Nossa Senhora Aparecida

No dia 12 de outubro comemoramos a Solenidade da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição Aparecida. 

 

Inicialmente, a festa de Nossa Senhora Aparecida era celebrada no segundo domingo de maio, depois, passou a ser celebrada no dia 11 de maio e, após, no dia 7 de setembro, por ser o Dia da Independência do Brasil.  Somente em 1953 a festa foi oficialmente colocada no dia 12 de outubro, pois segundo conta a história, a imagem da Virgem Maria foi encontrada no Rio Paraíba do Sul em meados de outubro.

 

Em 1930 o Papa Pio XI declarou Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. No entanto, apenas em 1955 foi dado início à construção da nova Basílica, dedicada a Nossa Senhora, na cidade de Aparecida do Norte. Em 1980, por ocasião da visita do Papa João Paulo II ao Brasil e à Aparecida, ocorreu a consagração da nova Basílica, ficando decretado o dia 12 de outubro como feriado nacional.

 

História do Aparecimento da Imagem

O rio Paraíba, que nasce em São Paulo e deságua no litoral fluminense, era limpo e piscoso em 1717, quando os pescadores Domingos Garcia, Felipe Pedroso e João Alves resgataram a imagem de Nossa Senhora Aparecida de suas águas. Encarregados de garantir o almoço do conde de Assumar, então governador da província de São Paulo, que visitava a Vila de Guaratinguetá, eles subiam o rio e lançavam as redes sem muito sucesso próximo ao porto de Itaguaçu, até que recolheram o corpo da imagem, sem a cabeça. Era uma imagem de Nossa Senhora da Conceição, feita em barro, que estava empretecida por ter estado submersa por muito tempo.

 

Na segunda tentativa de lançamento da rede ao rio, já longe do local do primeiro lançamento, trouxeram a cabeça da imagem. Este fato, só por si, já é milagroso. A partir desse momento, os peixes pareciam brotar ao redor do barco.

 

Durante 15 anos, Pedroso ficou com a imagem em sua casa, onde recebia várias pessoas para rezas e novenas. Mais tarde, a família construiu um oratório para a imagem, até que em 1735, o vigário de Guaratinguetá erigiu uma capela no alto do Morro dos Coqueiros. Como o número de fieis fosse cada vez maior, teve início em 1834 a construção da chamada Basílica Velha. O ano de 1928 marcou a passagem do povoado nascido ao redor do Morro dos Coqueiros a município e, um ano depois, o papa Pio XI proclamava a santa como Rainha do Brasil e sua padroeira oficial.

 

A necessidade de um local maior para os romeiros era inevitável e em 1955 teve início a construção da Basílica Nova, que em tamanho só perde para a de São Pedro, no Vaticano. O arquiteto Benedito Calixto idealizou um edifício em forma de cruz grega, com 173m de comprimento por 168m de largura; as naves com 40m e a cúpula com 70m de altura, capaz de abrigar 45 mil pessoas. Os 272 mil metros quadrados de estacionamento comportam 4 mil ônibus e 6 mil carros. Tudo isso para atender cerca de 7 milhões de romeiros por ano.

 

Alguns dos primeiros Milagres

 

Caem as Correntes

Em meados de 1850, um escravo chamado Zacarias, preso por grossas correntes, ao passar pelo Santuário, pede ao feitor permissão para rezar à Nossa Senhora Aparecida. Recebendo autorização, o escravo se ajoelha e reza contrito. As correntes soltam-se milagrosamente de seus pulsos, deixando Zacarias livre.

 

O Cavaleiro Sem Fé

Um cavaleiro de Cuiabá, passando por Aparecida, ao se dirigir para Minas Gerais, viu a fé dos romeiros e começou a zombar, dizendo, que aquela fé era uma bobagem. Quis provar o que dizia, entrando a cavalo na igreja. Não conseguiu. A pata de seu cavalo se prendeu em uma pedra.

 

Fonte: http://www.cantodapaz.com.br

© © 2016-2019 Organização Internacional Sathya Sai do Brasil. Todos os direitos reservados.