Pensamento para o dia - dezembro 2021

01 dezembro de 2021

Em questões espirituais, a fé é o requisito básico para o progresso, e ela deve ser guardada cuidadosamente. Entreguem-se ao Senhor, que é um parente mais próximo de vocês do que os seus próprios pais, e a ninguém mais. Não permitam que a sua fé vacile a cada rajada de vento que passa. Acreditem que todos os três mundos não podem destronar a Verdade, assim como todos os quatorze mundos (lokas) não podem instalar no trono a falsidade. O seu dever é prosseguir com as suas práticas espirituais (sadhana) apegando-se à certeza da própria experiência, sem se deixar perturbar pelo que outras pessoas possam dizer. Tolerem-nas com paciência e compreensão e exerçam a fortaleza de espírito (sahana) e a compaixão. Procurem descobrir pontos de contato, não de conflito. Espalhem a fraternidade e aprofundem a bondade por meio do conhecimento. Então a vida passará a valer a pena! (Discurso Divino, 23 de maio de 1966)

Sri Sathya Sai Baba

 

02 dezembro de 2021

A meditação (dhyana) no Nome e na Forma de Deus não deve ser vacilante nem oscilar de um ideal a outro. Não se deve reduzi-la a meras fórmulas mecânicas livrescas, horários rígidos de respiração por narinas alternadas ou olhares sem sentido fixos na ponta do nariz. Ela é uma disciplina rigorosa dos sentidos, da corrente nervosa e das asas da imaginação. Eis por que se diz que dhyana é o vale da paz que fica do outro lado de uma enorme cordilheira cujos picos são chamados de "os seis inimigos". Estes são a luxúria, a raiva, a cobiça, o apego, o orgulho e a inveja. Deve-se transpor a cordilheira e alcançar as planícies situadas além dela. É preciso rasgar os véus para que a luz possa brilhar no caminho. Deve-se remover a catarata dos olhos para que se possa enxergar a Verdade. Ilusão (maya) é o nome da névoa da ignorância que atormenta a mente que busca mergulhar nas profundezas do Ser! (Divino Discurso, 9 de junho de 1970)

Sri Sathya Sai Baba

03 dezembro de 2021

O Om é o som do movimento das estrelas no firmamento, o som que se manifestou quando o alvorecer da Vontade criativa pôs em atividade Aquele que não tem atributos (Nirakara). Na verdade, cada pequena perturbação do equilíbrio produz um som, por menor que seja. O encontro das pálpebras quando o olho pisca resulta em um som, ainda que muito fraco. Existem sons infinitesimais, tão débeis que nenhum ouvido consegue captar. Então vocês podem entender que o Om foi produzido quando os elementos se originaram e teve início a Criação. Esse é o som primordial, o som primevo. Estando em um mundo dual e tentando superar a dualidade, vocês identificam “Ele” com “vocês mesmos” por meio da repetição (japa) de Soham; quando a consciência do “eu” e a consciência do “Ele” desaparecem, vocês repetem apenas Om, isto é, Soham menos Sah (“Ele”) e aham (‘eu”). Essa é a experiência de que necessitam e pela qual clamam ansiar, porém as suas atividades e o seu comportamento, a sua rotina e o seu caminho indicam que vocês não são sinceros! (Divino Discurso, 23 de novembro de 1966)

Sri Sathya Sai Baba

 

04 dezembro de 2021

Vocês podem possuir um aparelho de som, um relógio ou um toca-discos caros; mas se não souberem usá-los com eficiência, eles serão apenas trastes. Agora, imaginem que máquina maravilhosa é cada um de vocês! Não deveriam saber como operá-la e obter com ela os melhores resultados? Havendo sede de conhecimento, até mesmo um único sábio versado nessa arte será suficiente; muitos poderão acender as próprias lâmpadas com a sua chama. Vyasa é um desses sábios, o primeiro e o principal; eis por que ele é descrito como o próprio Narayana. Se vocês assimilarem os ensinamentos do Bhagavata, a sua inércia (tamoguna) será elevada ao nível da atividade incessante (rajoguna) e depois purificada no equilíbrio e na serenidade (satvaguna). É como o crescimento das frutas pela influência combinada da terra e do sol, que se dá em três estágios: primeiro se tem a acidez total, em seguida a doçura parcial e, por fim, a doçura completa. Assim também o homem, por meio das forças gêmeas que são a graça de Deus e o anseio interior, se desenvolve até atingir a doçura completa da bem-aventurança e do amor.  (Divino Discurso, 2 de julho de 1966)

Sri Sathya Sai Baba

 

05 dezembro de 2021

É apenas por ignorância que os egos se inflam de vaidade; se conhecerem a Verdade, todos os homens se tornarão tão humildes quanto Bharthrhari. Ele foi um poderoso imperador, que governou de costa a costa; os seus decretos eram inquestionáveis e a sua vontade prevalecia sobre uma vasta multidão. Mas quando percebeu, em um átimo, que a vida é apenas uma curta estada aqui embaixo, renunciou à sua riqueza e poder e assumiu as vestes ocres de um monge errante. Os habitantes dos seus domínios e os príncipes vassalos derramaram genuínas lágrimas, pois o amavam e reverenciavam. Lamentaram que tivesse vestido o manto esfarrapado de um penitente sem recursos e passado a viver de esmolas. "Que bem precioso  o senhor jogou fora! E que triste barganha fez!", lastimaram. Bharthrhari, no entanto, respondeu: "Amigos, fiz um negócio muito lucrativo. Este manto é tão precioso que até mesmo o meu império seria uma péssima moeda de troca". Essa é a medida da grandeza do caminho espiritual que leva a Deus. (Divino Discurso, 26 de junho de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

06 dezembro de 2021

No mundo existem restaurantes (bhojanalayas), hospitais (vaidyalayas), locais de entretenimento (vilasalayas), centros recreativos (viharalayas), museus (vichitralayas) e assim por diante. Mas, independentemente de como são chamados, são todos casas de tristeza (duhkhalayas). A única morada da felicidade é o Templo de Deus (Devalaya), ou seja, o próprio corpo, onde Deus é o guia interno e o guardião. Não odeiem ninguém, sigam o preceito da Gita para a saúde espiritual: “Não ser hostil a nenhum ser” (advesta sarva bhutanam). A razão para esse ditame é que Deus é o Atma interno em tudo o que existe. O amor se transforma em veneno se o ódio o contamina. Amem alguns, mas não odeiem os demais, pois esse ódio poluirá o amor, tornando-o letal. O amor chega automaticamente à alma realizada, porém o aspirante espiritual tem que cultivá-lo por meio do serviço e da investigação sobre a unidade do Atma. (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

07 dezembro de 2021

Nas antigas Escrituras e na poesia clássica a mulher foi exaltada como a Deusa da Prosperidade no Lar (Grihalakshmi). Ao aprenderem ciências domésticas, vocês podem estar sendo treinadas na arte de tornar o seu lar feliz e cheio de harmonia e saúde. Também devem aprender como evitar o ódio, a malícia, a cobiça, a raiva, a ansiedade, o orgulho e outros obstáculos que surgem no caminho da paz interior. Não é suficiente que o orçamento doméstico seja equilibrado; a esposa e a mãe devem aprender a arte de ter uma visão equilibrada da vida, uma visão que não seja afetada por triunfos ou dificuldades, ganhos ou perdas, vitória ou derrota. Só se consegue obter esse equilíbrio pela confiança em Deus e pela fé no Deus que reside internamente em vocês. Uma disciplina à qual devem prestar atenção é o controle dos sentidos. Se lhes derem rédea solta, eles as arrastarão para a calamidade. Os olhos, os ouvidos e a língua são como cavalos selvagens sem freio. Aprendam a arte da meditação, pela qual os sentidos podem ser controlados e a vontade direcionada para o interior, o que conduzirá ao domínio dos sentimentos e das emoções. (Divino Discurso, 26 de julho de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

 

08 dezembro de 2021

Certa vez o divino Dakshinamurti caminhava sozinho ao longo de uma extensa praia, imerso em profunda meditação. Avistou ao longe, na crista de uma onda, um galhinho seco que foi sendo passado de uma onda para outra, da crista à depressão e da depressão à crista, até ser lançado na areia da praia, perto de onde Ele se encontrava! Ficou perplexo com o egoísmo do oceano, que não dava asilo nem mesmo a um minúsculo galho. Sentindo a Sua reação, o oceano declarou, em palavras que Ele podia entender: "A minha atitude  não é de egoísmo nem de raiva; é apenas o dever de autopreservação. Não devo permitir que a mais leve mácula desfigure a minha grandeza. Se eu permitir que este graveto deslustre o meu esplendor, será o primeiro passo para a minha queda". Dakshinamurti sorriu interiormente, admirando a vigilância do poderoso oceano. Considerou o incidente como uma grande lição de esforço espiritual. O menor graveto de desejo que venha a cair na mente deve ser imediatamente retirado das suas águas puras e lançado fora! (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

09 dezembro de 2021

Kanaka, um jovem nascido em uma casta inferior, era um fervoroso devoto que ansiava, em insuportável angústia, pela visão de Krishna. Então foi até Udupi, onde existe um famoso templo de Krishna, fundado por um grande sábio, o próprio Madhvacharya. Sendo de casta inferior, não lhe era permitido entrar no templo e ver a encantadora imagem de Krishna. Ele parou diante da porta externa, mas a imagem estava escondida pelo poste da bandeira em frente ao santuário. Contornou a parede externa e procurou por alguma fenda entre as pedras, através da qual pudesse ter um leve vislumbre da imagem. Viu que uma pedra estava solta; com os dedos, retirou a argamassa e fez uma fenda estreita. Quando espreitou avidamente por ela, viu apenas as costas da imagem, mas ficou maravilhado! Dançou em êxtase, cantando a glória de Krishna. Naquele exato momento, a imagem virou-se para ele e Krishna concedeu-lhe a visão completa do Seu encanto e majestade. O anseio fora recompensado com a graça. O anseio leva à entrega, e a entrega proporciona a maior alegria. Deixem tudo à Sua Vontade e aceitem o que quer que aconteça, seja agradável ou doloroso. (Divino Discurso, 29 de julho de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

 

10 dezembro de 2021

As gopis, as simples e sinceras vaqueirinhas de Gokula, buscavam Krishna dentro ou atrás de cada arbusto e caramanchão, pois Ele as fascinava, porém sempre se mantinha à distância! Esta é apenas outra maneira de descrever a busca do Deus que sabemos estar dentro de nós, mas que escapa aos nossos esforços para imergir nessa doçura. Krishna está escondido nos recônditos dos corações de vocês; por isso têm que rastreá-Lo ali e segurá-Lo com firmeza. Ele foge, mas deixa pegadas marcadas pelo leite derramado sobre o qual pisou, na pressa de estar fora do nosso alcance. Sim, a lição é esta: reconheçam as Suas pegadas em tudo que seja belo, em cada ato de bondade, em cada lágrima de gratidão, em cada suspiro de compaixão. Descubram Krishna no caramanchão do seu próprio coração, cheio da fragrância do amor e da luz da virtude! (Divino Discurso, 3 de setembro de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

 

11 dezembro de 2021

Deus não é arrastado para o desejo. Ele não tem desejos; é completo, livre e está sempre contente. Não tem aversões nem atrações. Não tem laços de amizade ou parentesco. O Senhor está acima de todos os apegos; não tem favoritos nem inimigos. São vocês mesmos que decidem a distância entre Ele e vocês. A liberação (moksha) é o estágio em que o apego (moha) atinge a extinção (kshaya). Como poderia ser limitado pelo apego Aquele que concede a liberação? Deus não tem vontade nem desejo. Não concede nem retém. Ele é a testemunha eterna. Para colocar isso em uma linguagem que vocês possam entender, Ele é como o carteiro, que não se preocupa com o conteúdo das cartas que entrega aos destinatários; uma carta pode comunicar vitória e outra, derrota; cada um recebe aquilo pelo que trabalhou. Façam o bem e, em troca, recebam o bem; sejam maus e aceitem o mal em retorno. Essa é a lei, e não há realmente nenhuma ajuda ou impedimento. (Divino Discurso, 3 de setembro de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

 

12 dezembro de 2021

Por meio da sabedoria, o homem pode ver o Deus que reside em cada ser existente dentro dos limites do espaço. O receptáculo pode ser diferente, mas o conteúdo divino é o mesmo. O sabor da água do mar será sempre salino, quer vocês o experimentem em um carregamento, em uma tigela, em uma jarra, em um gole ou em uma gota na língua! Pode-se experimentar o sabor do Divino no átomo ou no Cosmos, no amigo e no inimigo, no vírus e no Universo. Esta é a realização, a liberação, a iluminação, a revelação! “O mundo está repleto de Deus” (Sarvam Vishnumayam Jagat). Esta esfera de mudança está sobrecarregada com o Divino Onipresente. O sábio Tyagaraja cantou: "Ó Sitarama! Pela Tua infinita compaixão, resplandeces na formiga e na Trindade!" Krishna está no caramanchão e no campo de batalha, soprando a concha ou tocando a encantadora flauta, empunhando o chicote e a roda - a Força Invisível por trás de cada pensamento, palavra e ação do homem em todo o tempo e lugar. (Divino Discurso, 3 de setembro de 1969)

Sri Sathya Sai Baba

 

13 dezembro de 2021

A sabedoria (jñana) é o tesouro que o homem deve acumular para que possa se perceber como divino e se fundir no oceano da Bem-Aventurança Divina. As vacas podem ser de raças, cores ou tamanhos diferentes, mas o leite que produzem é o mesmo em todo o mundo. Similarmente, todas as religiões, qualquer que seja a sua origem ou a extensão da sua influência, são meios para o ensinamento desse processo ao homem. Atualmente a lei do comportamento humano é "cada um por si". Isso ocorre porque não se conhece nem se percebe o fato de que todos são “um em Deus”. Este é o produto da prática espiritual (sadhana). É uma convicção que cresce lentamente, mas que deve ser adquirida. Durvasa, o grande sábio famoso nos épicos pelo seu ascetismo, também é conhecido pela sua raiva quando era menosprezado ou contrariado. Ele era tão sensível, egoísta e arrogante que se esquecera da unidade representada por “tudo em Deus”. Estava pronto a lançar uma terrível maldição quando alguém mostrava desconsideração pelo seu ego inflado. Nesse caso, de que valem todos os anos de austeridade? (Divino Discurso, 24 de maio de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

14 dezembro de 2021

Somente o homem tem a oportunidade de se libertar da roda de nascimentos e mortes pelos mais agradáveis meios ​​de servir a Deus. No entanto, por ignorância ou, o que é pior, por perversidade, ele deixa a oportunidade lhe escapar das mãos e  experimenta infindavelmente pesar e dor, medo e ansiedade. Ao escapar das garras da fascinação exercida por objetos materiais e prazeres físicos, o homem pode ter sucesso nos seus esforços para se liberar. Ele já viajou bastante pela estrada errada; agora é hora de retroceder e caminhar firmemente em direção à meta. O amor que cultivou por pessoas e objetos deve ser sublimado em pura adoração divina e então transmutado em devoção (bhakti). Convençam-se de que o Senhor está no seu interior como o cocheiro que segura as rédeas dos cinco cavalos (os sentidos) e lhes dá aconselhamento constante, como fez quando Arjuna Lhe implorou que o liderasse e guiasse. Aí será fácil para vocês se convencerem de que o mesmo cocheiro conduz e guia todos os outros homens e todos os seres. (Divino Discurso, 31 de julho de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

15 dezembro de 2021

O homem acumula riqueza, autoridade, fama e instrução para obter felicidade, mas descobre que elas trazem uma carga de medo, ansiedade e dor. O milionário é assediado por cobradores de impostos, trapaceiros, caçadores de doações, arrombadores de casas e também por filhos e parentes que reivindicam a sua parte! A felicidade de origem material é de curta duração e tem o infortúnio como o seu reverso! Esforcem-se, portanto, para realizar o Atma, para visualizar Deus; mesmo o fracasso nesta luta é mais nobre do que o sucesso em outras tentativas de ordem espiritual. Viver no corpo, com o corpo e pelo corpo é a vida de um verme! Viver no corpo, com Deus e para Deus é a vida do homem. Pessoas tamásicas, dadas à inércia e avessas a atividades, apegam-se ao ego e a amigos e parentes; o seu amor se limita a eles. Pessoas rajásicas, ativas e apaixonadas, buscam adquirir poder e prestígio e amam apenas aqueles que contribuem para isso. Já as sátvicas, que são puras, boas e cheias de equanimidade, amam a todos como personificações de Deus e se engajam em serviço humilde! (Divino Discurso, 24 de maio de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

16 dezembro de 2021

Orem ao Senhor pelo fortalecimento da convicção e da fé em que Ele é o Cocheiro em todos. Ele abrirá os seus olhos para a Verdade e lhes revelará que é o Eterno Condutor (Sanathana Sarathi) em todos. Essa revelação lhes conferirá bem-aventurança incomparável e afinidade  com a multiplicidade da Criação. É a razão pela qual Krishna disse a Duryodhana quando este Lhe implorou por ajuda contra os Pandavas na véspera da batalha: "Se você odeia os Pandavas, está Me odiando, porque eles Me reconheceram como o alento da sua vida". Saibam que Ele é a sua força, o seu alento, a sua inteligência, a sua alegria - tudo isso e muito mais. Então nenhuma faculdade sua poderá estorvar o seu progresso. Ele dirigirá todas elas - os sentidos, a mente, o subconsciente, o inconsciente, a inteligência - para a mais elevada Meta. A graça lhes conferirá tudo aquilo de que necessitam! (Divino Discurso, 31 de julho de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

17 dezembro de 2021

Vocês devem prosseguir do conhecido para o desconhecido. Então o amor se expandirá em círculos cada vez maiores até abranger toda a Natureza, até que mesmo arrancar uma folha de uma árvore os afetará de maneira tão dolorosa que não ousarão feri-la. A vitalidade verde da árvore é um sinal da Vontade Divina, que lança as suas raízes profundamente no solo. As raízes mantêm a árvore protegida das tempestades, segurando-a firmemente contra a violenta força do vento. Similarmente, se as raízes do amor no homem descerem até a fonte do Divino no seu interior, nenhuma tempestade de sofrimento poderá abalá-lo e fazê-lo descambar para a descrença. Assim como um torrão de açúcar adoça cada gota d'água na xícara, o olhar do amor torna todas as pessoas no mundo amáveis ​​e atraentes. As singelas leiteiras de Gokula viam-se umas às outras como Krishna, tal era o amor avassalador que sentiam pela Divina Encarnação. (Divino Discurso, 24 de maio de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

18 dezembro de 2021

Vocês devem cultivar o amor por todos, não importa quão distintos sejam o caráter e a capacidade de cada um. Embora o mesmo sangue flua pelo corpo inteiro, os olhos não podem cheirar, os ouvidos não podem sentir gosto e o nariz não pode ver. Não enfatizem demasiadamente as distinções nem entrem em contendas; enfatizem a fraternidade básica e o amor. Assim como o açúcar dissolvido em um copo d'água é invisível, mas evidente para a língua em cada gota, também o Divino é invisível, porém imanente, podendo ser experimentado em todo indivíduo, quer ele esteja no fundo ou no topo. Pratiquem a repetição dos Nomes do Senhor (Namasmarana) e saboreiem a doçura que está no âmago de todos eles. Permaneçam na Sua glória e na Sua compaixão, sintetizadas nesses Nomes. Então será mais fácil para vocês visualizá-Lo em todos, amá-Lo em todos e adorá-Lo em todos. (Divino Discurso, 31 de julho de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

 

19 dezembro de 2021

Certo dia, ao perseguir os exércitos de um monarca rival, um rei se separou das suas tropas na selva densa. Cavalgou por um longo caminho, exausto e faminto, até chegar a um eremitério. Havia ali um velho monge que o recebeu gentilmente e lhe ofereceu um bem-vindo copo de água fresca. Depois de um breve descanso, o rei fez ao anfitrião a pergunta que o atormentava: "Qual é o melhor serviço?" O eremita respondeu: "Dar um copo d'água a um homem sedento". "E qual é o melhor momento para prestar esse serviço?" A resposta foi: "Quando esse homem chegar de longe e sozinho, procurando um lugar onde possa obter essa água". O ato de servir não deve ser julgado de acordo com o custo ou a publicidade que acarreta; pode ser apenas o oferecimento de um copo d'água nas profundezas de uma selva. A necessidade daquele que recebe e a disposição da pessoa que oferece - são estas que determinam se o ato é de ouro ou de chumbo! (Divino Discurso, 24 de maio de 1967)

Sri Sathya Sai Baba

20 dezembro de 2021

Todo mundo se declara um aspirante espiritual (sadhaka). Todo aquele que crê afirma buscar a Deus. Deve-se perguntar se é o chamado devoto que busca a Deus ou se é Deus que procura um verdadeiro devoto. É o aspirante espiritual que serve a Deus ou é Deus que serve ao aspirante espiritual? O serviço prestado pelo sadhaka é trivial. Oferecer a Deus aquilo que Ele proveu é como oferecer ao Ganges água do próprio Ganges! Na verdade, é Deus quem presta serviço aos devotos. Todas as capacidades dadas por Ele devem ser usadas a serviço do Divino. Não há necessidade de ir em busca de Deus. Ele está o tempo todo procurando pelo devoto genuíno e constante. Mas o sadhaka se aproxima de Deus para a realização dos seus próprios desejos; está atrás de benefícios insignificantes e transitórios. Não procura compreender a natureza do amor verdadeiro ou a Divindade subjacente a tudo! (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1984)

Sri Sathya Sai Baba

 

21 dezembro de 2021

Por que se deve orar, meditar, contemplar Deus ou se envolver em boas ações quando, de qualquer forma, se está fadado a enfrentar as consequências das ações praticadas? Vocês podem não ser capazes de ver a própria transformação interior decorrente das suas boas ações e orações; podem nem mesmo ser capazes de visualizá-la mentalmente. Essa transformação, no entanto, certamente atrairá a graça de Deus. Vejam o exemplo de um frasco de comprimidos. Pode-se observar que o ano de validade mencionado no rótulo é 1994. Cinco anos mais tarde, o frasco e o seu conteúdo ainda poderão estar intactos. Entretanto, isso não significa que os comprimidos serão eficazes se forem usados. Poderão estar no frasco, mas terão perdido a potência após a data de validade. Da mesma forma, as consequências das próprias ações, sejam estas boas ou más, são inevitáveis, porém a graça divina deixará os seus efeitos prescreverem. (Divino Discurso, 3 de setembro de 1999)

Sri Sathya Sai Baba

 

22 dezembro de 2021

Na vida de um ser humano, o período entre os dezesseis e os trinta anos é o mais precioso, pois é aquele em que todas as suas faculdades e energias estão no auge. Sendo assim, ele deve se esforçar para aproveitar ao máximo esse período, desenvolvendo qualidades nobres, tais como autoconfiança, sacrifício, aspirações e coragem. Se esse tempo da vida for desperdiçado, só haverá fracassos nos anos posteriores. Maus pensamentos, práticas nocivas e maledicência devem ser totalmente evitados. Durante este período crucial, as pessoas devem procurar entender o propósito da vida e concentrar os seus esforços para alcançar os seus ideais. Nenhum esforço espiritual será possível se forem dissipadas habilidades físicas e mentais. É uma pena que os jovens usem mal esses anos preciosos das suas vidas, enveredando por maus caminhos. Swami espera que eles desenvolvam todos os seus dons humanos e levem vidas exemplares que serão uma lição para os outros. (Divino Discurso, 13 de janeiro de 1984)

Sri Sathya Sai Baba

 

23 dezembro de 2021

Toda a sua caridade e adoração não têm relevância para o Senhor. Mostrem a sua caridade e riqueza para a Receita Federal. Deus precisa apenas do seu amor, e não há imposto sobre o amor. Alguns se sentam em meditação (dhyana), porém a sua mente está no mercado ou no cabeleireiro. Será isso meditação ou repetição do Nome Divino (japa)? A mente deveria estar imersa em Krishna; mas, em vez disso, está repleta de desejos (trishna). É de Krishna que se necessita, não de trishna. Krishna realizará todos os seus trishnas. Queridos devotos! Não basta simplesmente cantar o nome do Senhor. Ofereçam o seu amor a Deus. O amor não é propriedade de vocês; ele, na verdade, pertence a Deus. Entreguem-Lhe o que é Seu. De que serve uma vida longa sem essa oferenda? Vocês não têm o direito de ofertar o seu amor a ninguém além de Deus. Se Lhe oferecerem todo o seu amor, Ele cuidará de todas as suas necessidades. (Divino Discurso, 3 de setembro de 1999)

Sri Sathya Sai Baba

24 dezembro de 2021

Em todas as religiões celebram-se os aniversários de grandes personalidades, porém os ideais pelos quais viveram não são lembrados nem seguidos. Se vocês não se importam em seguir os seus ensinamentos, as comemorações perdem o seu significado e tornam-se observâncias de natureza artificial. Elas não fazem justiça às almas nobres cujos aniversários se celebram. Cristo ensinou as pessoas a amar a todos os seres e servir a todos com compaixão. Somente praticando esses ideais é que se pode celebrar verdadeiramente o Seu aniversário! Cada ação deve refletir a Divindade interna. A Verdade tem por sede o coração. Adoração significa amar ao próximo de todo o coração. Vocês devem viver em amor e levar uma vida de serviço altruísta com base no amor. Esta é a única maneira certa de celebrar o nascimento de Cristo. Deus, na verdade, não tem nascimento nem morte. Ele é imutável e permanente. O Atma interno é apenas um reflexo de Deus e é o mesmo em todos os seres como uma Eterna Testemunha! (Divino Discurso, 25 de dezembro de 1992)

Sri Sathya Sai Baba
 

25 dezembro de 2021

Deus assume a dor e a tristeza do mundo a fim de preparar os corações dos homens para o Amor! Este dia marca o início da Era Cristã, o ano de Cristo. Ele sacrificou a Sua vida por aqueles que colocaram a sua fé Nele. Propagou a verdade de que o serviço é Deus e que o sacrifício é Deus. Mesmo que vocês vacilem na adoração a Deus, não vacilem no serviço aos deuses vivos que assumem a forma humana e se movem ao seu redor em grande número, usando múltiplos trajes e falas! Somente aqueles que podem derramar compaixão sobre o próximo podem reivindicar um lugar na graça divina. Esta é também a mais elevada disciplina espiritual; ela imprime em vocês a unidade da humanidade e a glória da imanência de Deus. Que esta disciplina de serviço (seva), assumida com genuína alegria, se espalhe por toda parte e que esta terra seja feliz e próspera! Que o mundo tenha paz, felicidade e confiança amorosa! Esta é Minha bênção. (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1970)

Sri Sathya Sai Baba

26 dezembro de 2021

Só o amor pode revelar a Divindade latente em tudo. O Amor é Deus. Vivam no Amor. O amor vive de dar e perdoar; o ego vive de tomar e esquecer. O amor é altruísmo; o egoísmo é falta de amor. Não desperdicem a sua vida perseguindo os estreitos interesses do ego. Amem! Amem! Tornem-se o que vocês realmente são - encarnações do Amor. Não importa como os outros os tratam ou o que pensam a seu respeito, não se preocupem com isso. Sigam Jesus Cristo. Vivam uma vida de amor para a sua própria evolução e não pelo que os outros dizem. Não imitem os outros. Cultivem a sua própria vida. Vocês têm o seu próprio coração, a sua própria opinião, as suas ideias, a sua vontade. Então por que imitar? A imitação é humana, mas a criação é divina. Sigam o caminho escolhido. Deixem que a sua própria experiência com Deus seja o seu guia e mestre. Não vão para o túmulo copiando os outros. Vocês não encontrarão Deus se O buscarem no mundo exterior. O seu próprio coração brilhando de Amor é o Amor de Deus. (Divino Discurso, 25 de dezembro de 1979)

Sri Sathya Sai Baba

 

27 dezembro de 2021

A compaixão por todas as criaturas é a maior virtude, e o dano intencional a qualquer criatura é o pior vício. Tenham plena fé nisto: espalhem amor e alegria por meio da compaixão e sejam vocês mesmos repletos de alegria e paz. Vocês não desfrutam de alegria e paz agora principalmente porque a sua visão é distorcida e oscilante, direcionada para as falhas e erros alheios, nunca para as falhas e erros de vocês. Similarmente, os seus ouvidos se deleitam com relatos de fracassos e fraquezas alheias, mas não se faz nenhuma tentativa para examinar os fracassos e fraquezas de vocês. Na verdade, o exame e a investigação devem começar pelo próprio indivíduo, pois o que ele vê nos outros é o reflexo de si mesmo, o reflexo dos seus próprios preconceitos e preferências. Além disso, quando a atenção está voltada para falhas e fracassos, vícios e erros, a mente também se contamina com essa poluição e passa a saborear apenas experiências dessa natureza. (Divino Discurso, 25 de outubro de 1974)

Sri Sathya Sai Baba

28 dezembro de 2021

Tornem-se parentes de Deus, sejam Seus amigos e parentes. Não aspirem a ser trabalhadores assalariados em Sua casa. Não exijam salários calculados e negociados. O trabalho realizado em troca de salário não será tão sincero e prazeroso quanto aquele que é realizado com amor e reverência. Irmãos e filhos não reivindicam o direito a diárias de determinados valores! Eles são muito bem cuidados pelo dono da casa; tudo lhes é fornecido, quer o exijam ou não! “Aqueles que não têm outro pensamento que não seja em Mim, que estão continuamente Me reverenciando - neles Eu sempre resido e para eles forneço recursos agora e futuramente" (Ananyas chintayanto mam, ye janah paryupasate Tesham nityabhi yuktanam, yogakshemam vahamyaham). O Senhor dá essa garantia na Gita. Quando a leem, muitos perguntam: “Bem, estamos fazendo esta adoração e tudo o mais; vejamos o que Ele faz por nós em troca". Mas reflitam bem: será que prestam atenção às condições estabelecidas para a concessão da Graça? (Discurso Divino, dezembro de 1966)

Sri Sathya Sai Baba

29 dezembro de 2021

Façam o máximo que puderem e o mais rapidamente possível. Se não podem fazer o bem, pelo menos se abstenham de fazer o mal ou de criticar aqueles que prestam serviço a vocês. Saibam que o serviço (seva) é um tipo de prática espiritual (sadhana) melhor até mesmo que a meditação (dhyana). Como poderá Deus apreciar a sua meditação se ao seu lado há alguém aflito a quem não tratam com bondade nem se esforçam de todas as maneiras para ajudar? Não permaneçam à parte, empenhados em conseguir a própria salvação por meio da repetição de mantras ou do Nome de Deus (japa) ou da meditação. Andem entre as pessoas procurando oportunidades para ajudá-las, mantendo o Nome de Deus na língua e a Sua Forma na mente. Essa é a prática espiritual mais elevada. “Rama no coração! Trabalho nas mãos!” (Dil me Ram! Hath me Kam!) Prossigam com esse espírito. A graça de Deus será derramada sobre vocês em plenitude! (Divino Discurso, 1º de fevereiro de 1970)

Sri Sathya Sai Baba

 

30 dezembro de 2021

Exteriormente, os versos que descrevem as travessuras de Krishna quando criança parecem retratar fatos objetivos, mas eles têm um profundo valor subjetivo. Vocês devem usar a imagem objetiva como uma chama para acender a emoção subjetiva da devoção. Por exemplo, há uma descrição do menino Krishna virando um pote de coalhada e fugindo com uma bola de manteiga; conta-se que a Mãe Yashodha descobriu o Seu esconderijo seguindo as pegadas impressas no chão pelas solas dos Seus Pés lambuzados de coalhada. A manteiga que o Senhor cobiça é o fruto da ioga, o produto final da batedura da mente por meio do discernimento (viveka). Ele adora se deleitar com essa manteiga e se afasta com ela  para a solitude da autorrealização. Vocês também podem descobrir o Senhor por meio das Suas pegadas, que podem ser achadas em todos os lugares, desde que se empreenda uma busca sincera com olhos treinados. Vocês as encontrarão onde quer que haja beleza, virtude, humildade, justiça, verdade, amor e paz. Os olhos têm que ser treinados para descobrir as pegadas de Deus; é assim que se deve dominar a mente. (Divino Discurso, 25 de outubro de 1966)

Sri Sathya Sai Baba

31 dezembro de 2021

A vida é uma curta peça de teatro no palco. Este corpo é como uma bolha. A mente é sempre instável. Na Gita, Arjuna confessa a Krishna que a mente, que está sempre vacilando, é difícil de controlar. Apesar disso, o homem deve se concentrar no seu verdadeiro destino. Qual é esse destino, a meta e o objetivo da vida? O Bhagavata e a Bhagavad Gita deixaram isso claro. O nosso destino é a fonte de onde viemos. Enquanto o indivíduo estiver preso ao mundo fenomênico (Prakriti), a sua mente será instável e vacilante. A declaração védica So-ham (“Ele é eu”) é demonstrada pela inalação feita durante a respiração. Quando vocês expiram e proferem Aham, estão abandonando o "eu". So-ham proclama a identidade do indivíduo e do Divino (“Eu sou Ele”). Essa identidade não será compreendida enquanto se estiver preso nos tentáculos do mundo material. (Divino Discurso, 11 de fevereiro de 1983)

Sri Sathya Sai Baba