Pensamento para o dia - dezembro 2019

1° de dezembro de 2019

“Quando uma lamparina é acesa a partir de outra, passa a haver duas luzes onde antes havia apenas uma. A primeira não parou de brilhar. É possível acender um milhão de lamparinas a partir de uma só; ainda assim, a primeira não sofrerá! O amor também é assim. Se compartilhado com um milhão, continua tão brilhante como quando estava sozinho. Quando cada casa na rua acende algumas lamparinas e as coloca na porta, no parapeito da janela, no portão, na varanda e assim por diante, qual é o efeito? A cidade se enche de luz, os residentes ficam felizes, as crianças dançam alegres e o céu brilha no fulgor da alegria terrena. A luz se espalha, misturando-se com outras fontes de luz! Não tem fronteiras, preconceitos ou favoritismos. Essa é a lição da luz e do amor. Compartilhe, expanda, abarque, espalhe, abandone os limites do meu, do seu e do dele, de casa e credo, em um mesmo e ilimitado fluxo de Amor. Essa é a culminação de toda disciplina espiritual!” (Divino Discurso, 29 de outubro de 1970)

Sathya Sai Baba

2 de dezembro de 2019

“Você pode se conectar com Deus por meio dos Caminhos do Conhecimento, da Devoção ou da Ação (jñana, bhakti ou karma marga). Pode-se viajar de primeira, segunda ou terceira classe no trem; o destino é o mesmo. O Caminho do Conhecimento (jñana) parte da suposição de que Deus é imanente e transcendente. O Caminho da Devoção (bhakti) crê que Deus é o Criador, Preservador e Destruidor, que Ele deve ser adorado e propiciado por meio de ações que Ele aprecia, que Deus é o Mestre e que é seu privilégio servi-Lo. O Caminho da Ação (karma) leva em conta uma terceira categoria – a Natureza! O homem precisa usar a Natureza, viver na Natureza, viver pela Natureza, sempre dedicando sua atividade à Glória de Deus, resignando-se à atividade de adoração, sem preocupar-se com os frutos advindos dela, pois eles estão nas mãos de Deus. As três cores – jñana, bhakti e karma – são diferentes apenas quando a luz branca de Deus atravessa o prisma da razão e da mente humanas. Ative-os na ação; eles são partes de um mesmo raio.” (Divino Discurso, 29 de outubro de 1970)

Sathya Sai Baba

3 de dezembro de 2019

“O amor se desenvolve primeiro no colo da mãe. Os olhos do amor se fixam no rosto carinhoso da mãe. Em seguida, o amor se espalha para o pai, os irmãos e irmãs, os parentes, os amigos e colegas, a região e o idioma, o mundo e seu Criador. O ‘eu’ que vive no corpo é como um leão em uma caverna. É o monarca da floresta, mas se limita a alguns poucos metros quadrados de chão rochoso. Que ele saia, renunciando àquela posse pequena. Enquanto vocês se confinarem à consciência corporal (‘eu sou o corpo’), serão como o leão vagueando infeliz na caverna úmida! Não sintam que são o corpo (dehosmi). Rujam ‘Brahmasmi (eu sou Brahman)!’ – eu sou tudo isto e muito mais, eu sou tudo o que isto já foi, é e será. Então, a pequenez, o tempo, o espaço, o ego, tudo isso fugirá do seu coração! Vocês serão Amor, Amor, Amor e nada mais. Quer dizer, vocês serão Divinos, unos com o Uno.” (Divino Discurso, 29 de outubro de 1970)

Sathya Sai Baba

4 de dezembro de 2019

“A vida humana é, sem dúvida, a mais alta na evolução e, para dar-lhe sentido, é essencial um esforço espiritual, esforço que seja puro e sagrado. Para esse modo de vida, o caráter é sumamente importante. O caráter torna a vida imortal; ele sobrevive até à morte. Alguns dizem que conhecimento é poder, mas isso não é verdade. Caráter é poder. Mesmo a aquisição de conhecimento exige um bom caráter. Portanto, todos devem desejar alcançar um caráter impecável, sem qualquer traço de maldade. Buda, Jesus Cristo, Shankaracharya e Vivekananda, bem como grandes sábios, santos e devotos do Senhor, estão guardados, até hoje, na memória dos homens! Que qualidade os tornou memoráveis para sempre? Foi o caráter de cada um. Sem caráter, a riqueza, a educação, a posição social, nada disso tem utilidade. O caráter é a fragrância da flor; o que dá valor e significado. Poetas, pintores, artistas e cientistas podem ser excelentes, cada um em seu próprio campo, mas sem caráter eles não poderão ter prestígio na sociedade.” (Prema Vahini, Capítulo 1)

Sathya Sai Baba

5 de dezembro de 2019

“Desenvolva fé no Princípio do Atma e ame-o sinceramente - essa é a autêntica veneração. O Atma é o único Bem-Amado do homem. Sinta que ele é mais digno de amor do que qualquer objeto, aqui ou além - essa é a verdadeira adoração que se pode oferecer a Deus. Você deve viver no mundo onde nasceu como o lótus, que, embora nasça na água, flutua sem ser afetado ou molhado por ela. É claro que é bom amar e adorar Deus com o intuito de obter algum fruto valioso, seja aqui ou além; mas, como não há fruto ou objeto mais precioso do que Deus ou que valha mais a pena que Deus, os Vedas nos recomendam amar a Deus sem nenhum traço de desejo em nossas mentes. Ame, pois você deve amar pelo próprio amor; ame a Deus, pois o que quer que Ele possa dar será sempre menos do que Ele Próprio; ame-O unicamente, sem qualquer outro anseio ou pedido.” (Sathya Sai Vahini, Cap. 1)

Sathya Sai Baba

6 de dezembro de 2019

“O caráter perfeito dura até o fim da vida de uma pessoa, e não termina no fim de todas as eras. Ele é imortal e está associado à centelha divina (Atma). Tais qualidades imortais são: compaixão, bondade, amor, tolerância, integridade e paciência. Os hábitos são criados somente por causa das ações com as quais nos envolvemos. Esses hábitos moldam a inteligência. Tudo o que criamos em nossa imaginação, nossas aspirações e ações deixam uma marca indelével na mente. Devido a esse fato, o homem desenvolve sua própria percepção do mundo. A condição atual do homem é o resultado de seu nascimento passado. Esses hábitos moldam o caráter do homem. Qualquer que seja a natureza deles, apenas pelo processo de imaginação e prática, ela pode ser modificada. Uma pessoa má não permanecerá assim para sempre. Angulimala, o criminoso, não se transformou em uma pessoa boa apenas pela visão divina (darshan) de Buda? O ladrão Ratnakara não se tornou Valmiki, o sábio? O homem tem dentro de si a capacidade de mudar suas más tendências e hábitos. Serviço altruísta, renúncia, devoção, oração, investigação: essas práticas permitirão o estabelecimento de uma nova conduta (svabhava).” (Prema Vahini, capítulo 1)

Sathya Sai Baba

7 de dezembro de 2019

“Para combater a tendência da identificação com o corpo e conquistar a graça de Deus, exercícios espirituais tais como investigação filosófica (tatva vicharana), controle da mente e dos sentidos (sama-dama) e outras seis etapas de disciplinas espirituais (shat-sampatti) foram prescritos. A prática de tais disciplinas garantirá a purificação da consciência, que se tornará como um espelho límpido, que pode refletir qualquer objeto, e a centelha divina (Atma) será revelada claramente. Para alcançar a mais elevada sabedoria (jñana-siddhi), a limpeza da consciência (chitta-suddhi) é o caminho real. Para os puros de coração, isso é fácil de conseguir. Esta é a verdade central da busca dos indianos (bharatiya) pela realidade última (Paramartha). Essa é a própria respiração vital dos ensinamentos.” (Sathya Sai Vahini, capítulo 1)

Sathya Sai Baba

8 de dezembro de 2019

“Assim como é a nossa visão, também é a criação. A cor da criação não mudará de acordo com a cor dos óculos que usamos? Existiram e também existem atualmente grandes mestres que demonstram ao homem as grandes alturas que uma pessoa pode alcançar, e também revelam o grande poder latente no corpo humano. A mente do homem é frequentemente desperdiçada ao vagar em coisas externas, em críticas aos outros e atividades similares. Quando alguém está sempre empenhado em ver falhas nos outros, como poderá alcançar a equanimidade mental (ekagrata)? Faça esta pergunta a você mesmo: se pessoas muito valorosas e grandiosas, que têm corpos físicos como eu, alcançaram um status tão elevado, por que minha posição deveria ser inferior? O que ganho em encontrar falhas nos outros? Eu devo procurar dentro de mim as minhas próprias falhas e manter minha mente sob controle. Fazer isso com firme determinação é o primeiro passo na prática espiritual.” (Prema Vahini, capítulo 3)

Sathya Sai Baba

9 de dezembro de 2019

“É preciso engajar-se em algum trabalho que seja útil para o mundo. Vá a comunidades e ajude a mantê-las limpas. Dê instruções às mulheres das comunidades sobre os princípios básicos de saúde infantil, cuidados na infância e educação infantil. Quando a saúde não é boa, as pessoas ficam desanimadas e até desesperadas. Quando a saúde prevalece, a vitalidade permeia a mente e o corpo. Pelo processo de serviço amoroso, você pode se tornar um promotor de muita alegria. Não considere nenhum ato de serviço como sendo humilhante. Varrer as ruas, por exemplo, não está abaixo da sua dignidade. Você não varre o chão da sua casa? Você não esfrega e lava a sujeira? Quando você realizar essas tarefas, os moradores da comunidade também terão prazer em compartilhá-las. Por que ter vergonha de ser bom? A zombaria que pode ser projetada sobre você tem sido a recompensa de muitos santos, e rapidamente desaparecerá.” (Discurso Divino, 1º de dezembro de 1982, Campus de Anantapur)

Sathya Sai Baba

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.