Pensamento para o dia - dezembro 2017

 

1° de dezembro de 2017

“Muitos anseiam obter de Mim o néctar (amrita). Mas qual é o benefício de meramente sorver algumas gotas de néctar criadas por Mim? É quando a característica sátvica (pura) vence e subjuga as características rajásicas e tamásicas (apaixonadas e ignorantes) nas batalhas que se seguem em cada coração, que amrita surge ali! Essa amrita que confere imortalidade deve ser conquistada pelas suas próprias práticas espirituais (Sadhana). As pessoas que praticam meditação ensinam um exercício chamado urdhva-drishti (visão ascendente) em que os dois olhos são direcionados para cima, até um ponto entre as sobrancelhas. Urdhva significa para cima e drishti significa olhar, então o termo significa, não um mero exercício físico, mas uma vida de esforço para direcionar sua mente a evitar e abster-se de desejos inferiores, e se elevar a pensamentos mais nobres. Tal esforço conquistará amrita, ela fluirá da fonte do coração!” (Discurso Divino, 11 de janeiro de 1968)

Sathya Sai Baba

2 de dezembro de 2017

“Aprenda uma lição com a árvore. Quando fica cheia de frutos, ela não levanta a cabeça com orgulho, ela se inclina para baixo, se inclina como se não ganhasse crédito por sua realização e como se ajudasse você a arrancar o fruto. Da mesma forma, aprenda uma lição com os pássaros. Eles alimentam aqueles que não podem voar muito. O pássaro alivia a coceira do búfalo raspando-o com o bico; eles ajudam e servem um ao outro, sem pensar em recompensa. Quanto mais alerta você deve ter além dos pássaros e das árvores com suas habilidades e faculdades superiores? Lembre-se, o serviço é a melhor cura para o egoísmo e, assim, você deve se envolver com ele para aliviar a dor e o sofrimento na medida em que você puder. Tente remediar, na medida do possível, a angústia dos outros. Quando feito com sinceridade, ele é a melhor prática espiritual para um verdadeiro aspirante espiritual.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1968)

Sathya Sai Baba

3 de dezembro de 2017

“O homem caminha com duas pernas: iha e para (este mundo e o outro), dharma e Brahman, retidão e Deus! Se alguém está totalmente absorvido neste mundo, a pessoa está escolhendo viajar por toda a vida com uma desvantagem, saltando em uma perna. Isso está cheio de problemas; a pessoa pode cair a qualquer momento e quebrar a canela. E a pessoa assim o faz! Bondade neste mundo e piedade para a vida após a morte - atenção igual deve ser dada a ambos. Deve-se estar vigilante ao dar um passo, seja qual for o pé. Ambos são essenciais para uma jornada feliz pela vida. Você deve colocar o pé direito, o passo Brahman, quando você entra na região da realização. Então, os sentidos devem ser conquistados. Go significa sentidos e Go-pi significa uma pessoa que subjugou os sentidos, como resultado de render-se a Go-pala, o mestre dos sentidos. Krishna disse uma vez a Arjuna que ele podia entrar em Vrajamandala (a região onde viviam os Gopis), apenas depois de dominar suas emoções e impulsos e sua tendência a ceder aos sentidos.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1968)

Sathya Sai Baba

4 de dezembro de 2017

“Algumas pessoas, com medo da crítica cínica de incrédulos, ficam relutantes em andar pelas ruas em grupos, cantando a glória de Deus, durante as primeiras horas da manhã! Quando você tem a própria Forma Sem Medo instalada em seu coração, por que o menor tremor de medo pode afetá-lo? Você entrou neste mundo sozinho, sem companheiro, não é? Durante os anos de vida, você reuniu esposa e filhos, parentes e amigos e conhecidos que se uniram a você. Quando você retorna ao reino do qual você veio, você entra sozinho, com ninguém para manter a companhia. Então, deixe a jornada do Nagarasankirtan acontecer. Entre na rua sozinho, reúna os parentes, se eles vierem até você, mova-se com eles despreocupados e inalterados, se deleite com sua própria solidão e, finalmente, entre em sua casa com a satisfação de que seu trabalho tenha sido bem feito. Os companheiros podem ridicularizá-lo como insano, mas essa insanidade é infecciosa e, muito em breve, até mesmo o irreverente se dobrará.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1970)

Sathya Sai Baba

5 de dezembro de 2017

“Apesar de muitos Navaratris e Shivaratris (festivais auspiciosos) que você assiste em lugares sagrados, a menos que você ilumine seu coração e o torne claro e puro, ele será envolto na escuridão, imerso apenas em ratri (noite). Você pode dizer que o progresso só é possível através da Minha Graça, mas, embora Meu coração seja macio como manteiga, ele só se derrete quando há um pouco de calor em sua oração. A menos que você faça algum esforço disciplinado e faça algum sadhana (atividades espirituais), a graça não pode descer sobre você. O anseio e a agonia do objetivo insatisfeito derretem Meu coração. Essa angústia (aavedana) conquista a graça. Sadhana deve torná-lo calmo, imperturbável, equilibrado e tranquilo. Sua mente deve ser fresca e reconfortante como a luz da lua, pois a lua é a deidade que influencia a mente. Seja calmo na fala, e em suas respostas à malícia, crítica e elogio.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969)

Sathya Sai Baba

6 de dezembro de 2017

“Há apenas um caminho real para a jornada espiritual – Amor; amor por todos os seres como manifestação da mesma Divindade que é a essência de si mesmo. Essa fé apenas garante a presença constante de Deus com você e lhe dá toda a alegria e coragem que você precisa para realizar a peregrinação de sua vida para Deus. Quando o reservatório está cheio de água e você liga as torneiras, então os baldes serão preenchidos. Cultive o amor e a devoção, então suas atividades serão saturadas de compaixão e caridade, e renderão a colheita dourada de alegria e paz. O amor deve ser altruísta e universal. Você julga por si mesmo se o seu amor é estreito ou amplo, e se a sua devoção é superficial ou profunda. Você está satisfeito com sua conquista? Examine você mesmo e pronuncie o veredicto sobre você, usando seu próprio discernimento.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1970)

Sathya Sai Baba

7 de dezembro de 2017

“A vida deve ser usada para acumular e salvaguardar a virtude e não a riqueza. Ouça e reflita sobre as histórias dos grandes heróis morais do passado, para que seus ideais possam ser impressos em seu coração. Hoje em dia, a virtude está se tornando rara no indivíduo, na família, na sociedade e na comunidade, bem como em todos os campos, seja econômico, político e mesmo ‘espiritual’. Igualmente, há um declínio na disciplina, que é o solo em que a virtude cresce. Respeite a todos. A menos que cada um seja respeitado, seja qual for seu status, condição econômica ou desenvolvimento espiritual, não pode haver paz e felicidade na vida. Este respeito só pode ser despertado pela convicção de que o mesmo Atma (Self) que está em você está desempenhando o papel de outra pessoa. Veja esse Atma nos outros, sinta que eles também têm fome, sede, anseio e desejos como você tem; desenvolva a simpatia e a ansiedade para servir e ser útil.” (Discurso Divino, 22 de fevereiro de 1968)

Sathya Sai Baba

8 de dezembro de 2017

“Você pode ter testemunhado festivais de carruagens (Rathotsavam) em centros de peregrinação. As grandes carruagens do templo são maravilhosamente decoradas com bandeiras e grinaldas, fortes grupos de homens as carregam ao longo das estradas ao som de zarabatanas e conchas, e grupos de dança e cantores precedem, aumentando a alegria da ocasião. Milhares se aglomeram em torno da carruagem sagrada. Sua atenção é naturalmente atraída para o entretenimento, mas eles se sentem mais felizes quando juntam suas mãos e se curvam diante do Ídolo na carruagem. O resto é secundário, mesmo irrelevante. Igualmente, no processo da vida, o corpo é a carruagem, e o Atma é o Ídolo ali instalado. Ganhar e gastar, rir e chorar, ferir e curar, e as várias acrobacias na vida diária são apenas secundárias para a adoração e união com Deus.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969)

Sathya Sai Baba

9 de dezembro de 2017

“A vaca transforma a grama e a aveia em leite doce que dá força e o entrega em abundância ao seu mestre. Desenvolva essa qualidade, esse poder para transformar os alimentos que você consome, em doces pensamentos, palavras e ações de compaixão para todos. Quando o seu coração estiver cheio de virtudes, o Senhor derramará Sua graça abundantemente. Draupadi conquistou a Graça do Senhor através de sua devoção e virtudes. Sem firmeza e profundidade de fé, ninguém pode receber a Graça. Esforce-se para ganhar a Graça, observando a disciplina que Eu gostaria que você seguisse. Desista de seus modos mundanos de ganhar e gastar, economizar e acumular com ganância, luxúria, malícia e orgulho. Não perca tempo com fofocas. Fale suave e docemente, e fale o mínimo possível. Sirva a todos como irmãos e irmãs adorando o Senhor neles. Envolva-se em sadhana; mova cada passo como convém a uma pessoa que se esforça para realizar Deus.” (Discurso Divino, 11 de janeiro de 1968)

Sathya Sai Baba

10 de dezembro de 2017

“Todas as manhãs, pergunte a si mesmo: “Qual é a grande vitória que devo me esforçar nesta vida, para a qual essas lutas estão me preparando?” Lembre-se de que seu corpo é a carruagem, o intelecto (buddhi) é o cocheiro, os desejos são as estradas que você trilha, conduzidos pela corda dos apegos sensuais e a libertação (moksha) é o objetivo: o Eu Divino interior deve ser o seu Guia e Meta. Se você anseia escapar das consequências de nascimento e morte, limpe sua mente de forma tão eficaz que ela seja quase eliminada! Isso só é possível quando você se identifica com o Morador dentro de você (Dehi) e não com o corpo (Deha)! Seu corpo é o invólucro do Atma, ganho como recompensa por suas atividades de mente e corpo. Quando você vive na consciência do Omnipresente Divino, você vive em amor - o amor que flui dentro e através de você, para todos ao seu redor. Naturalmente, você experimentará amor, paz e alegria sempre!” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969)

Sathya Sai Baba

11 de dezembro de 2017

“Na pesca, o pescador usa uma vara e uma linha. Essa linha tem uma boia a partir da qual pendura dentro da água um anzol afiado com uma minhoca. O peixe é atraído pela minhoca para o anzol, a boia vibra, o pescador sente a puxada do peixe na linha, e ele o traz para terra, onde fica impotente e incapaz de respirar. Seu corpo é a vara, seu anseio ou a impaciência é a linha, sua inteligência é a boia, o discernimento é o anzol e o conhecimento é a minhoca; um pescador inteligente pega assim o peixe do Divino (Atma)! Quando você consegue sabedoria espiritual, você é atraído pelo Divino (Kaivalyam). Kaivalyam é o estado em que você experimenta o Senhor como abrangente, como Vontade, como Atividade, como Bem-aventurança, como Inteligência e como Existência. Para estar firmemente estabelecido neste Divino Estado, você deve suprimir a sua ignorância (tamas), sublimar suas paixões (rajas) e cultivar a pureza assiduamente (sathwa).” (Discurso Divino, 26 de fevereiro de 1968)

Sathya Sai Baba

12 de dezembro de 2017

“Milhões recitam o Nome do Senhor, mas poucos têm fé constante! Menos buscam a bem-aventurança (Ananda) que a contemplação sobre a glória que o Deus interior, o Atma, pode conferir. Algumas pessoas reclamam que a recitação (japam) não curou sua dor, tristeza ou ganância! É porque elas recorrem mecanicamente a orações e meditam por hábito ou por conformidade social ou para ganhar reputação pela religiosidade! Quando as pessoas que aprenderam as preciosas escrituras que revelam Atma-vidya (ciência do Eu Superior) não colocam em prática o que repetem oralmente e não têm fé nas afirmações, que lucros podem obter com isso? O câncer da dúvida minou sua atitude reverente pelas escrituras. Elas reduzem as escrituras a dispositivos de ganhar dinheiro ou fama, e quando não recebem dinheiro ou fama através delas, ficam desapontadas. Elas invejam aqueles que seguem ocupações seculares. Mas se elas apenas desenvolvessem fé, as próprias escrituras as promoveriam e assegurariam a elas uma vida feliz e contente.” (Discurso Divino, 23 de fevereiro de 1968)

Sathya Sai Baba

13 de dezembro de 2017

“Não se aflija, nem seja a causa do sofrimento. A própria encarnação de Ananda (Bem-aventurança) está em você, como em outros, como em tudo o mais. Apesar de uma multiplicidade de recipientes, o conteúdo é o mesmo. Esse é o princípio de Sat, Chit e Ananda (Ser, Consciência, Bem-aventurança). O átomo mais minúsculo e a estrela mais poderosa - ambos são basicamente um. Todos são, na verdade, Brahman ou Divino. Você lê nos livros sagrados que o Senhor Vishnu tem Garuda (Águia) como Seu veículo, que Shiva tem Nandi (Touro) como Seu veículo, que o Senhor Brahma passeia em um Hamsa (Cisne), que o Senhor Subrahmanya viaja em um pavão e que Shani tem o corvo como Seu veículo. Ganesha monta no camundongo, embora ele seja incrivelmente corpulento e tenha a cabeça de um elefante! Isso não significa que os deuses são indefesos sem essas feras e pássaros como instrumentos de locomoção. Só revela que nenhum pássaro ou fera deve ser desprezado, pois o Divino está usando cada um como Seu instrumento. Visto como deha (corpo), todos são distintos; visto como dehi (a encarnação), Brahman, todos são Um.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969)

Sathya Sai Baba

14 de dezembro de 2017

“Sua mente está muito cheia do mundo e seu estômago exige muito de seu tempo e energia. Desejos e necessidades se multiplicam mais rápido do que a sua capacidade de satisfazê-los e seus sonhos são muito fantasiosos, levando-os a falsas vitórias e aventuras absurdas. Absortos na análise do mundo material, você perdeu todo o senso de espírito, doçura e sublimidade. Sob esta nova dispensação, a verdade é mais uma palavra no dicionário. A compaixão é reduzida a uma paródia sem sentido. As pessoas não têm autoconfiança. Mesmo com a menor provocação, você é rapidamente transformado em uma besta selvagem e viciosa. Humildade, paciência, reverência - são tão inválidos como uma lamparina sem fogo à longa distancia. A única esperança que você tem na terrível escuridão de hoje é o nome de Deus. Essa é a balsa que irá levá-lo através deste mar tempestuoso, escurecido pelo ódio e pelo medo, e agitado pela ansiedade e pelo terror. Tome-O com todo fervor e fé firme.” (Discurso Divino, 26 de fevereiro de 1968)

Sathya Sai Baba

15 de dezembro de 2017

“O esforço espiritual (sadhana) revelará a verdadeira identidade do Eu Divino Omnipresente. Mas tenha cuidado. Sadhana pode promover o orgulho e a inveja como um subproduto do progresso. Você calcula quantas vezes ou quanto tempo você fez Sadhana e está tentado a menosprezar aquele cujo esforço é menor. Você se orgulha por ter recitado ou escrito o nome do Senhor dez milhões de vezes; você fala sobre isso sempre que tem a chance para que outros possam admirar sua fé e sua fortaleza. Mas não são os milhões que contam. O que importa é a pureza da mente que resulta da concentração genuína no Nome. Seu Sadhana não deve ser como levar água em uma cesta de cana! Você não consegue água por mais frequente ou distante que andar. Cada vício é um buraco na cesta de cana. Mantenha o coração puro e são. Você também deve remover cuidadosamente do seu coração malícia, ganância, ódio e raiva.” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969) 

Sathya Sai Baba

16 de dezembro de 2017

“O Sábio Patanjali define Yoga como o controle (nirodha) das agitações (vrittis) de sua mente (chitta). Quando sua mente se aquieta e se livra das ondas produzidas pelo vento do desejo, então você se torna um Yogi! O Senhor Krishna é chamado Yogeeshwara na Gita, pois, como o Yogi mais elevado, Ele é o oceano que não é afetado pelas ondas que agitam a superfície. Na verdade, o jovem Senhor Krishna dançou sobre o topo da serpente Kaliya e a forçou a vomitar seu veneno! O significado interno é que Ele tornou a serpente venenosa (desejos sensuais) inofensiva! Yoga que lhe permite praticar o controle dos sentidos, e não apenas o controle da respiração, é a melhor maneira de atingir o Yogeeshwara. Transcenda a "consciência múltipla" (anekatwa bhava) e cultive 'Consciência Única' (ekatwa bhava)! Isso acabará com conflitos, sofrimento, dor e orgulho. Veja todas as expressões do Senhor Único como múltiplas lâmpadas de várias cores e potências iluminadas pela mesma corrente.” (Discurso Divino, 10 de maio de 1969) 

Sathya Sai Baba

17 de dezembro de 2017

“Ideias de superioridade e inferioridade surgem apenas em um coração corrompido pelo egoísmo. Se alguém argumenta que é superior e seu caminho para a adoração é mais sagrado, é prova de que perdeu o cerne da fé. Os esforços espirituais (sadhana) devem revelar a unidade em toda a criação. Pergunte a si mesmo: quando você se levanta após bhajans ou meditação, você vê todos em uma luz mais clara, como dotada de Divindade? Você ama mais, você fala menos, você serve os outros com mais fervor? Estes são os sinais de sucesso em Sadhana. Seu progresso deve ser autenticado pelo seu caráter e comportamento. Mesmo uma pedra irá, através da ação do sol, chuva, calor e frio, desintegrar-se em lama e tornar-se alimento para uma árvore. Sadhana deve transmutar sua atitude em relação a seres e coisas; senão é uma fraude, um desperdício de seu tempo! Lembre-se, mesmo os corações mais difíceis podem ser suavizados e o Divino brotará nele - então, não desista!” (Discurso Divino, 13 de janeiro de 1969) 

Sathya Sai Baba

18 de dezembro de 2017

“O rosário (japamala) é muito útil para os iniciantes no caminho espiritual, mas, à medida que você progride, o japa ou a repetição do Nome devem se tornar o próprio sopro da sua vida e, assim, a rotação de contas torna-se supérflua. A prática deve levá-lo a "Sarvada sarva kaleshu sarvatra Hari chintanam", o que significa que se deve meditar sempre sobre o Senhor, em todos os momentos e em todos os lugares. Assim como você descarta o salva vidas depois de aprender a nadar, e as muletas quando você começa a andar, o japamala é apenas um instrumento para ajudar na concentração e na contemplação sistemática. Mais importante ainda, não tenha espinhos de ódio em sua mente e desenvolva prema (Amor) em relação a todos. O desejo é uma tempestade, a ganância é um redemoinho, o orgulho é um precipício, o apego é uma avalanche e o egoísmo é um vulcão. Mantenha essas coisas afastadas para que, quando você fizer japa-dhyana (contemplação meditativa), elas não perturbem a equanimidade. Deixe o amor ser entronizado em seu coração. Então, haverá sol, brisa agradável e águas borbulhantes de satisfação alimentando as raízes da fé.” (Discurso Divino, 10 de maio de 1969) 

Sathya Sai Baba

19 de dezembro de 2017

“De que adianta você simplesmente adorar o nome e forma de Deus de sua escolha, sem tentar cultivar o samatwa (amor igual para todos) que Deus tem, Sua equanimidade imperturbável (shanti), Seu amor abundante (prema), Sua infinita paciência e fortaleza (sahana) e Sua natureza sempre bem-aventurada (ananda)? Nas suas palestras, você elabora os incidentes que são descritos como "milagres" nos livros escritos sobre Mim como os poderes únicos de Sai. Peço-lhe para não dar importância a estes. Não exagere seu significado; o poder mais significativo e importante é o Meu amor altruísta (Prema). Eu posso transformar o céu em terra, ou terra em céu, mas isso não é sinal de força divina. O amor abundante que é universal e sempre presente - este é o sinal único da Divindade. Não caia no erro de considerar alguns dignos de reverência e alguns indignos. Sai está em cada um, então todos merecem sua reverência e serviço!” (Discurso Divino, 17 de maio de 1968) 

Sathya Sai Baba

20 de dezembro de 2017

“Deus é imanente no mundo. Então, trate o mundo tão amorosamente quanto você trata seu Mestre. Sirva, seja qual for o obstáculo ou o escárnio cínico que você possa atrair. A tortura que seu pai infligiu para afastar sua mente de Deus ajudou a revelar a devoção implacável de Prahlada. A maldade de Ravana serviu para revelar o poder do arco de Rama. Caluniadores como Shishupala, Dantavakra, Ravana e Kamsa são acessórios inevitáveis de cada encarnação. Quando você tenta cultivar e compartilhar virtudes, amor altruísta e fortaleza, problemas e trabalho seguirão naturalmente. Você deve acolhê-los, pois sem eles o melhor em você não pode ser extraído. Se o ouro fosse tão abundante quanto o pó ou os diamantes tão facilmente disponíveis quanto os seixos, ninguém se importaria com eles. Lembre-se, os metais preciosos são conquistados após enormes esforços e despesas, e é por isso que eles são sempre procurados ansiosamente!” (Discurso Divino, 17 de maio de 1968) 

Sathya Sai Baba

21 de dezembro de 2017

“Descobrimos que, mesmo entre os altamente educados, poucos ajudam os pais idosos e dão-lhes uma fração dos confortos que eles mesmos proferem. Cada um está imerso em garantir seu próprio padrão de vida. Por quanto tempo você pode viver esse padrão de vida? Chegará um dia em que você deverá despedir-se de tudo o que você obteve com astúcia e esperteza, infligindo muita dor e tristeza, descontentamento e angústia. O serviço aos pais, aos anciãos e aos que sofrem dá alegria e satisfação sem comparação. Virtude e retidão - estes irão testemunhar em seu nome no Dia do Juízo; nem sua conta bancária nem suas declarações de imposto de renda falarão por você. Já o Princípio Divino está além da sua experiência, porque você não está pronto para dar o seu melhor aos outros, aqueles quem também contêm o mesmo Princípio. Quando você estiver pronto para dar, você terá direito a tomar; não antes. Ame e coopere. Ajude e sirva.” (Discurso Divino, 22 de novembro de 1969) 

Sathya Sai Baba

22 de dezembro de 2017

“Dharmakshetra e Kurukshethra não são apenas lugares próximos a Delhi ou Hastinapur no mapa da Índia. Nem os Pandavas e os Kauravas são apenas clãs principescos que figuram no conto. O corpo humano é chamado de kshetra (campo) e, assim, Dharmakshetra está em cada um. Quando o dono do corpo descarta todos os desejos, paixões e impulsos, então o corpo torna-se Dharma-kshetra (o campo da retidão)! Uma criança tem apenas Dharmakshetra em seu coração, pois não desenvolveu desejos sensuais. Aceita o que for oferecido. Seu ego ainda não está ramificado no mundo objetivo da multiplicidade. Mais tarde, quando cresce ramos e folhagens, o Dharmakshetra toma a forma de Kurukshetra - o campo de batalha onde a mente luta entre esperança e desespero, e é forçada a consumir os diversos frutos, doces e amargos, como resultado de sua própria escolha de ações. As ações iluminadas por Jnana ou sabedoria trazem sucesso. O Jnana de que somente Deus existe pode obter a graça de Deus!” (Discurso Divino, 12 de maio de 1969) 

Sathya Sai Baba

23 de dezembro de 2017

“Seja regular nas horas que você dedica a Japam ou a repetição do nome de Deus. Nos feriados, quando você não se preocupa com escritório ou compras, faça mais Japam até tarde da manhã. Faça com amor e entusiasmo. Fazer isso deve se tornar natural para você. A Graça do Guru ajuda muito; você pode conseguir a Sua graça pelos seus esforços e oração sincera. Vivekananda estava entrando no ateísmo e no agnosticismo ao ler mais e mais livros, mas um toque da mão de Sri Ramakrishna Paramahamsa, seu Guru, o transformou completamente. Você também pode ganhar essa Graça, por seus esforços e oração sincera. Antes de começar a meditação, entoe Soham, inalando So e exalando Ham. Soham significa 'Ele sou eu', isso identifica você com o Infinito e expande sua Consciência. Harmonize sua respiração e seus pensamentos. Respire suavemente e naturalmente; não a torne artificial e laboriosa. Deve fluir para dentro e para fora, suave e silenciosa!” (Discurso Divino, 10 de maio de 1969)

Sathya Sai Baba

24 de dezembro de 2017

“Muito mais benéfico do que honrar o grande é a prática de amá-lo. Elogios e louvores o elevarão a um pedestal inacessível. O amor liga um coração a outro. A gratidão pela inspiração e instrução recebida deve unir corações apaixonados. A celebração do natal não deve incluir canções, bastões, árvores artificiais e Papai Noel. Deve ser mergulhada na resolução de praticar pelo menos poucas lições que Jesus nos ensinou. A primeira necessidade é a fé em Deus e na nossa própria Natureza Divina. A alegria espiritual, a apreciação e a visão (Darshan) de Deus devem tornar-se o sopro natural da vida e o propósito de sua existência. Jesus ensinou com preceito e exemplo à humanidade o princípio Atmico, que é a fonte eterna da bem-aventurança. Seja lá o que fizer, onde quer que esteja, independente do que aconteça, esteja convencido de que você está sempre em Deus. Saiba que tudo é Divino e todos os atos são oferendas para a glória de Deus. Desta forma, torne sua vida frutífera.” (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1982) 

Sathya Sai Baba

25 de dezembro de 2017

“Jesus era supremamente puro e sagrado. Esquecer os ensinamentos de Jesus e professar amor por ele não é amor. Você deve se lembrar: "Deus é um. O amor é Deus. Viva no amor". Não basta invocar o nome de Jesus e orar para Ele sem considerar a sua mensagem mais importante: "Deus está em todos. Não insulte ninguém. Não cause danos a ninguém". Esta foi a maior mensagem de Jesus. Jesus sacrificou sua vida para estabelecer "Paz na terra e boa vontade entre todos os seres humanos". Sem paz a humanidade não consegue alcançar progressos em nenhuma esfera, seja ela material, espiritual ou moral. O que o mundo precisa hoje é a força de amortização e unificadora do amor que Jesus deu - o amor que se expande continuamente e abraça cada vez mais pessoas. A humanidade deve se tornar uma família. O mundo se tornará um paraíso. Por isso, hoje em dia, desista de ideias estreitas em relação à sua religião, nação, casta ou credo e desenvolva uma visão ampla. Desejo-lhe toda a felicidade.” (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1985)  

Sathya Sai Baba

26 de dezembro de 2017

“Jesus era compaixão (karuna) vinda na forma humana. Ele espalhou o espírito de compaixão e conferiu consolo aos aflitos e aos sofredores. As boas obras sempre provocam os ímpios. Mas não se deve falhar ou temer quando a oposição obstruir. O desafio dá alegria, evoca fontes escondidas de força e traz a graça para avigorar o esforço. O prazer surge durante o intervalo entre duas dores. É preciso lutar contra dificuldades para provar o prazer da vitória. Jesus foi alvo de muitos obstáculos poderosos e Ele enfrentou todos eles. Jesus foi o amor encarnado. Ele manifestou amor na forma de serviço. Jesus se exauriu nesse serviço. O coração cheio de compaixão é verdadeiramente o templo de Deus. Desenvolva compaixão. Sirva comida aos famintos, alívio ao desamparado e consolo aos doentes e sofredores. Viva em amor. Seja bom, faça o bem e veja o bem. Este é o caminho para Deus.” (Discurso Divino, 25 de dezembro de 1981)  

Sathya Sai Baba

27 de dezembro de 2017

“Desenvolva sentimentos fraternos por todos. Deus é um. O amor é um. Amor genuíno transcende casta, cor e credo. A verdade é uma. O objetivo é um. Pois, todas as estradas devem levar ao Deus único. Como então você pode brigar e lutar com seus irmãos? Nossa cultura tem enfatizado as formas válidas nas quais você deve usar sua energia e dinheiro - servir os aflitos, os doentes, os famintos, os analfabetos, mal alojados e os mal vestidos. Ela condena o gasto de energia e dinheiro para pompa, vingança, competição e triunfos materiais. A riqueza deve ser alcançada pela fé e usada para promover a fraternidade do homem e a paternidade de Deus. Também estabelece claramente que nada deve ser feito para prejudicar a fé de alguém em Deus ou em si mesmo. A fé é uma planta delicada e precisa de todo sustento que você puder dar.” (Discurso Divino, 12 de maio de 1969)    

Sathya Sai Baba

28 de dezembro de 2017

“A hipocrisia é desenfreada atualmente no campo espiritual mais do que nunca. Existe ferro e ímã. O ímã vai atrair o ferro para si próprio; esse é o destino de ambos. Mas, se o ferro estiver coberto de ferrugem, a graça do ímã pode não funcionar forte o suficiente para atrair o ferro. A ganância pelo prazer sensual certamente irá agir como ferrugem! Atua como pó, o que induz à ferrugem. Ela acabará por arruinar o ferro e mudar sua natureza inata. Então, o ferro deve ser testado constantemente e limpo. Assim, quando entrar em contato com o ímã, ele também ganhará a qualidade magnética e atingirá seu objetivo. Essa conquista é a melhor, tanto para o ímã como para o ferro. A poeira da ganância sensual pode ser evitada mantendo boa companhia e colocando em prática os axiomas de boa conduta que se aprende com isso!” (Discurso Divino, 11 de março de 1968)    

Sathya Sai Baba

29 de dezembro de 2017

“Você gosta do ruído de um corvo? Você afugenta o corvo quando começa a "grasnar"! Sua voz é áspera e muito alta! Por outro lado, o cuco parece exatamente como o corvo, mas todo mundo gosta de ouvir sua voz doce, não é? Deus abençoou você com uma língua para expressar seus pensamentos, ideias, sentimentos, desejos, orações, alegrias e tristezas. Se você está com raiva, você a usa para proferir palavras ásperas em um tom alto. Quando você está feliz, usa-a para falar palavras suaves com uma voz baixa e agradável. Peço que use a sua língua apenas para o seu bem e o bem dos outros. Se você fala rudemente com outra pessoa, ela também responderá alto e severamente; palavras raivosas levam a reações mais raivosas. Mas se você usar palavras suaves e doces quando outra pessoa estiver brava com você, ela se acalmará e lamentará ter usado a língua dessa maneira. Então, sempre fale suave e docemente!” (Discurso Divino, 16 de maio de 1969)       

Sathya Sai Baba

30 de dezembro de 2017

“Faça uma lista de todas as coisas pelas quais você lamentou até agora. Você verá que ansiou apenas por coisas insignificantes, por distinções momentâneas e por fama fugaz. De agora em diante, você deve lutar apenas por Deus, para sua própria purificação e consumação. Você deve lastimar, lamuriando pelas seis cobras que se abrigaram em sua mente, envenenando-a com seu veneno - cobiça, raiva, ganância, apego, orgulho e malícia. Aquiete-as como o encantador de serpentes faz com sua flauta balançante. A música que pode domar é o canto em voz alta do nome de Deus. E quando elas estiverem muito intoxicadas para se mover e causar mal, pegue-as pelo pescoço e remova suas presas como faz o encantador. Posteriormente, elas podem ser seus brinquedos; você poderá manuseá-las como quiser. Quando elas forem subjugadas, você ganhará equanimidade. Você não será afetado por honra ou desonra, lucro ou perda, alegria ou tristeza!” (Discurso Divino, 26 de março de 1968)      

Sathya Sai Baba

31 de dezembro de 2017

“O amor por Deus pode crescer apenas em um coração bem arado, livre de ervas daninhas. Então prepare seu coração através de Namasmarana (recitação constante do nome divino). Isso se chama Chitta shuddhi yoga - O caminho da limpeza da Consciência. Carregue cada segundo de tempo com a corrente Divina que emana do nome. Tenha o nome do Senhor sempre em sua língua e em sua respiração. Isso evocará a Sua forma, como o núcleo interior de todas as coisas, de todo pensamento e da mudança de eventos. Isso proporcionará sua companhia, e contato com Sua energia e bem-aventurança infalíveis. Isso é o Satsanga (boa associação) que lhe dá o máximo benefício. Converse com Deus que está em você e obtenha coragem e consolo Dele. Ele é o Guru mais interessado em seu progresso. Não busque o Guru fora de você, em ermidas ou lugares sagrados. O Deus em você é pai, mãe, preceptor e amigo. Deus é amor; Viva em Amor - essa é a direção indicada pelos sábios.” (Discurso Divino, 01 de março de 1968)          

Sathya Sai Baba

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.