade e simplicidade. O edifício da educação correta repousa sobre quatro pilares: autocontrole, autossustentação, autoconfiança e autossacrifício.” (Discurso Divino, 23 de junho de 1988)

Sathya Sai Baba

27 de janeiro de 2019

“Deus pertence a todos e não é de domínio exclusivo de ninguém. Existe apenas um Deus, que Se manifesta em muitas formas para satisfazer pessoas diferentes. Apenas sadhana (disciplina espiritual) não é suficiente para entender essa verdade. O espírito de investigação e discernimento também é necessário. Hoje em dia, em busca de interesses mundanos e questões comerciais, o que é essencialmente uno foi divido e considerado como muitos. Nesse processo, a verdadeira Divindade é perdida. As pessoas falham em distinguir o que é verdadeiro do que é falso e são incapazes de compreender a real natureza do Divino. Para consertar essa situação, fé firme é extremamente essencial. Seja firme, verdadeiro e puro. A graça de Deus não pode ser conquistada se você hesitar a cada momento e se seu coração estiver impuro. Deus julga um devoto pela pureza de coração e não pela adoração sofisticada que encena. Se você não fizer nada, mas apenas purificar seu coração, Deus entrará e brilhará!” (Discurso Divino, 11 de outubro de 1986)

Sathya Sai Baba

28 de janeiro de 2019

“As pessoas pensam que quanto mais bens materiais possuírem, mais felizes serão. Contudo, conforme crescem os desejos, também aumentam as decepções e os problemas. Deve haver um limite para nossos desejos, apegos e ambições. O mundo está sofrendo de inúmeros problemas porque as pessoas não estabelecem limites para seus desejos. É um erro buscar uma série sem fim de prazeres e confortos na vida. A felicidade verdadeira não pode ser encontrada dessa maneira. Sem vivenciar dificuldades e problemas, como você saberá o valor da paz e do prazer? A vida é uma permanente alternância entre prazer e dor, alegria e tristeza, calor e frio.  A casca azeda que cobre uma laranja protege o doce suco de dentro. Portanto, considere dor, ansiedade e tristeza como a capa protetora da paz e da bem-aventurança que você experimentará mais tarde. A sua mente é a causa tanto da subjugação, quanto da liberação.”  (Discurso Divino, 14 de maio de 1984)

Sathya Sai Baba

29 de janeiro de 2019

“A vida em si é limitada como uma empresa. Nela, todas as ações devem ser regidas segundo os limites estabelecidos. Quando os desejos são controlados, a felicidade verdadeira é experimentada. Até mesmo na prática da caridade, limites devem ser respeitados. Suas doações não devem ultrapassar sua condição financeira, nem estar aquém dela.  Se você for além de sua capacidade financeira, enfrentará problemas mais tarde. Se for mesquinho, estará retendo doações destinadas aos necessitados. Lembre-se sempre que a caridade não se restringe apenas a dinheiro, e que também não deve ser indiscriminada. Você deve compartilhar seus recursos físicos, mentais e espirituais com os necessitados em sua comunidade, de maneira adequada. Ajude espontaneamente e de acordo com as necessidades da situação. Os famintos devem ser alimentados, assim como os necessitados devem receber roupas e alívio. A consciência do espírito (Atma jñana) é alcançada por meio dessa partilha e sacrifício.” (Discurso Divino, 14 de maio de 1984)   

Sathya Sai Baba

30 de janeiro de 2019

“Você escreve em lousas (ou faz banners): ‘A verdade é Deus’. Isso não é suficiente. Você deve ter essa afirmação impressa em seu coração. As Upanishads nos ensinam: ‘Fale a verdade’ (Satyam Bruyat). Esse é o aspecto prático desse comando. A declaração que segue imediatamente é: ‘Fale amorosamente’ (Priyam Bruyat). Esse é um aspecto virtuoso de igual importância, que significa que você deve falar a verdade de maneira amorosa e agradável, e não grosseiramente. A próxima declaração é ‘Jamais fale a verdade sem amor’ (Na Bruyat Satyam apriyam). Esse é o aspecto espiritual que você não deve negligenciar. Você deve ficar em silêncio e evitar falar a verdade quando não for agradável. Ao mesmo tempo, não fale inverdades ou meias-verdades, simplesmente porque agradaria a outra pessoa. A verdade é imutável e eterna. Nos dias de hoje, sinais de convicção nesse valor não são encontrados entre as pessoas. Faça um esforço sincero para estar em boa companhia, o que ajudará você a manter pensamentos sagrados, que devem ser transformados em ação correta. Conduza a vida com moralidade e bom caráter.” (Divino Discurso, 18 de julho de 1997)    

Sathya Sai Baba

31 de janeiro de 2019

“Todos vocês estão desperdiçando tempo. Tempo é Deus. Deus é descrito como Kala kalaya namah: Ele é o Mestre do Tempo. Portanto, você não deve perder tempo com atividades desnecessárias. Por exemplo, conversa em demasiado é um desperdício de tempo. Quando você sintoniza em uma estação de rádio e ouve programas desnecessários, energia elétrica é desperdiçada. O corpo é como um receptor de rádio. Cantar os nomes do Senhor e a glória de Deus irá captar sinais da graça. No entanto, quando você alimenta fofocas, desperdiça tempo e energia. Quando comete ações más ou inadequadas, novamente, você desperdiça energia e fica sujeito a consequências perigosas também. Santifique sua vida aderindo aos ideais gêmeos da Verdade (Sathya) e da Retidão (Dharma). Ao invés de exortá-los, coloque-os em prática. Disseminação é ‘quantidade’, enquanto que prática é ‘qualidade’. Qualidade é sempre muito importante. Uma colher de leite de vaca é muito melhor que um barril de leite de jumenta.” (Discurso Divino, 18 de julho de 1997)     

Sathya Sai Baba

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.