Natal
25 de dezembro

... E diz a história:

 

Havia uma estrela no céu, que caiu como uma nova luz, e isso guiou alguns tibetanos e outros ao lugar onde nasceu o Salvador. Esta história é lida e tida como certa por muitos, ainda que estrelas não caiam nem se movam tão subitamente. O que a história significa é isto: havia uma enorme aura de esplendor que iluminava o céu acima da aldeia onde nasceu Cristo. Isso significou que Aquele que ia vencer a obscuridade do mal e da ignorância havia nascido; que Ele ia difundir a luz do Amor no coração do homem e nos dirigentes da humanidade. A aparição de esplendor e outros sinais para anunciar a era que havia se iniciado são naturais quando se apresentam as Encarnações (Divinas) na Terra. Jesus haveria de despedaçar a escuridão que havia envolvido o mundo, e a aura de luz era um sinal que anunciava o acontecimento. Os Mestres chegam em resposta à prece do homem: thamaso maa jyothir gamaya – “Das trevas, conduze-nos à Luz”.

 

Neste Natal, quando celebramos o nascimento de Cristo, decidam levar uma vida de serviço amoroso ao necessitado, ao desvalido, ao angustiado, ao desconsolado. Cultivem tolerância e paciência, caridade e magnanimidade. Conservem com carinho os ideais que Ele estabeleceu e pratiquem-nos em sua vida cotidiana. A forma como celebram atualmente o Natal mostra o quanto os homens têm-se afastado desses ideais, quanta ignomínia estão acumulando sobre o Seu nome! Reverencia-se a hora da meia-noite, prepara-se a iluminação, monta-se a árvore de Natal e depois se passa a noite dançando e bebendo. É um dia de felicidade sagrada. Mas a felicidade se reduz à excitação intoxicante da embriaguez! A bebida é um hábito tão pernicioso que, quando um homem toca a garrafa, fica preso a ela e não pode escapar! Primeiro, o homem bebe o vinho; depois, o vinho bebe mais vinho; e, finalmente, o vinho bebe o próprio homem, que afunda e se afoga na bebida!

 

A bebida alcoólica destrói a humanidade no homem! Como pode a bebida desenvolver a Divindade nele? Devem dançar com alegria divina, mas, em vez disso, entregam-se ao bailado sensual como substituto pernicioso!  Tornem puros os seus corações, santas as suas atividades e benéficos os seus sentimentos para com todos! Essa é a melhor maneira de celebrar o nascimento de Cristo.

Sai Baba – Natal em Bangalore – 24/12/1972

 

Jesus nasceu como Karanajanma, um Mestre vindo ao mundo com um propósito: a missão de restaurar o Amor, a Caridade e a Compaixão no coração do homem. Ele não tinha apego ao ego, nem dava atenção à alegria ou tristeza, perda ou ganho. Tinha um coração que respondia ao apelo dos angustiados e caminhou pela Terra pregando a lição do Amor. Sua vida foi uma oferenda pela elevação da humanidade.

 

Jesus era honrado pela população como Cristo, pois não encontravam em Seus pensamentos, palavras e atos nenhum traço de ego. Ele não tinha inveja ou ódio e era cheio de amor e caridade, humildade e simpatia. O nome original de Jesus era ISA, que, quando repetido, torna-se SAI. ISA ou SAI, ambos significam ISHVARA, Deus, o Eterno Absoluto, o SAT-CHIT-ANANDA (Existência, Consciência e Bem-Aventurança). No manuscrito tibetano, no monastério onde ISA passou alguns anos*, Seu nome está escrito como ISHA, que significa “o Senhor de todos os seres vivos”.

Sai Baba - Natal em Prashanti Nilayam - 25/12/78

 

*Nota: Swami está se referindo à passagem de Jesus pelo Tibete, Índia, etc., durante o período que vai dos Seus 12 aos 30 anos, ao qual a Bíblia não faz referência.

 

Jesus era a compaixão em forma humana. Difundiu o espírito de compaixão e conferiu alívio e consolo aos pobres e aos aflitos. Vendo o sacrifício de pombos e cordeiros no templo de Jerusalém, repreendeu os vendedores e expulsou-os do lugar e, com isso, atraiu a ira dos sacerdotes. As boas obras sempre provocam os perversos, mas não se deve vacilar ou temer quando um obstáculo se interpõe. O desafio traz alegria; faz surgir fontes de energia e forças que estavam ocultas, atrai a graça que reforça o empenho. Jesus enfrentou vários obstáculos poderosos e os encarou a todos. Como resultado disso, Seu nome, Sua vida e Sua mensagem irradiam uma esplendorosa luz até hoje em todo o mundo.

 

Jesus era amor. O amor deve juntar a todos os fiéis e uni-los, e não somente estes, mas também os que não crêem devem ser amados e servidos como Sua imagem.

 

O amor deve se manifestar como serviço. O serviço deve tomar forma de alimento para os que têm fome, consolo para os desamparados, alívio para os doentes e para os que sofrem. Jesus se dedicou a tal serviço. O coração cheio de compaixão é o templo de Deus. Jesus advogou pela compaixão; a compaixão foi Sua mensagem. Desenvolvam a compaixão, vivam no amor. Sejam bons, façam o bem e vejam o bem. Esse é o caminho para Deus.

Sai Baba – Natal de 1991

 

Anunciação do Messias

Estando Isabel no sexto mês, foi enviado por Deus o anjo Gabriel a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi; o nome da virgem era Maria.  

 

Entrando, pois, o anjo onde ela estava, disse-lhe: Deus te salve, cheia de graça; o Senhor é contigo! Ela ao ouvir essas palavras perturbou-se e discorria pensativa que saudação seria essa.

 

Então o anjo lhe disse: Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus. Eis que conceberás no teu ventre e darás à luz um filho a quem porás o nome de JESUS. Este será grande, será chamado Filho do Altíssimo e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; reinará sobre a casa de Jacó eternamente e seu reino não terá fim.

 

Maria disse ao anjo: Como se fará isso, pois eu não conheço varão?

 

Respondendo, o anjo lhe disse: O Espírito Santo descerá sobre ti e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso mesmo o Santo que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus. Eis que também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na sua velhice; e este é o sexto mês da que se dizia estéril, porque a Deus nada é impossível. Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela.

 

A Visitação

Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Exclamou ela em alta voz e disse: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde a mim esta dita, que a mãe do meu Senhor venha ter comigo? Porque, logo que a voz da tua saudação chegou aos meus ouvidos, o menino saltou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada a que acreditou, porque se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas.

 

Magnificat – A Canção de Maria

Então Maria disse:

Minha alma glorifica o Senhor e meu espírito exulta em Deus, meu

Salvador, porque Ele baixou o olhar para a pobreza de sua serva.

Eis que, doravante, todas as gerações me proclamarão bem-aventurada, pois o

Todo-Poderoso realizou grandes obras em meu favor!

Santo é Seu nome!

Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre aqueles que o temem.

Manifestou a força de seu braço, dispersou os homens de coração orgulhoso,

derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes,

saciou de alimentos os famintos e despediu os ricos com as mãos vazias.

Socorreu Israel, seu servidor, como outrora prometera a nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência para sempre...

 

Maria ficou com Isabel cerca de três meses e depois voltou para sua casa.

Lucas, I: 26-56

 

Nascimento de Jesus

Naqueles dias saiu um edito de Cesar Augusto para que se fizesse o recenseamento de todo o mundo. Esse recenseamento foi anterior ao que se realizou quando Quirino era governador da Síria. Iam todos recensear-se, cada um à sua cidade. José foi também da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, que se chamava Belém, porque era da casa e família de Davi, para se recensear juntamente com Maria, sua esposa, que estava grávida.

 

Ora, estando ali, aconteceu completarem-se os dias em que deveria dar à luz e deu à luz o seu filho primogênito. Enfaixou-o e o reclinou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.

 

Naquela mesma região, havia uns pastores que velavam e faziam de noite a guarda ao seu rebanho. Eis que apareceu junto deles um anjo do Senhor, e a glória do Senhor os envolveu com a sua luz e tiveram grande temor. Porém o anjo disse-lhes: Não temais, porque eis que vos anuncio uma boa-nova, que será de grande alegria para todo o povo: Nasceu-vos hoje na cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo, o Senhor. Eis o sinal: Encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura. Subitamente apareceu com o anjo uma multidão da milícia celeste, louvando a Deus, e dizendo:

 

Glória a Deus no mais alto dos céus

e paz na Terra aos homens de boa vontade.

Depois que os anjos se retiraram deles para o céu, os pastores diziam entre si: Vamos até Belém, vejamos o que é que lá sucedeu, e o que é que o Senhor nos manifestou. Foram a toda a pressa e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura. Vendo isso, tornaram conhecido o que lhes tinha sido dito acerca desse Menino. Todos os que ouviram se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria conservava todas essas coisas, meditando-as no seu coração. Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido dito.

Lucas, 2: 1-20

 

Profecia de Isaias acerca do nascimento do Messias

Porquanto um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado e foi posto o principado sobre seu ombro; e será chamado Admirável, Conselheiro, Deus Forte, Pai do século futuro, Príncipe da Paz.

Isaías, 9: 6

 

Meditação de Natal

Papa João XXIII (1881 - 1963)

 

A noite avança; as estrelas claras e brilhantes cintilam na noite fria; vozes barulhentas e dissonantes  chegam aos meus ouvidos vindas da cidade - vozes dos folgazões mundanos que celebram com festas a chegada do Salvador. À minha volta, meus companheiros dormem em seus quartos e eu, em vigília, medito sobre o mistério de Belém. Vinde, vinde, Jesus, eu vos espero!

 

Maria e José sentindo que a hora se aproxima, rejeitados pelos da cidade, vão procurar abrigo no campo. Eu sou um pobre pastor, não tenho senão um mísero estábulo, uma pequena manjedoura, uns poucos molhos de palha.  Eu vos ofereço tudo, comprazei-vos em aceitar a minha humilde choupana.  Eu vos ofereço o meu coração, a minha alma é pobre e destituída de virtudes. Porém, ó Senhor meu, o que mais podereis esperar! É tudo quanto tenho!

A vossa pobreza me enternece; estou comovido até às lágrimas. Não tenho, entretanto, nada melhor para vos oferecer. Jesus, embelezai a minha alma com a vossa presença, adornai-a com a vossa graça. Queimai essas palhas secas e transformai-as em macio berço para vosso santíssimo corpo.

 

Jesus, estou aqui à vossa espera. Homens perversos vos rejeitaram e lá fora sopra um vento gélido. Sou um homem pobre, mas vos acolherei da melhor forma que puder. Ao menos condescendei em vos alegrardes com a minha vontade de vos dar uma ardente acolhida, de vos amar, de me sacrificar por vós.

 

Porém, a vosso modo, sois rico e podeis ver todas as minhas deficiências. Sois a chama da caridade e purificareis o meu coração de tudo o que não for do vosso agrado. Sois a santidade incriada e encher-me-eis com as vossas graças para que fecunde em minha alma o verdadeiro progresso espiritual. Vinde.

 

Ah! Já é tarde, o sono vence-me e a pena cai-me da mão. Deixai-me dormir um pouco. Ó Jesus, enquanto vossa Mãe e José preparam a choupana, deitar-me-ei aqui e descansarei um pouco, ao ar fresco da noite.

 

Quando vierdes, o esplendor de vossa luz ofuscará os meus olhos. Vossos anjos me acordarão com os seus suaves cânticos de glória e de paz e eu acorrerei com alegria para vos receber e vos oferecer os meus humildes presentes, minha morada, o pouco que possuo. Adorar-vos-ei e demonstrarei todo o meu afeto, com os demais pastores que se juntaram a mim e com os anjos do céu, cantando hinos de louvor.

Vinde, Jesus! Eu vos espero!

 

 

 

Entre sem Bater

Deixe entrar sem bater, meu caro amigo, os homens que morrem de frio, mais por falta de amor do que por falta de roupas...

Deixe entrar sem bater os que perderam o rumo nos trilhos complicados da existência; talvez achem no céu do seu abraço a estrela de Belém...

Deixe entrar sem bater os que têm fome, mais de carinho do que de pão e reparta com eles o seu carinho que vale mais do que o seu dinheiro...

Deixe entrar sem bater os que chegam a pé empoeirados e cansados porque a passagem do destino era cara demais e ninguém lhes pagou nem sequer um bilhete de terceira classe no trem da felicidade...

Deixe entrar sem bater os enjeitados no fim: os velhos e velhinhas que deram tudo de si, que perderam as pétalas da vida em benefício dos outros, seus filhos, e agora são deixados para murchar nos fundos dos asilos...

Deixe entrar como se fossem deles, aqueles que não tiveram tempo de ser criança, porque a vida lhes pôs uma enxada nas mãos quando deviam por nelas algum brinquedo... os que nunca tiveram sorrisos em seus lábios porque a lágrima chegava sempre primeiro...

Deixe entrar sem bater todos estes, sem temer que falte espaço, porque num coração com amor sempre cabe mais um e até mais mil...

E depois que tiver a sala do peito lotada de infelizes, aleijados e famintos, você vai ter, amigo, a maior das surpresas, ao ver que a face torturada de tantos se transforma, de repente, no rosto iluminado e sorridente do Mestre Jesus, falando só para você: - ‘Meu caro amigo, agora é a sua vez: entre você também.’

Pode entrar sem bater, a casa é sua.

(Desconhecemos o autor)

 

 

Fontes:

Discursos de Sathya Sai Baba

Bíblia Sagrada – edições Paulinas

As Mais Belas Orações de Todos os Tempos – seleção e trad. de Rose Muraro e Frei Raimundo Cintra

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.